5 atitudes de quem NUNCA vai entender como ficar rico!

Entender como ficar rico, todo mundo quer. Agora, apesar de todo mundo querer entender como ficar rico, muitos de nós temos atitudes que justamente nos impedem de alcançar a riqueza – e com riqueza, não digo somente a riqueza material.

O problema é que nem sempre nós percebemos isso. A coisa mais normal do mundo é termos atitudes que estão nos sabotando, e que ao mesmo tempo, não percebemos como elas nos tem prejudicado.

Por isso, no artigo de hoje, listei 5 atitudes de quem nunca vai entender como ficar rico.

Fique ligado, porque é bem possível que você tenha pelo menos uma delas.

Confira a lista:

1) Não controlar bem as suas finanças

A primeira pode parecer a mais óbvia, mas ela também é uma das atitudes que as pessoas mais têm de errado.

Não basta termos “uma noção” de como gastamos o nosso dinheiro, nós temos que controlar isso por completo. Não adianta de nada saber que você gasta todo o seu salário, por exemplo, se você não sabe como ele é gasto.

É por meio desse tipo de controle que você consegue fazer mudanças efetivas no seu orçamento. Com os detalhes, o “eu gasto muito dinheiro” pode virar um “eu gasto muito dinheiro com roupa”, e, dessa forma, você consegue ter uma noção mais clara de qual é o seu problema – e de como resolvê-lo.

Todas as pessoas que almejam o como ficar rico, essencialmente, precisam entender o “como eu gasto o meu dinheiro?”.

Até porque, veja, o segredo não é o quanto você ganha, é o quanto você gasta.

2) Ter a mente de escassez

Ter uma mente de escassez significa ter uma crença limitante sobre as coisas.

Peguemos o caso da advocacia, por exemplo. Todo mundo que já conversou sobre advocacia, ou que viu notícias relacionadas sobre esse assunto, sabe que a advocacia é, para alguns, um mercado “saturado”.

É aquele tipo de papo que, toda vez que você menciona que quer ser um advogado, tem alguém pra dizer “mas você não acha que já temos muitos advogados no Brasil?”

Isso é mente de escassez. Achar que, por ter muitas pessoas, não há espaço para novas.

Pensando assim, você se impõe um limite. A realidade é que sim, pode ter muitos advogados no Brasil, mas sempre há espaço para os bons advogados.

Não é o número de pessoas que fazem a mesma coisa que você que determina o quão bem você vai ser em algo. O que define, na realidade, é o valor a mais que você entrega do que a sua concorrência.

Isso serve para o trabalho, mas para também qualquer coisa da sua vida. Se você quer aprender a como ser rico, entenda: você tem que ver abundância em tudo.

3) Se acomodar com a situação em que vive

Independentemente de como for o caso, se acomodar com a situação em que você está nunca vai ser algo bom.

Se você se sente estagnado, o motivo é óbvio: se você se acomodar com isso, você nunca vai ficar rico de verdade. O sucesso está longe da zona de conforto.

Agora, se você já é rico, cuidado: se acomodar com isso pode também ser prejudicial. Se você deixa de correr, uma hora ou outra, você deixa de ser o primeiro lugar.

É aquela coisa: não podemos parar. Temos a zona de conforto em que nós estamos hoje, e temos a zona de conforto que nós queremos estar no futuro.

O mundo é que nem uma esteira rolante: se você parar, você volta. Para chegar na zona de conforto que queremos e nos manter lá, temos que estar em constante movimento.

Talvez, hoje, isso pareça difícil para você. Há situações em que parece que nada dá certo, e você acaba se “acostumando” com o fracasso, mas veja: o fracasso está entre você e o sucesso. Para você entender como ficar rico, deve entender que ele faz parte do processo e te ajuda a melhorar.

4) Conviver no mesmo ambiente que pessoas negativas

Talvez este seja um dos principais motivos pelos quais muitos de nós não conseguimos atingir a riqueza.

Infelizmente, nós temos ambientes tóxicos por toda parte. Ás vezes é no trabalho, quando convivemos com pessoas que, além de não trabalharem tão bem, vivem reclamando do trabalho.

Já outras vezes é na nossa própria família, quando desde pequeno nós ouvimos da nossa família que o dinheiro é mau e que riqueza é questão de sorte.

De um jeito ou de outro, o ambiente em que vivemos acaba nos prejudicando e muito. O ambiente tende a mudar o nosso mindset e tende a influenciar nossas ações, mesmo quando não queremos.

Como Napoleon Hill já disse uma vez, nós tendemos a entrar em harmonia com o ambiente que vivemos, e se o nosso ambiente é tóxico, naturalmente tendemos a entrar em harmonia com o tóxico.

Infelizmente, nunca é fácil sair de um ambiente tóxico, principalmente se ele está em casa. Mas, por mais que seja difícil a decisão (emocionalmente falando), é fato: você precisa mudar o seu ambiente, ou sair dele.

5) Culpar os outros pelo seu resultado

Sempre que fazemos algo errado, ou até mesmo quando não fazemos, nós temos a tendência a sempre culpar um terceiro, e nunca a nós mesmos.

E tudo bem que, em alguns casos, nós temos razão. A culpa não é minha e nem sua que, por exemplo, o Brasil entrou em crise.

O ponto é: se nós ficamos apontando o dedo pras coisas, nós terceirizamos a culpa, e também terceirizamos a ação. Deixamos de fazer coisas que poderiam solucionar o nosso problema porque concluímos que a culpa não é nossa, e, por isso, não cabe a nós resolver.

Isso está completamente errado, e delegar o resultado da sua vida às ações de terceiros sempre vai te levar a caminhos ruins.

Tudo bem que nem sempre a culpa das coisas darem errado são suas, mas você sempre tem a possibilidade de puxar a culpa pra você e fazer algo pra consertar.

E é justamente quando você dá esse passo que você entende uma das principais características de alguém que sabe como ficar rico:

Todas as pessoas bem-sucedidas são protagonistas da sua vida.

 

Esses são os 5 hábitos de quem nunca vai entender como ficar rico… pelo menos, não enquanto ainda mantê-los. Agora que você já sabe quais eles são, cabe a seguinte reflexão: qual deles você tem? Se identificou algum, ótimo, agora cabe a você resolvê-lo (lembre-se: seja protagonista!)

Por fim, não esqueça de seguir o primo no youtube e no instagram.

Até a próxima!