Mês: novembro 2015

Como me aposentar com 1 milhão de reais?

O Brasil viveu, nas últimas décadas, de um longo período de estabilidade econômica. O Plano Real surgiu trazendo uma moeda forte que nos permitiu uma era de planejamento e constância, algo impensável nos prévios tempos de inflação. No entanto, estamos presenciando um momento de crise, o que nos mostra que todo cuidado é pouco quando pensamos em nossa saúde financeira.

Por isso mesmo, não dá para confiar apenas na previdência social. Para que você consiga se aposentar com segurança, uma boa reserva financeira é muito importante. Mas como me aposentar com 1 milhão de reais? O que para muitos soa como um sonho distante pode se tornar realidade se você tiver disciplina e algum capital para investir. Quer descobrir como fazer isso? É o que eu vou te contar no post de hoje:

 

Quanto mais tarde você começar, maior será o esforço

O primeiro passo para se aposentar com 1 milhão de reais é começar a poupar ainda novo! E então, fica bem óbvio: quanto mais tarde você começar, mais esforço terá que fazer. Se você pensar em termos de poupança, por exemplo, quem começa a fazer aplicações aos 30 anos só poderá conquistar a meta do milhão aos 60 se aplicar uma quantia mensal de cerca de R$ 2.300. Pesado, não? Então imagine quem começa aos 50: seria necessário depositar cerca de R$ 7.840 na caderneta todo mês para atingir essa meta em 10 anos.

A marca do R$ 1 milhão é um desafio simbólico, porque ele simula uma quantia que pode ajudar a garantir um padrão de vida de classe média na condição de aposentado. Portanto, para conquistá-lo, você precisa apostar em uma dessas duas frentes: ou começa a poupar muito cedo, na casa dos 20 anos, ou então se arrisca em investimentos mais rentáveis do que a poupança. Se puder fazer os dois, melhor ainda!

 

Como investir?

Poupança

Como já dissemos, a poupança apresenta baixos índices de retorno (em torno de 0,5% – mês), mas como é uma forma muito experimentada de poupar, merece ser citada. Como pontos positivos estão a isenção de imposto de renda sobre o lucro e o baixíssimo risco. Essa alternativa pode ser viável para quem vai começar cedo e não tem coragem ou simplesmente não quer arriscar, mas demanda um investimento mensal elevado para atingir 1 milhão.

 

Previdência privada

Um dos principais benefícios da previdência privada é que ela possibilita que você, mesmo após se aposentar, consiga viver com o mesmo padrão de vida dos tempos de ativa. Além disso, ela permite resgatar o valor total, proporcionando a chance de juntar 1 milhão de reais, além de funcionar como uma reserva para gastos urgentes. A quantia de investimento é de sua escolha: quanto mais alta, maior será o montante disponível tanto para o saque quanto para receber em forma de salário.

 

LCI (Letras de Crédito Imobiliário)

São títulos de origem privada, emitidos por bancos e cujo lastro se situa no mercado imobiliário. Um dos aspectos que mais atraem investidores para essa alternativa é a que é isenta de Imposto de Renda, além de ter boa rentabilidade. O risco também é baixo, pois esse investimento é protegido pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito) se a aplicação for de até 250 mil.

 

LFT (Letras Financeiras do Tesouro)

São títulos como o LCI, porém de emissão do governo federal. Sua rentabilidade é atrelada à taxa Selic e os investidores podem adquiri-las pela internet através do programa de Tesouro Direto. Os riscos são baixos, tendo em vista que o credor é o próprio governo. É preciso atenção com as taxas de custódia, pois algumas instituições cobram valores altos, sendo interessante pesquisar bastante antes de fazer essa opção.

 

CDB (Certificados de Depósito Bancário)

São emitidos por instituições bancárias, com o intuito de captar recursos junto a investidores. Sofre incidência de Imposto de Renda, mas ainda assim pode ser uma alternativa viável, pois existem instituições que pagam um excelente valor. A rentabilidade usualmente é pós-fixada e os bancos, especialmente as maiores, são protegidos pelo FGC.

Isso é tudo o que você precisava saber chegar a 1 milhão de reais! Você já começou a poupar? Quer compartilhar a sua experiência? Deixe um comentário, quero saber a sua opinião!

Entenda se você precisa de uma Previdência Privada

A Previdência Privada é uma ótima modalidade de investimentos e aposentadoria. Porem, aprendi que no mercado financeiro não existe nenhum tipo de aplicação que seja para todo mundo, e por isso, eu vou te ajudar a entender se realmente a previdência é para você.

Quer usar o dinheiro do imposto para investimento através da Previdência Privada?

Todos sabem como a carga tributária no Brasil é pesada. Em muitos casos, pagamos 27,5% de imposto sobre nosso salário, e ainda pagamos mais 60% de encargos sobre os produtos que compramos. Em uma das modalidades da previdência – no PGBL – o investidor consegue postergar imposto de renda sobre nossa renda, e em algumas vezes até jogá-lo para pagar depois de 20 ou 30 anos, que durante esse período o dinheiro ainda vai render em um fundo de previdência. Parece bom demais para ser verdade, mas justamente por isso, temos um limite anual de investimento no PGBL.

 

Falta de conhecimento no mercado de Investimentos

Se você não trabalha no mercado financeiro, e especificamente na área de investimentos, não passa seu dia inteiro analisando os investimentos e não tem conhecimentos avançados no assunto. Seu tempo é melhor utilizado quando o utiliza no seu próprio negócio. Afinal de contas, sua rotina deve ser lotada de tarefas, e-mails para responder, projetos para entregar, pessoas para gerenciar e chefes para reportar. Dificil tomar conta do seu dinheiro, né?

Por isso, você precisa de alguém para fazer o papel de tempo e conhecimento para você. Na previdência privada, uma de suas grandes tarefas é escolher um bom gestor. Afinal de contas, ele vai te poupar de escolher entre investimentos complexos, e também vai te dar conforto e tranquilidade para focar no seu negócio, familia e hobbies. Enquanto isso, um bom fundo de previdência vai te dar essa tranquilidade.

 

Falta de discilplina financeira

Já ministrei muitos cursos finanças pessoais. Posso concluir que infelizmente, muitas vezes é dificil todos entenderem a importância desse assunto. Muitas vezes, até entendemos que faz sentido organizar os gastos, economizar despesas e aplicar o excedente. Porem, na prática tudo isso é muito complexo. O grande problema nesse caso, é que o tempo pode ser seu aliado ou seu inimigo. Se você chegar lá na frente e não tiver mais condições de acumular um valor suficiente para você manter sua qualidade de vida, vai depender de recursos de terceiros, doações, ou vai começar a queimar seu patrimônio. Para isso, é importante enxergar sua aposentadoria como um custo, e a previdência é o ideal para esse tipo de coisa. Os investidores podem contribuir em uma previdência privada através de boletos, débitos em conta ou transferências programadas, sempre em dias específicos ou esporadícos.

Se é dificil para você guardar recursos todos os meses, a previdência pode te ajudar nessa empreitada. Afinal de contas, é só escolher um dia, o valor do débito, e garantir que isso ocorrerá todo o mês. O bom desse benefício da previdência, é que esse investimento periódico não é forçado, e sim disciplinar. Significa que se por acaso em algum mês o custo aumentar, você pode optar por não investir nesse mês, e tentar compensar mais pra frente – mesmo que não seja o ideal.

 

A aposentadoria pública é o suficiente para você ou você precisa de uma Previdência Privada?

O futuro chega em difentes datas para cada um. Quando chegar o seu, você pode ter que se preocupar com remédios, altos custos hospitalares, altos custos fixos e atividades que te proporcionem bem-estar, junto com custos de vida elevados se quiser ter um ótimo padrão de vida na velhice. Atualmente, a previdência social – o tal do INSS – te proporciona um teto próximo dos R$ 4.000.00,00 líquidos. Esse valor é o suficiente para você?

Se esse valor for o suficiente para você, e você ou sua empresa já contribuir com sua previdência social, provavelmente você não precisará de uma previdência privada. Porem, se você quiser ter uma aposentadoria superior a essa proporcionada pela parte pública, você mesmo poderá adequar o quanto quer receber no futuro, de acordo com quanto pode guardar hoje.

 

Seu fundo de investimentos está te dando uma rentabilidade satisfatória?

Se o seu fundo estiver te atendendo bem, fique tranquilo. Provavelmente você conseguiu acessar algum fundo de investimentos muito bom, e se está feliz, não tem que mexer. Porem, se você estiver se sentindo incomodado com aquele débito semestral que todo fundo de renda fixa tem, o “come-cotas”, você pode se aproveitar da ausência dessa “taxa” na previdência. Sabia que isso significa que todo fundo de previdência, em iguais condições com o fundo, rendem 5% do CDI a mais?

 

Você confia no INSS?

Antigamente, quase 40 pessoas contribuiam para cada aposentado no Brasil. Atualmente, esse número é quase 2 para 1. No futuro, estima-se que seja quase 1 para 1. Como a nossa população está envelhecendo, é provável que fique mais caro se aposentar dessa forma, e que as regrs sejam mudadas de tempos em tempos. Aliás, ela acabou de mudar . Se você acredita que esse é o melhor sistema, acredito que não precise se preocupar em criar seu próprio pé de meia. Porem, se você prefere se proteger, ou até se diversificar desse risco, é possivel que você se beneficie de um plano de previdência.

[contact-form-7 id=”6424″ title=”Newsletter”]

 

Você investe para o curto prazo?

Se você não tem capital para investir no longo prazo, e por algum motivo se vê obrigado a deixar seu dinheiro apenas em produtos com altissima liquidez, a previdência também não é para você. Ela costuma ser melhor aproveitada quando o investidor olha para o longo prazo. Todas as vantagens dela estão direcionadas a periodos mais longos, e a tabela de imposto vai te beneficiar bastante se seu dinheiro ficar aplicado lá por mais de 10 anos.

 

Você já tem uma estratégia vencedora que deseja seguir até sua aposentadoria?

Parece mentira, mas muita gente tem uma estratégia vencedora. Afinal de contas, no mercado financeiro existem muitas brechas, fórmulas matemáticas e meios de ganhar muito dinheiro. Se você já tem alguma crença imutável ou alguma vontade de seguir com a mesma estratégia de sempre, esse produto não é para você.

Por outro lado, se você acredita que sua estratégia vai mudar ao longo do tempo, a previdência tem alguns benefícios. Um dos grandes é a chamada “flexibilidade”. Diferente de outros investimentos, você pode transferir seus recursos de fundo para fundo, estratégia para estratégia sem ter nenhum ônus. Pelo contrário, se você acredita que o mercado de ações agora é o da vez, você pode migrar tudo para um fundo de previdência em ações, sem precisar resgatar seu patrimônio e pagar imposto. Agora o mercado de ações já subiu e você está em outra fase, buscando mais tranquilidade? Ok, é só ir para um de renda fixa – sem ônus novamente.

 

E se você morrer hoje. Sabe o que acontece com seu patrimônio e familiares?

Se você tiver filhos ou herdeiros, um grande patrimônio em imóveis, investimentos no banco ou alguem que dependa de você, seria um grande inconveniente não ter uma forma de transmitir patrimônio rapidamente. Em muitos casos – não raros – os herdeiros podem demorar até 2 anos para receber essa transmissão de herança.

Se o custo anual dos estudos do seu filho forem de 25 mil reais, e o custo de vida de sua familia for de 100 mil ao ano, com todos os bens em seu nome, é bem provável que eles enfrentem problemas até receber a herança. Se você tiver algum seguro de vida de qualidade, uma holding patrimonial ou alguma outra forma bem estruturada para transmitir herança, você pode não precisar de uma previdência. Caso você não tenha, essa pode ser uma forma simples de transmitir herança e ainda economizar ITCMD. Aliás, ter uma previdência pode te economizar quase 30% de seu patrimônio. Veja aqui.

 

Idade Máxima Recomendada para abrir uma previdência

Se você está com 60 anos e está pensando em abrir uma previdência, pode não fazer sentido. Se você estiver pensando em rentabilidade, e apenas está aplicando em previdência pois acredita ser um produto seguro e com rentabilidade, essa não seria a escolha certa.

Porem, a previdência poderia ser aberta pensando em planejamento sucessório e herança. Exclusivamente se fosse esse o caso.

 

Você tem tempo e conhecimento para operar no mercado de ações e renda fixa?

Se você tem conhecimento suficiente, patrimônio e tempo para operar ativamente no mercado, todos os dias, revisando sua carteira de investimentos periódicamente, acerta suas operações com regularidade, já tem um processo de transmissão de herança bem estabelecido e gosta de cuidar de seus investimentos por conta, provavelmente a previdência vai te fazer sentir muito preso, e com certeza não é o ideal para você.

 

Você quer deixar parte de sua herança para alguem em específico?

As vezes, acreditamos que outras pessoas são importantes em nossas vidas, e por isso gostariamos que elas recebessem uma parte do que construimos. Seria péssimo não conseguir destinar uma parte desses recursos para ela, certo? A previdência pode ter algum beneficiário em específico, que recebe o patrimônio assim que o atestado de óbito sair.

 

Como eu comecei dizendo, a previdência privada não é para todos. Porem, uma boa parte da população não a tem quando deveria, ou até a tem de forma errada.

 

Até a próxima!

Thiago Nigro

3 dicas para quem deseja se aposentar cedo

Como se aposentar mais cedo: quantas vezes já me fizeram essa pergunta. Mas sempre respondo-a com gosto, afinal, nem todos conhecem alguns dos segredos que vou contar no texto de hoje.

Ser o primo rico gera a curiosidade das pessoas, mas e se eu te disser que todo mundo pode fazer o mesmo e se aposentar cedo e com tranquilidade? Dá uma olhada nas dicas que separei para vocês:

Pare de gastar onde não deve, valorize suas finanças

O papo aqui é sério. Pare um pouco e pense quantas vezes você gastou em coisas desnecessárias ao longo da sua vida. Daria uma bela quantia, não é mesmo?  Tudo bem que não dá para recuperar o tempo e o dinheiro perdidos, mas se você parar agora, ao menos não perderá mais dinheiro.

Você já deve ter ouvido antes essa história de educação financeira e, exatamente por isso, não vou entrar em termos técnicos. Peço apenas que você reflita e aja de forma mais prudente em relação ao seu dinheiro. Mesmo que seja óbvio, quanto mais economia fizer, maior será o montante para investir e conseguir aquela aposentadoria bacana e sem demorar uma eternidade.

Você não vai ser bobo de perder essa chance de ser o primo rico da família, né? Então dá uma olhada aqui e veja mais dicas sobre como conseguir isso.

[contact-form-7 id=”6424″ title=”Newsletter”]

Deixe a preguiça de lado e pesquise sobre investimentos

Quero te mostrar que conseguir se aposentar cedo não é uma façanha, mas também não significa que você pode deixar seus pés na cama enquanto espera tudo cair do céu. É preciso deixar aquela preguicinha de lado e pesquisar sobre investimentos. Como quero que você seja bem-sucedido, listei duas das formas mais interessantes de se investir:

O tal do Tesouro Direto

Você provavelmente já ouviu falar dele, mas será que você sabe exatamente do que se trata? O governo precisa de dinheiro para bancar os gastos que tem, por isso você pode ajudá-lo por meio da compra de títulos públicos e lucrar com os juros, tendo assim uma excelente oportunidade de juntar dinheiro. Interessante? Sim, muito. Englobando diversas categorias, é um dos investimentos mais populares e seguros que existem. Se você tem medo de investir, fique tranquilo: além da rentabilidade mínima, é um investimento com baixo risco.

A famosa Previdência Privada

Sim, que ela é famosa todo mundo sabe, mas alguém aí levanta o dedo para explicar como ela funciona? Esse é um investimento que visa acumular o seu dinheiro e gerar uma boa renda mensal no futuro (no caso, a sua tão sonhada aposentadoria antes do tempo!). Ela é dividida em dois planos: Previdência Aberta (oferecido por instituições financeiras) e Previdência Fechada (para os profissionais ligados à iniciativa privada).

Faça as contas

Para finalizar, vou te dar duas dicas de ouro. A primeira é que para você saber quanto precisa de dinheiro para se aposentar mais cedo: basta calcular quantos anos quer viver após aposentadoria. O tempo para poupar dinheiro será exatamente esse.

A segunda é que você pode ser aposentar mais cedo com pelo menos 70% da sua renda média de quando trabalhava, pois seus filhos já estarão criados, aqueles cursos caros que eles escolheram na faculdade já estarão pagos e por aí vai.

E você? Ficou empolgado para se aposentar mais cedo? Deixe seus comentários!

Saiba quanto dinheiro economizar para ter uma aposentadoria tranquila

Eu sempre digo que para ter uma aposentadoria bem tranquila, o ideal é pensar em investir dinheiro desde cedo, principalmente se você é um jovem que deseja se aposentar sem depender do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). Você já parou pra pensar de verdade na sua aposentadoria? Tem noção do quanto precisa guardar todo mês para não ter preocupações no futuro? É isso que eu vou te ajudar a descobrir no post de hoje! Acompanhe e veja como conseguir mais tranquilidade na sua tão sonhada aposentadoria!

Quanto preciso investir para se aposentar em 25 e 30 anos?

Estima-se que uma pessoa com 25 anos deve investir, mais ou menos, R$ 35,00 por mês em sua aposentadoria. Mas, veja bem, isso é só uma estimativa! Se você for esperto e puder arcar com a despesa, nada te impede de investir uma grana um pouco maior. Quanto mais alto for o capital guardado e investido, maior será o seu conforto no futuro.

Veja os números: se você fizer esse investimento de R$35,00 no Tesouro Direto (com uma estimativa de rendimento de 0,9% mensal), poderá se aposentar por volta dos 55 anos com uma renda de R$ 873,00. Se escolher guardar seu dinheiro na poupança, digamos, R$ 170,00 por mês por 30 anos consecutivos, com a estimativa de rendimento atual de 0,5%, você terá uma renda de R$ 1.000,00 após a aposentadoria.

No entanto, para que este investimento funcione direitinho, é necessário que o dinheiro fique guardado, nem pensar em fazer retiradas ao longo do tempo, viu! Então é bom analisar bem quanto você quer receber na aposentadoria e por quanto tempo você está realmente disposto a investir. Antes de tomar uma decisão, é legal conversar com a sua família, fazer alguns planos e pensar em quais são seus sonhos a médio e longo prazo, para que você não vacile no futuro e mexa no seu dinheiro da aposentadoria para outros fins. Fique de olho!

Quer uma ajudinha para fazer as contas? Clique aqui!

Eu costumo mostrar as três formas mais importantes de investimento para quem não tem o hábito e a manha de investir, ou seja, para o investidor de primeira viagem que deseja garantir uma boa aposentadoria. Elas são: a poupança, o Tesouro Direto e a previdência privada. Vou falar um pouquinho mais sobre cada uma delas.

Poupança

As vantagens da poupança são a isenção do Imposto de Renda e a sua liquidez, já que é possível sacar qualquer quantia em qualquer momento, sem perder nada. Já os pontos negativos são que a estimativa de rendimento é menor, e há uma proteção de R$ 250 mil pelo FGC (Fundo Garantidor de Créditos) caso o banco em questão falir — ou seja: se você tiver uma grana maior que isso na poupança, pode dar tchauzinho pra ela!

Sempre que a Selic está maior que 8,5% por ano, a estimativa do rendimento da poupança é 0,5%, com mais a variação da TR (Taxa Referencial). Com base nas normas que foram estabelecidas em 2012, quando os juros básicos forem menores ou iguais a 8,5% anualmente, o rendimento da poupança é de 70% da taxa Selic, juntamente à variação da Taxa Referencial.

Tesouro Direto

No Tesouro Direto, o governo garante o pagamento integral, e o rendimento é maior, com uma estimativa de 0,9% mensalmente. Contudo, o processo para investir envolve mais burocracia, tendo que se cadastrar em uma corretora de valores, que na maioria das vezes cobra taxas. Além do mais, tem incidência de Imposto de Renda, há dias específicos para os saques serem realizados e os títulos possuem data de vencimento.

Previdência privada

Na previdência privada, existe a incidência de Imposto de Renda, e ela tem menor liquidez. Além do mais, é necessário pesquisar as alternativas em bancos diferentes, visto que a garantia do valor aplicado vai depender de qual instituição financeira e a carteira de investimento foram escolhidas.

O valor que deve ser economizado por mês vai depender do quanto você vai poder guardar, por quanto tempo, e o valor que ela pretende ter como aposentadoria no futuro. Por causa disso, é fundamental que o jovem que deseja aposentar cedo já procure saber sobre as melhores opções para o seu estilo de vida. E você? Já está economizando para ter uma aposentadoria tranquila no futuro? Tem alguma dica para aqueles que querem começar? Conta aqui nos comentários! E assine nossa newsletter para receber mais dicas do primo rico.

 

Plano de previdência aberto e fechado: entenda as diferenças

Se você é uma pessoa consciente, provavelmente já está pensando no seu futuro, certo? Já anda estudando as possibilidades que podem fazer parte da sua aposentadoria e te garantir aquela renda extra no futuro. Com toda certeza, nas suas pesquisas você encontrou matérias falando de previdência privada, das diferentes modalidades e de tudo que ela pode fazer por você. Mas será que você sabe bem qual a diferença entre plano de previdência aberto e fechado? É exatamente sobre isso que vamos falar hoje! Continue acompanhando:

Previdência privada: o que é?
A Previdência privada é uma forma de poupar seu dinheiro pensando no futuro. Simples, não? Mas muito mais do que isso, é uma forma inteligente e programada de investimento, voltada para complementar sua renda após a aposentadoria.

A maior parte dos usuários de previdência privada começa a contribuir com um plano durante sua vida laboral, com a intenção de que estes valores sejam resgatados de uma única vez ou de forma periódica, em complemento aos valores que serão recebidos pelo INSS.

Por que fazer previdência privada?
A Previdência privada vem crescendo na preferência dos brasileiros devido à contínua perda do poder de compra pelo valor oferecido aos aposentados na modalidade pública, ou seja, do INSS. Em janeiro de 2015, o teto da aposentadoria pelo INSS era de R$4.663,75, o que equivale a 5,91 salários mínimos — comparado com um salário mínimo de R$788,00. Este valor já foi maior do que 8 salário em 1994, por exemplo.

Diante disso, a previdência privada pode ser uma opção bem atraente, pois funciona com o mesmo raciocínio de um investimento como fundo ou como a poupança, mas com vantagens relativas a impostos no curto e no longo prazo. A previdência privada é dividia em dois tipos básicos de aplicação: o PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) e o VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) e, além disso, pode funcionar de duas formas, como plano aberto ou fechado. Mas o que seria isso?

[contact-form-7 id=”6424″ title=”Newsletter”]

Plano de previdência aberto
Os planos abertos de previdência privada são aqueles em que as opções de investimento estão abertas para qualquer tipo de público, a qualquer momento. Para fazer o seu, é só procurar um banco e, de acordo com as condições contratuais, efetuar um depósito inicial, que poderá ter seu valor mínimo estabelecido pelo banco. De acordo com a opção escolhida, você fará aportes periódicos ou de acordo com sua possibilidade, escolhendo ainda a aplicação em PGBL ou VGBL.

Plano de previdência fechado
A previdência privada do tipo fechado é aquela acessível a somente a alguns grupos específicos de pessoas. Os exemplos mais comuns são os fundos criados especificamente para uma associação — como, por exemplo, uma associação de médicos ou para uma entidade de classe. Assim, só os membros destes grupos poderão optar por seus planos, que podem ter alguns benefícios, como taxa de carregamento mais baixa ou ausente e alguns diferenciais no rendimento.

A vantagem de um plano fechado de previdência é que, devido ao perfil já estabelecido do grupo, além dos benefícios, pode haver outras questões, já que o banco já sabe quem são os membros. Isso diminui questões de risco e outras incertezas, o que poderá baratear seu plano.

Tanto no plano de previdência aberto quanto no plano de previdência fechado, é preciso optar pela tabela progressiva ou regressiva de tributação questões envolvendo portabilidade e taxas que serão cobradas. Quer saber mais sobre este assunto? Tem alguma dúvida sobre a previdência aberta ou fechada? Deixe seu comentário!