Mês: junho 2017

5 erros que você não pode cometer com seu dinheiro!

Muitas vezes, no decorrer da nossa vida, nos deparamos com situações em que erramos e prejudicamos a nossa vida de algum jeito.

Às vezes, porém, o erro é tão desastroso que pode simplesmente acabar com todas as nossas economias.

Pensando nisso, listamos 5 erros completamente desastrosos que PRECISAM ser evitados caso quisermos driblar os problemas que a vida nos dá.

Inclusive, estes erros não afetam apenas pessoas comuns mas também podem afetar os empresários e suas empresas.

O que pode tornar o artigo muito interessante para os primos que abriram o seu próprio negócio!

 

1)  Não fazer levantamentos

Um dos erros que muitas vezes ocorrem nas empresas, é o fato de que muitos empreendedores acabam por não fazer levantamentos da maneira correta.

Principalmente sobre diversos pontos fundamentais do funcionamento de sua empresa.

Muitos pequenos empresários, por exemplo, trocam o cálculo do lucro esperado pelo famoso “acho que vai dar certo”.

Isso pode ser simplesmente uma forma muito ruim de seguir em frente, afinal, ele vai estar tateando no escuro!

Um empresário não pode abrir mão dos cálculos, dos levantamentos, do benchmark e da pesquisa de mercado!

O empresário precisa disso tudo assim como uma família precisa de cálculos para avaliar se os seus custos vão exceder ou não sua renda.

Ou se o tanto que parcelou no cartão vai impactar muito nas finanças futuras ou não.

Lembro que os itens podem e deverão ser diferentes comparando empresa e família.

Isso porque, enquanto a família se limitará a sua planilha de gastos mensais e futuros, a empresa tem cálculos de lucratividade e reinvestimento para fazer.

Mas, ainda assim, o mindset não muda:

é necessário que se tome os devidos cuidados sobre a situação financeira atual da empresa e/ou família caso não queira ser surpreendido no futuro com escolhas que se demonstraram irreais.

Caso o primo que não tenha uma empresa ainda tenha dúvidas de como fazer seu orçamento familiar, convido-o a ver este artigo do blog Clube do Valor.

É dado um passo a passo bem simples sobre o que levar em conta na hora de levantar todas as informações!

 

2)  Não acompanhar a gestão de um terceiro sob o seu patrimônio

Esse erro vemos acontecer muito tanto com empresas quanto com as famílias.

Com as famílias, é super comum vermos isso na relação cliente/banco.

Muitas pessoas que hoje investem pelo banco, quando deixam o banco escolher aplicações para este, mal sabem as características dos investimentos do qual seu dinheiro está aplicado.

E realmente não se importam tanto, o que é um erro enorme de se cometer.

Há casos onde o banco acabou investindo o dinheiro do cliente em um fundo multimercado e o cliente só teve ciência dos riscos da aplicação quando viu seu dinheiro ter um rendimento negativo.

Ter a ciência de onde o seu dinheiro está investido e conhecer a aplicação são fundamentais para ver se isso está sendo benéfico para você ou não.

Já para as empresas, podemos ver isso acontecer principalmente no que se refere ao transporte corporativo.

Muitas empresas acabam cedendo um veículo ao funcionário e esse funcionário usa o carro de maneira indevida.

Não é difícil achar situações que beiram o ridículo, como funcionário indo para balada com o carro da empresa.

Isso pode gerar um ônus ao empregador, e, por isso, é extremamente necessário que o empregador saiba gerenciar os recursos que entrega na mão de seus funcionários!

Isso pode gerar um grande diferencial na economia da empresa.

 

3)  Falta de comunicação na hora de tomar decisões

A falta de comunicação é sempre um problema nas relações humanas.

Para a empresa, uma falta de comunicação pode resultar, além dos famosos “telefones sem fios”,  em casos onde decisões podem ser feitas com base em pressupostos errados.

Imagine que, por exemplo, um defeito em uma máquina dentro de uma indústria esteja afetando a produtividade do negócio.

Se não houver uma comunicação entre patrão e empregado, o patrão pode entender que o problema está no funcionário.

Isso faz com que ele possa tomar decisões que, num geral, podem prejudicar o relacionamento dele com seus empregados, como o próprio caso da demissão injusta.

Já nas famílias, isso ocorre principalmente na falta de conversa entre casais.

Podemos pegar como exemplo um casal que compartilha de uma conta conjunta para o casal, mas que não consegue estabelecer uma comunicação sobre quais valores podem ser gastos livremente e quais valores são necessários para pagar as contas.

Isso pode causar um transtorno muito grande aos dois, pois, imagine que você precisa de um dinheiro para pagar uma conta.

Mas, ao visualizar a conta no banco, viu que o dinheiro foi usado para outro fim.

São problemas que são enfrentados por casais e que se derivam da falta de uma comunicação presente entre as duas partes.

Estar atento a isso e sempre se manter transparente com seu parceiro, mantendo-o sempre informado, é uma das chaves para a harmonia financeira!

Da mesma forma, uma comunicação ativa com todos os funcionários de sua empresa é de grande valia para entender o que está ruim e o que pode ser melhorado.

Além de adquirir um relacionamento muito bom para o ambiente da empresa!

 

4)  Não compreender o fluxo de suas finanças

Um problema que ocorre em especial com as empresas, visto que o problema é recorrente em empresas pequenas.

Nelas há uma falta de noção sobre as perspectivas do seu fluxo de caixa.

Inclusive muitos empresários, por não entenderem isso, acabam muitas vezes adquirindo dívidas bancárias.

Muitas destas maiores do que suas possibilidades de cumprir o pagamento.

Essa realidade acontece não só para as empresas, mas como também, infelizmente, ocorre com as famílias.

Não é difícil de se ver famílias que acabam gastando mais do que a sua renda mensal permite e entram em dívidas perigosas, como o rotativo do cartão.

São muitas vezes juros altos que são pagos sem nenhuma necessidade, e que poderiam ser evitados.

Por isso mesmo, ENTENDA como funciona o fluxo da sua renda.

Entenda para onde a renda vai e os dias que vão.

Se esse fluxo permite que se adquira coisas adicionais, enfim, entenda sua situação financeira.

Tudo isso para entender até onde suas dívidas podem chegar, e SE elas devem chegar.

 

5)   Não separar os gastos de forma coerente

Uma vez que se faça levantamentos, se torna muito importante que a separação destes levantamentos seja feita de forma eficiente.

Não dá para juntar todo o lucro de uma empresa num valor só.

Muito menos não especificar valores para reinvestimento e renda do empresário do negócio.

Assim como é errado não separar os custos fixos dos custos variáveis.

Se torna necessário, então, que os gastos sejam direcionados já diretamente na planilha dos levantamentos.

Isso com o fim de evitar erros e distorções para aquilo que foi definido primariamente.

E isso serve também para as famílias.

Se a família não separar os custos essenciais dos supérfluos, por exemplo, e juntar tudo num valor só, temos um problema.

Caso esse custo exceda a renda, ela pode ter todo um trabalho se reorganizar e decidir onde poupar para o próximo mês.

Insistir em erros bobos como a falta de noção com os valores gastos sempre levam, na maioria das vezes, a grandes dívidas.

E isso não é o que queremos, certo? 🙂

 

Espero que o artigo tenha ajudado vocês primos, e até a próxima!

Comprar bitcoin: Todos os segredos dessa moeda digital!

comprar-bitcoin

O que é bitcoin?

O bitcoin nada mais é do que uma criptomoeda gerada via internet.

Apesar de ser como uma moeda digital, o bitcoin tem seu valor real.

Ou seja, ela é como outros tipos de moeda, como real, dólar…

Mas com a diferença de ser digital. Não há bitcoin que você consiga pegar na mão.

Com bitcoin, a transação de dinheiro pode ser feita de forma muito mais rápida e também com taxas menores.

Mas não é só disso que irei explicar para vocês.

Primeiro, antes de entrar em todos os benefícios que essa moeda pode trazer, quero explicar ao leitor como é a segurança da bitcoin.

Até porque é um dos assuntos dos quais as pessoas têm mais medo.

Para tal, começarei explicando como é a segurança nos bancos e as diferenças que ela tem em relação à segurança do bitcoin.

Segurança do banco x Segurança do bitcoin

Hoje, para os bancos tradicionais garantirem que as informações e a integridade dos seus sistemas são confiáveis, ele utiliza de empregados em controle interno, utiliza sistemas mais fechados, sujeita seus balanços à um auditor externo independente…

Ele precisa disso para garantir a segurança.

Mas, quando levamos este caso para a bitcoin, não é bem assim.

A bitcoin se utiliza de um sistema descentralizado, ou seja, não há nenhum responsável para fazer isso.

Não há nenhum Itaú ou Bradesco para fazer isto.

Se não há esse intermediário, como, então, validar e garantir segurança nas transações por bitcoin?

Ainda mais sabendo que as transações são feitas de forma anônima.

Se você não sabe quem é a contraparte da transação, como confiar?

A resposta do bitcoin é simples: qualquer um pode realizar a tarefa de validação e registros das transações que ocorrem.

É isso mesmo. Basta programar um software no seu computador.

Você deve estar se perguntando uma coisa nesse momento: “Certo, mas por que alguém faria isso de livre e espontânea vontade? ”

Bom, para que isso realmente funcionasse, foi criado um incentivo para quem fizesse esse trabalho:

Quem validar e registrar as transações, recebe, em troca, unidades de bitcoins!

Ou seja, a pessoa adquire a responsabilidade de manter a rede operando de forma segura e recebe bitcoins em troca.

Assim, novas bitcoins são criadas e postas no mercado. Legal, né?

Agora, quem entende um pouco mais de inflação deve estar com a dúvida:

“Como impedir, então, que a moeda não seja inflacionada? Como deter o excesso de bitcoins no mercado caso várias pessoas buscassem esse trabalho em troca de bitcoins?”

Para responder essa questão, existe o chamado Proof of Work, ou PoW.

O que é o PoW?

O PoW torna o trabalho de validar e registrar as transações no sistema não só difícil de desempenhar, mas custoso também.

Para isso, o PoW exige que cada usuário resolva um problema matemático MUITO complexo, e que prove para toda a rede de que o problema foi resolvido.

Então, além de validar as transações, é necessário que se resolva também este problema matemático e provar que você solucionou ele para a rede.

Para imaginar como é feito isso, gosto muito do exemplo do economista Fernando Ulrich, um dos grandes especialistas do assunto no Brasil.

Ele assemelha o PoW com um jogo de Sudoku:

É muito difícil resolver um Sudoku complexo, mas, para comprovar que está correto, basta somarmos as linhas e colunas e ver se está solucionado.

O PoW compartilha da mesma ideia:

Um problema de difícil resolução mas que, para verificar se está correto, é muito simples.

Todo este processo de validação e registro, é conhecido como minerar.

OU seja, é assim que ocorre a mineração de bitcoins!

E é disso, também, que sai o conceito de blockchain.

O blockchain não é tão conhecido como a bitcoin, mas é ele o responsável por fazer a bitcoin funcionar.

E e justamente o blockchain que é, sem dúvida nenhuma, o protagonista.

O que é blockchain?

O blockchain nada mais é do que o sistema onde é registrado todas as transações pelos mineradores.

Os mineradores registram as transações em um “bloco”.

Mas cada bloco registrado, além de conter as informações destas transações também contém o PoW e uma referência ao bloco imediatamente anterior.

Isso significa que no blockchain todos os blocos de validação dos mineradores estão vinculados uns aos outros.

De forma que, sempre que for registrado um novo bloco, este estará ligado com o bloco anterior.

Por isso, o blockchain contém um histórico de todas as transações validadas e registradas.

E é possível, inclusive, ver a ordem cronológicas destas e ver todo o percurso de cada moeda transacionada.

Desde a primeira bitcoin transacionada!

Curiosidade

O tempo de validação de uma operação dessas por bitcoin é sempre ajustado para os 10 minutos.

Caso o computador usado para resolver o PoW tiver uma capacidade operacional muito alta, a dificuldade do cálculo matemático se ajusta para ser resolvido ainda no tempo de 10 minutos.

E assim vai se ajustando dado a capacidade operacional daqueles que estão tentando resolver o código.

Vale lembrar que, pelo fato de ser livre para todos tentarem a mineração, há competição pela mineração. E é essa competição que mantém o sistema operando.

Certo, mas qual a segurança disso tudo?

E por que esse sistema garante a segurança da rede?

Simples, pois quebrar o blockchain inteiro é praticamente impraticável.

Pense apenas que, para eu hackear um bloco do blockchain, eu não teria que hackear apenas um bloco, mas sim hackear o bloco que eu quero e todos os outros no histórico do blockchain.

Isso porque estão todos ligados uns aos outros de forma simultânea!

Por isso que, quanto mais tempo o bloco está no blockchain, mais seguro ele está de sofrer alguma tentativa de alteração.

A alteração de um bloco implica na alteração de todos os que vieram depois dele.

E um outro adendo à segurança do sistema é que todas as transações são públicas, mesmo que não se conheça quem transacionou.

Então, diferentemente do banco onde você consegue visualizar apenas as suas transações, com o blockchain você consegue visualizar todas as transações.

E mais: consegue ver se os registros estão sendo feitos de forma correta, sem nenhuma fraude!

Ou seja, temos no blockchain um dos sistemas mais seguros do mundo.

Mas isso tem algum problema, não tem?

Sim, isso tudo não quer dizer que o blockchain é livre de perigos.

Por exemplo, uma ameaça é a de quebra do algoritmo do blockchain.

Se isso acontecesse, permitiria à pessoa que se solucionasse o PoW sem precisar de muita força operacional.

Só que é bom frizar que, se isso acontecer, teríamos ai um problema não só com a bitcoin, mas para todos os sistemas bancários do mundo.

Já que estes usam o mesmo padrão de criptografia da bitcoin!

Continuando…

Espero que tenha entendido tudo até aqui, porque agora vem uma parte importante: as características importantes.

4 características importantes sobre bitcoin/blockchain 

Me dedicarei a explicar algumas características da bitcoin e porque eu acho que tanto a bitcoin como o blockchain são ferramentas incríveis.

E também porque se deve ter alguns cuidados com ambos.

1. Desregularização da bitcoin

O primeiro ponto que deve ser comentado é sobre a desregularização do bitcoin.

Isso, para mim, gera tanto problemas mas soluções também!

O maior problema da desregularização é que, veja, a bitcoin não é emitida por nenhum governo.

Então, como não há nenhuma entidade central que possa ter um controle dessa moeda, caso gere algum problema como os casos que vemos de corretoras sumindo com com os bitcoins, nada muito grande pode ser feito.

Por outro lado, isso pode ser contornado e termos vantagens em relação a isso.

A primeira vantagem é que a bitcoin, pelo fato de não ser controlada por nenhum governo, também não pode ser inflacionada ou deflacionada de acordo com a vontade dos governantes.

Isso é um ponto chave, pois, apesar da bitcoin ser uma moeda volátil, ela não pode ser influenciada diretamente pelo gosto de um planejador central, como as moedas de curso forçado (real, dólar, etc) são.

A moeda se torna, então, protegida contra as vontades de políticos mal-intencionados.

Mas, se pensarmos que a mineração é responsável por criar bitcoins do nada, poderíamos ter então uma inflação da ocasionada não pelo governo, mas pelas pessoas em si, correto?

Meia verdade.

A realidade é que o número de bitcoins hoje é FINITA pelo próprio algoritmo Bitcoin, que definiu como o limite máximo de bitcoins em circulações como 21 milhões.

Além disso, a cada 4 anos o número de bitcoins que são dadas como recompensa aos mineradores diminuem pela metade.

Dessa forma, com o tempo vai se tornando mais difícil para os mineradores conseguirem muitas bitcoins.

Certo, e quais as vantagens e desvantagens disso?

O lado positivo é que isso torna a bitcoin uma moeda que tem inflação controlada, pois tem um limite máximo.

O porém é que, uma vez que ela acabe, os incentivos para haver os registros dos mineradores diminuiriam.

Talvez você esteja pensando: “Isso tornaria a bitcoin insustentável no longo prazo?”

Não seria impossível.

A boa notícia é que essa não é a única forma dos mineradores ganharem dinheiro.

Muitas pessoas pagam taxas aos mineradores para terem suas transações registradas primeiro.

Por isso, quando o limite máximo de bitcoins chegar, as mineradoras ainda assim poderão continuar seu trabalho.

Mas sendo recompensadas apenas com taxas cobradas pelo seu serviço!

Resumindo então o conjunto da obra:

A bitcoin nos dá esperança de uma moeda que não terá influencias de maus políticos e por isso poder ser uma moeda bem mais estável.

Mas a falta de regulação, na mesma medida que apresenta benefícios, apresenta malefícios também.

2. Redução de burocracia e intermediários

Se vocês entenderam como funciona o blockchain, talvez tenham percebido o que isso pode representar.

Imagine um mundo onde muitas burocracias podem ser reduzidas a um sistema de computador que valida os seus registros e divulga isso para uma rede pública.

Não consegue? Eu ajudo.

Imagine várias empresas online que oferecem as mesmas vagas de hotéis para seus clientes.

Não é difícil de imaginar que podem ocorrer lentidões na forma como são passadas as informações entre as empresas e os hotéis.

Afinal, a empresa teria que confirmar a compra do seu cliente, enviar a compra para o hotel, que teria de reservar o quarto para o cliente desta empresa, confirmar para esta empresa e notificar as outras que numa data “x” o quarto está reservado.

Isso não ocorre de forma imediata.

E se nesse meio tempo 2 clientes, de empresas distintas, tentam reservar o mesmo quarto no mesmo dia?

Podemos ter ai um problema de informação.

Agora, caso isso fosse feito por um sistema que nem o blockchain, a empresa registraria a compra num sistema de rede aberto e notificaria todas as empresas, ao mesmo tempo, que já reservou aquela vaga para um cliente.

E isso com um tempo muito mais curto para a disseminação da informação!

Podemos ainda usar outro exemplo para o mesmo caso:

E se tirássemos estas empresas da relação?

E se tudo fosse feito diretamente entre as pessoas num sistema imutável de registros em blockchain?

Isso é possível!

Isso porque o blockchain do bitcoin não é o único blockchain do mundo.

E quais são as outras alternativas?

O blockchain da Etherium, por exemplo, é um blockchain que consegue gerar um contrato.

Então, imagine que, para uma vaga de hotel você não precisa mais procurar por uma empresa intermediária:

Basta acessar o blockchain, procurar a vaga que você mais deseja, o blockchain gera um contrato com a outra parte detentora da vaga.

Tudo isso sendo feito digitalmente e de uma forma muito mais rápida.

O que geraria toda uma eficiência no processo, já que, pelo fato do blockchain ser público, além de você gerar todo essa transação sem nenhum intermediário, todas as outras pessoas interessadas numa vaga de hotel, serão também notificadas rapidamente de que a vaga já foi escolhida por você e não está mais disponível.

Não sei vocês, mas acho isso incrível!

Podemos pensar em outro exemplo ainda:

Vocês já tentaram fazer uma remessa para o exterior? Se sim, sabem o quão burocrático e demorado isso pode ser.

Agora, imagine que, com bitcoins, basta apenas você ter o código alfanumérico da carteira de bitcoin da pessoa que você quer enviar a remessa e simplesmente enviar suas bitcoins até ele!

Assim, você não precisa de nenhum intermediário nesse processo, que pode durar dias com as instituições, e a outra parte recebe o dinheiro em questão de minutos, via bitcoin.

Já fica aí a dica primos:

Se o seu filho está fazendo intercâmbio fora do país, você pode estudar comprar bitcoins para mandar a ele! Isso vai te poupar, com certeza, muito tempo de dor de cabeça.

3. Fuga das taxas

Entendendo que o blockchain nos livra de intermediários, podemos passar a considerar, então, uma redução significante nas taxas que temos ao fazer as diversas atividades de transferência dos nossos ativos e processos semelhantes.

Imagine que, por exemplo, com esse sistema, não precisaríamos mais de um intermediário, como um banco, para realizar uma transferência para outra pessoa.

Você pode se livrar não só de taxas de TED, mas de altas taxas para enviar dinheiro físico para as pessoas, como explicitado no exemplo anterior.

4. Preservação da privacidade

Uma característica que temos que tomar cuidado.

Você consegue imaginar o quanto de informação desnecessária hoje está disponível na internet para as pessoas saberem de você?

Sabe o quanto as empresas e o governo conhecem sobre você?

A privacidade sempre foi uma pedra no sapato dos desconfiados, ou simplesmente daqueles que gostam de ter privacidade.

O lado bom da história é que, com essa nova tecnologia, podemos guardar todas as nossas informações num bloco e ter o controle total do que é divulgado para aqueles que fazemos trocas.

Ou seja, para quem quer ter uma privacidade de sua vida, a tecnologia é uma luz!

Afinal, com isso você poderia controlar as informações de você mesmo.

O problema é que, apesar disso ter uma vantagem, há também uma desvantagem:

Dá privacidade tanto às pessoas boas quanto para as pessoas más.

Uma vez que não se sabe, por exemplo, a identidade da pessoa que fez uma transação, muitas pessoas se utilizam disso para fazer transações em mercados negros ou atividades ilícitas.

Entendi! Mas como comprar bitcoin e usar nas minhas finanças? 

Separei 3 usos que podem ser interessantes para a bitcoin:

  • Bitcoin como reserva de valor

Uma das funcionalidades muito interessantes da bitcoin é justamente usar a moeda como reserva financeira!

O fato da bitcoin não poder ser inflacionada como uma moeda de cunho forçado, como comentei anteriormente, e pelo fato também de ser protegida por todo o sistema da segurança do blockchain, o bitcoin pode ser uma alternativa interessante ao ouro como reserva de valor.

Então, a ideia é que, caso você tenha uma desconfiança muito alta na situação do Brasil, ou quer se prevenir quanto à possíveis desvalorizações altas da nossa moeda ao invés de converter uma parte do seu patrimônio para o ouro, você pode comprar bitcoins e transferir uma parte – ou totalidade – do seu patrimônio para a moeda!

Mas alguns problemas têm de ser expostos.

O primeiro é que a bitcoin é um ativo ainda muito volátil.

Pode ser que, nesse meio tempo que for usado como reserva financeira, a bitcoin pode desvalorizar muito e inviabilizar você desconverter o seu patrimônio num momento futuro

É por conta de situações como esta que NÃO recomendo que se faça isso com porcentagens grandes do seu atual patrimônio.

Transformar valores como 3% do seu patrimônio total em bitcoins.

É uma ideia muito mais segura do que fazer isso com porcentagens maiores.

Você pode fazer com porcentagens maiores?

Sim, à vontade, mas tenha em mente os riscos que você pode ter.

Outros problemas…

Outro cuidado que se deve ter é o fato de que, muitas vezes, quando pensamos em bancos e corretoras, vemos estas instituições como instituições mais seguras para guardar o nosso dinheiro do que simplesmente guardarmos debaixo do colchão, certo?

Mas, no caso da bitcoin, isso muda um pouco de figura.

Por conta da ameaça de hackers, muitas empresas que trabalham com bitcoin não incentivam o cliente a deixar seus bitcoins com eles.

Justamente porque, ao deixar os seus bitcoins na plataforma destas empresas, o risco de hackers tentando procurar brechas no sistema da instituição aumentam.

E isso é uma ameaça tanto para o cliente quanto para a empresa em si.

Por isso, caso você queira usar bitcoins como reserva de valor, pode ser interessante pensar nas bitcoin wallets, especificamente as hardware wallets e paper wallets.

Estes dois, basicamente, são formas de guardar a sua carteira de bitcoins fora de uma rede que possa ser hackeada.

O hardware wallet, por exemplo, é um dispositivo como um pen drive.

Você usa esse dispositivo para guardar seus bitcoins e guarda ele num cofre ou com alguém que confie.

Assim, por não estar ligado à internet, você protege melhor seu patrimônio dos riscos virtuais.

Ai, assim que quiser usar os seus bitcoins, basta pegar o wallet e ativar! E você pode ir fazendo isso frequentemente.

Por exemplo, se você quer ativar sua carteira apenas para aumentar a reserva e depois guardar de novo, isso é possível.

Agora, atento que, diferentemente do hardware wallet, o paper wallet não é físico, é virtual.

Mas ainda assim é uma carteira que você consegue acessar de forma offline, sem precisar de internet.

Então, caso queira usar a bitcoin como reserva de valor, o recomendado é usar uma wallet dessas e deixar o mais longe possível de redes.

E, claro, na hora que for guardar as bitcoins nesta wallet, certifique-se que o computador está livre de vírus e etc.

Isso também é importante!

  • Bitcoin para especulação

Outra funcionalidade – e essa é famosa – é utilizar o bitcoin como se fosse um ativo da bolsa de valores, podendo ser tanto day trade quanto swing trade.

A ideia é bem simples, você pode comprar bitcoin num dado preço e esperar o preço subir para realizar uma venda e conseguir um lucro na operação.

Porém, é claro, assim como na bolsa de valores, é importante também olhar e analisar para ver se vale a pena fazer isso no momento para realizar uma boa transação.

E qual a vantagem da bitcoin?

A vantagem do Bitcoin, nesse caso, deriva do fato que muita gente acredita ainda que o preço do bitcoin pode subir.

Afinal, como eu disse anteriormente:

A mineração se torna mais difícil com o tempo e o número de moedas mineradas diminui.

Adicionando isso ao fato de que o número de bitcoins a serem minerados é finito, então temos que, pela própria escassez de mineração com o tempo, o preço do ativo tem caminho para subir no longo prazo.

Colocar um valor pequeno em bitcoin como uma alternativa fora à bolsa de valores é interessante, e, inclusive, alguns traders estão fazendo isso.

Não estou dizendo que o preço do bitcoin vai subir, isso eu não sei e não posso dar a certeza.

Porém, há sim uma possibilidade.

E isso é uma oportunidade não só para o trader que pensa no curto prazo, não!

É também para aqueles que fazem o perfil de buy and hold!

Agora, é importante entender, como explicado anteriormente, que a bitcoin é volátil.

Isso, por um lado, ajuda quem quer se livrar do ativo fácil numa operação de trade.

O problema é que torna a evolução do ativo muito mais difícil de ser prevista.

Da mesma forma que há campo para que o preço da bitcoin cresça, não sabemos quando isso acontece e se realmente vai acontecer.

Por isso enfatizei que não estou dizendo que o preço da bitcoin vai subir.

Especular com ela é difícil, então, se for fazer isso, é bom tomar muito cuidado com a forma que você vai fazer.

  • Bitcoin para diversificação

Esta serve como um adendo para as outras.

Uma utilidade de dar uma chance ao Bitcoin é o fato de que, ao fazer isso, você está diversificando a sua carteira.

Enfatizo novamente:

Não é saudável colocar todo o seu patrimônio na moeda, muito menos se a sua ideia é diversificar.

Mas, colocando ali valores de 3%, 5% em bitcoins, você tem uma excelente forma de sair um pouco do mercado financeiro “convencional” e buscar diversificar no mercado bitcoin!

Muitos investidores, principalmente aqueles que tem quantias altas na bolsa de valores, estão começando a buscar as bitcoins justamente com essa ideia na cabeça.

Você mantém tipos de estratégias parecidos com os bitcoins, mas estão investindo, de fato, em algo que ajuda a diminuir o risco sistêmico da sua carteira.

Por isso, primo, quando você tiver já uma carteira de investimentos consolidada – ou até mesmo quando estiver estudando ampliar a sua -, pense com carinho na possibilidade de comprar bitcoin.

Desde que você compre uma quantia que faz sentido, e que tenha em mente as oscilações e todas as características da moeda, você não terá grandes dores de cabeça.

Este artigo te ajuda a entender bem o porquê faz sentido buscar a diversificação.

Mas e as transações?

Na minha opinião, isso é algo que está para acontecer, não agora.

A bitcoin, hoje, tem algumas limitações que impedem que ela seja usado em transações pequenas.

Um exemplo que eu posso dar é:

Toda a primeira geração de empresas que começaram o seu negócio focado em Bitcoin usaram a moeda justamente com a intenção de funcionar como uma moeda de transação.

Todas faliram.

De toda forma, é um fato que esta é uma possibilidade que, se não será alcançada pela bitcoin, pode ser muito bem alcançada pelas chamadas altcoins.

As altcoins são, basicamente, moedas digitais que não são tão consolidadas ainda.

Não vejo que a bitcoin tenha o objetivo de ser uma moeda de transação corrente.

Mas há criptomoedas que, no futuro, podem sim acabar substituindo as formas de transações hoje existentes.

Isso não significa que você não pode usar o Bitcoin como moeda realmente.

Mas sim que eu acredito que esta proeza será alcançada por outra moeda!

E isso de forma muito mais eficiente.

Basta aparecer uma que realmente busque ser esse tipo de moeda!

Por isso, caso você se empolgue tanto quanto eu sobre o assunto, recomendo:

Busque livros técnicos sobre a bitcoin e as outras moedas digitais não tão faladas.

Eu posso ser minerador?

Esta pergunta tem uma resposta que pode preocupar algumas pessoas que já entraram no mercado de bitcoins.

Pelo menos por enquanto, não compensa ser minerador de bitcoins no Brasil.

Isso pelo simples fato de que os custos para poder ser minerador são mais altos do que o retorno que você teria em bitcoins.

Não é à toa que a maioria das máquinas mineradoras de bitcoins são máquinas da China, onde os custos são bem mais baixos.

E o fato disso não ser viável no Brasil nos revela um problema grave: as pirâmides financeiras.

Vários esquemas de pirâmides se espalharam pelo mercado de bitcoins vendendo a mesma ideia:

De ser uma mineradora de bitcoin no Brasil  que pode te trazer retornos muito altos em pouco tempo.

Desconfiem MUITO disso

Desconfiem de empresas que prometem retornos altos, que se dizem mineradoras e tudo mais.

Questionem.

Procurem absorver o maior número possível de informações da empresa.

E, claro, veja se ela trabalha de forma fidedigna.

Sinais como os retornos altos e garantia desses retornos são sinais importantes para identificar uma pirâmide financeira.

Caso você já esteja no mercado de bitcoins e a plataforma que você usa possui uma dessas características…

Bom, faz sentido se preocupar e tentar ter a certeza que você está utilizando um serviço seguro ou não.

No mais, o que recomendo mesmo, por enquanto, é o uso das plataformas para compra e venda de bitcoins.

Para mim, comprar e vender bitcoins por meio de uma empresa é  bem melhor.

Esta é uma prática que pode ser muito mais segura do que fazer parte da mineração.

Basta encontrar uma boa plataforma para isso!

Até a próxima!

Como poupar dinheiro para construir o seu patrimônio?

poupar-dinheiro-construir-patrimôniov

Em um país que sofre tantas oscilações na economia como o Brasil, qualquer pessoa mais cuidadosa deve tomar as atitudes necessárias para tentar garantir um futuro tranquilo e sem maiores percalços para si e para sua família. Dentro desse contexto, aprender como poupar dinheiro para construir o seu patrimônio é fundamental.

Eu sei que essa tarefa nem sempre é simples e, muitas vezes, é preciso fazer algumas mudanças importantes em hábitos antigos e até no estilo de vida que se leva. No entanto, conseguir isso não é impossível. Quer descobrir o que fazer? Então confira as dicas que separei para você a seguir.

Converse com a sua família

O primeiro passo para você que quer poupar dinheiro para construir o seu patrimônio é ter uma conversa franca e bem honesta com a sua família. Afinal, esse é um projeto que tem como intuito principal trazer mais segurança e tranquilidade para todos e, por isso mesmo, ninguém pode ficar de fora.

Seja direto com o seu cônjuge e demonstre sua intenção e as formas pelas quais você quer vencer esse desafio. Peça que contribua não apenas com atitudes, mas também com ideias para que tudo dê certo. Filhos e demais parentes também devem participar dessa empreitada, e a ajuda deles pode surpreendê-lo.

Saiba ao certo quanto você ganha

O passo seguinte é saber ao certo o quanto você ganha. Por incrível que pareça, não basta olhar o seu contracheque para isso. É preciso ter o conhecimento efetivo do dinheiro real que entra, focando no valor líquido e não no bruto. Para calcular isso, você precisa excluir as suas despesas fixas, ou seja, aquelas que não tem como deixar de pagar.

Inclua aí os impostos, as mensalidades de escolas ou faculdades, as cobranças do plano de saúde, eventuais seguros, a taxa de condomínio, as contas de luz, água, gás, supermercado etc. Depois de somar todas essas quantias e subtrair do seu salário, aí sim você saberá quanto capital tem de verdade em mãos, podendo, então, partir para os cortes.

Corte os gastos supérfluos

Agora que você já sabe o quanto ganha de verdade (e pode ter ficado surpreso com o quanto você gasta), é hora de cortar todos os gastos supérfluos para que, dessa maneira, sobre dinheiro suficiente para construir o seu patrimônio. Acredite: isso pode fazer uma diferença substancial no final do mês.

Reavalie seu plano de TV a cabo, pondere sobre o custo-benefício de estar matriculado em uma academia que você quase não frequenta, analise se o supermercado em que vocês compram é o que apresenta os melhores preços e evite desperdícios de energia, água e gás. A conta do celular também merece atenção, sobretudo se você tem filhos adolescentes.

Anote as suas despesas

Depois de cortar os gastos supérfluos, você deve começar a anotar as suas despesas. Isso é importante porque nem sempre nós percebemos por onde estamos perdendo dinheiro e, muitas vezes, isso acontece com pequenos gastos que passam despercebidos na correria do dia a dia.

Você pode se aproveitar da tecnologia e fazer o download de um aplicativo de gerenciamento financeiro no seu celular para isso ou então seguir a linha antiga e utilizar o velho e bom papel e caneta. O importante é que com esse controle fica muito mais fácil identificar onde você está desperdiçando e como poderá economizar ainda mais.

Renegocie todas as suas dívidas

Outro ponto fundamental para poupar e construir o seu patrimônio é renegociar as suas dívidas, caso elas efetivamente existam. Isso ocorre porque é quase impossível juntar dinheiro se você tiver as suas economias mensalmente dilaceradas com os juros do cartão de crédito, do cheque especial ou de outros tipos de credores.

Converse com as instituições com as quais você está em débito e busque soluções que sejam positivas para ambos. Não tenha vergonha de pedir descontos, pois elas são os maiores interessados em receber tanto quanto puderem, à vista ou em prazos menores. Se for inevitável, conte com a ajuda de parentes e amigos.

Deixe cartões e cheques em casa

Andar com cartões de crédito e débito ou com seu talão de cheques na carteira pode criar um desafio desnecessário para a sua moderação com as despesas. Quando você paga por meio desses métodos, não sente o dinheiro saindo efetivamente da sua conta e isso faz com que seja muito mais fácil perder o controle e comprar aquilo que não deveria.

Pode parecer bobeira, mas ao ter que pagar em espécie você tende a ser muito mais seletivo nas suas aquisições. Outro ponto que pode ajudar é observar quais são as taxas que os bancos cobram nos cartões, pois, por incrível que pareça, muita gente sequer percebe essas quantias discriminadas em suas faturas.

Tente ganhar um dinheiro extra

Se você deseja poupar para construir o seu patrimônio mais rapidamente, utilizar a sua criatividade é fundamental. Diante dessa realidade, uma excelente alternativa é tentar usar algum diferencial que você possua para ganhar um dinheiro extra. Um bom começo, por exemplo, é vender aqueles pertences que não estão em uso.

Além disso, outra possibilidade bem interessante é usar alguma habilidade sua ou do seu cônjuge para aumentar os seus rendimentos. Você pode, entre outras coisas, ministrar aulas particulares sobre alguma matéria relacionada à sua área de formação. Caso seja talentoso com artesanato, nada impede que você venda a sua arte.

Considere investimentos de longo prazo

Uma vez que você consiga reduzir as suas despesas, evitar gastos supérfluos e ainda aumentar os seus rendimentos, investir passa a ser indispensável para construir o seu patrimônio. No entanto, isso pode parecer um pouco complicado, especialmente para aquelas pessoas que não têm muita intimidade com o mercado financeiro.

Não dá para ficar só na poupança, pois o seu rendimento é muito baixo. Para escolher uma opção segura, você pode pensar, por exemplo, no tesouro IPCA. Essa alternativa é muito utilizada no mercado e esse é o único título público disponível no tesouro direto que garante sempre um rendimento real, pois é indexado à inflação.

E agora, pronto para poupar e construir o seu patrimônio? Gostou desse conteúdo? Então não deixe de assinar a nossa newsletter para mais informações como essas!