Tag: gastar menos

Planejamento financeiro familiar: 5 erros fatais para evitar!

planejamento-financeiro-familiar

O planejamento financeiro familiar é fundamental para que todas as despesas da casa sejam pagas sem sustos ou aperto. A tarefa não é fácil, mas a organização deve estar à frente dos impulsos, mantendo tudo sob ordem.

Cada membro da família tem suas necessidades, desejos e responsabilidades. Conseguir equilibrar isso tudo é fundamental para ter finanças sólidas. Que tal vermos um conteúdo sobre deslizes fatais em relação ao dinheiro?

O post a seguir mostrará 5 erros que podem causar desequilíbrio nas finanças familiares. Saiba quais são e como eles podem prejudicar.

1. Parcelar compras excessivamente

A possibilidade de parcelar as compras é muito atrativa, não é mesmo? Entretanto, há riscos reais ao adotar essa prática como um hábito. O primeiro grande problema são os juros, que podem existir em algumas compras.

As taxas são incluídas em cada uma das mensalidades. O problema é que ao colocar na ponta do lápis, é possível perceber que os juros aumentam muito o valor final. Em alguns casos você acaba pagando muito mais caro e conclui que teria sido melhor juntar dinheiro e ter pago à vista!

Saiba que bola de neve pode arruinar o planejamento financeiro familiar

Outro grande perigo é a falta de controle. Como as parcelas são relativamente pequenas, há cada vez mais o hábito de realizar esse tipo de compra. O resultado? Altos valores destinados mensalmente só para pagar parcelas. É nesse momento que você percebe que exagerou.

Lembre-se sempre de que é muito melhor pagar de uma só vez. Se não cabe no bolso agora, espere um pouco mais, junte o dinheiro e evite parcelar. Essa dica é uma das mais importantes para não gastar todo o orçamento familiar em dívidas de cartão ou carnês.

2. Gastar sem ter definido um orçamento mensal

O dia do salário chega, o dinheiro cai em conta e você sai gastando? Está errado! Se não houver um planejamento essa história pode acabar mal. É muito importante definir um orçamento para os gastos mensais baseado nas despesas fixas da família.

O primeiro a se fazer é separar quais são os gastos “fixos”, como conta de energia, luz, água, gás, aluguel, financiamento, escola dos filhos etc. Despesas desse tipo estão ali todo mês e você já tem noção de quanto vai gastar com cada uma. Coloque no papel e veja qual é o seu orçamento restante para passar o mês.

Defina orçamentos específicos

Com esse valor você pode separar uma quantia para investimentos, para um fundo emergencial e gastar o restante. É importante que você defina pequenos orçamentos específicos para gastos comuns que sua família tem, exemplo:

  • lazer;
  • compras de supermercado;
  • roupas;
  • dinheiro para lanche escolar
  • outros.

Se para cada uma dessas despesas houver um planejamento bem definido, é possível manter todas de maneira segura. Desse modo, o orçamento geral jamais será comprometido.

3. Não estabelecer prioridades para o planejamento financeiro familiar

Quais são as prioridades para o bem-estar da sua família? Essas despesas precisam sempre estar à frente de qualquer outro tipo de gasto. Por vezes é difícil ter controle do dinheiro, especialmente no cenário consumista em que vivemos atualmente, mas é necessário equilibrar a maneira como ele é investido, levando em conta o que é essencial.

Reflita sobre o que é relevante

As despesas do plano de saúde, por exemplo, nunca podem estar abaixo do que você gasta com lazer. A educação dos seus filhos não pode ser preterida para gastos com compras supérfluas ou itens que podem esperar um outro momento.

Esse julgamento é de cada um e o importante é fazer uma reflexão sobre as prioridades. Um planejamento financeiro familiar bem feito coloca sempre as despesas mais importantes no topo.

Desse modo, os esforços serão feitos primariamente para cumprir com essas obrigações. O bem-estar geral deve estar sempre à frente de luxos específicos dentro de uma família.

4. Fazer compras por impulso

Fim de semana chega e você resolve ir ao shopping com a sua família. Muitas lojas, itens interessantes e bate aquela vontade de comprar algo. Será que vai caber dentro do seu orçamento? Nesse momento alguém precisa fazer o papel do “chato” e consultar as anotações do orçamento.

A saúde do planejamento financeiro familiar está diretamente ligada ao equilíbrio e à responsabilidade. As compras feitas por impulso podem arruinar a organização feita com muito empenho durante meses. Essas aquisições podem trazer muita felicidade momentaneamente, mas podem se tornar problemas em breve.

Mantenha o equilíbrio

Muito do desequilíbrio nas contas acontece justamente por esse momento em que os gastos não são planejados. O rigor e a disciplina precisam entrar em ação, mesmo que isso gere falta de compreensão, especialmente das crianças, pois elas ainda não entendem a responsabilidade das despesas familiares.

Tenha em mente o fato de que as campanhas de publicidade são feitas para ter alto poder de convencimento. Ainda que caiba no seu orçamento, você deve se questionar se o que você está prestes a comprar será realmente útil ou eficiente. Pergunte-se sempre: “eu realmente preciso disso?” Se houver uma margem de dúvida, ainda que pequena, melhor economizar.

5. Não entender que gastos fixos podem variar

Como falamos, toda família tem aquelas despesas fixas, que são facilmente identificadas e relacionadas no planejamento mensal. Entretanto, é importante estar sempre atento a possíveis variações nos valores. Eles podem acontecer e, em alguns casos, surpreender.

Contando com isso, sempre separe valores a mais para essas despesas, com uma margem de segurança para que não haja nenhum imprevisto, complicando o orçamento definido previamente. Caso não haja nenhum aumento, você pode reincorporar essa diferença nos orçamentos específicos ou deixar para fundo de emergência.

Procure saber também quando pode haver essas variações. É possível mensurar esses aumentos em gastos como financiamentos, mensalidade escolar, planos de saúde e muitas outras despesas. Procure estar sempre atento a isso.

Organize-se para investir

Com as despesas bem organizadas e seguindo rigorosamente o planejamento, é possível realizar investimentos. Lembre-se de que cada centavo economizado pode ser revertido para aplicações que rendem boas quantias.

Um dos melhores produtos de investimento é o tesouro direto. Ele é de renda fixa, ou seja, o cliente sabe exatamente quanto receberá ao final da aplicação. Nessa modalidade os investimentos podem ser feitos mensalmente.

Deu para perceber como é vantajoso manter um planejamento financeiro familiar, não é mesmo? Aproveitando o assunto, veja como essa disciplina pode lhe ajudar na aposentadoria!

8 dicas para fazer compras inteligentes

dicas-para-fazer-compras-inteligentes

Que fazer compras é uma atividade prazerosa, não temos dúvida. Poder adquirir tudo o que se quer e até o que não é preciso é uma dádiva. Mas, em muitos casos, isso acaba prejudicando o orçamento.

Por isso, comprar, como qualquer outra atividade, deve ser uma tarefa feita de forma inteligente. Acredite: é possível gastar dinheiro sem prejudicar as suas despesas.

Saiba mais

Como poupar dinheiro para construir o seu patrimônio?

poupar-dinheiro-construir-patrimôniov

Em um país que sofre tantas oscilações na economia como o Brasil, qualquer pessoa mais cuidadosa deve tomar as atitudes necessárias para tentar garantir um futuro tranquilo e sem maiores percalços para si e para sua família. Dentro desse contexto, aprender como poupar dinheiro para construir o seu patrimônio é fundamental.

Eu sei que essa tarefa nem sempre é simples e, muitas vezes, é preciso fazer algumas mudanças importantes em hábitos antigos e até no estilo de vida que se leva. No entanto, conseguir isso não é impossível. Quer descobrir o que fazer? Então confira as dicas que separei para você a seguir.

Converse com a sua família

O primeiro passo para você que quer poupar dinheiro para construir o seu patrimônio é ter uma conversa franca e bem honesta com a sua família. Afinal, esse é um projeto que tem como intuito principal trazer mais segurança e tranquilidade para todos e, por isso mesmo, ninguém pode ficar de fora.

Seja direto com o seu cônjuge e demonstre sua intenção e as formas pelas quais você quer vencer esse desafio. Peça que contribua não apenas com atitudes, mas também com ideias para que tudo dê certo. Filhos e demais parentes também devem participar dessa empreitada, e a ajuda deles pode surpreendê-lo.

Saiba ao certo quanto você ganha

O passo seguinte é saber ao certo o quanto você ganha. Por incrível que pareça, não basta olhar o seu contracheque para isso. É preciso ter o conhecimento efetivo do dinheiro real que entra, focando no valor líquido e não no bruto. Para calcular isso, você precisa excluir as suas despesas fixas, ou seja, aquelas que não tem como deixar de pagar.

Inclua aí os impostos, as mensalidades de escolas ou faculdades, as cobranças do plano de saúde, eventuais seguros, a taxa de condomínio, as contas de luz, água, gás, supermercado etc. Depois de somar todas essas quantias e subtrair do seu salário, aí sim você saberá quanto capital tem de verdade em mãos, podendo, então, partir para os cortes.

Corte os gastos supérfluos

Agora que você já sabe o quanto ganha de verdade (e pode ter ficado surpreso com o quanto você gasta), é hora de cortar todos os gastos supérfluos para que, dessa maneira, sobre dinheiro suficiente para construir o seu patrimônio. Acredite: isso pode fazer uma diferença substancial no final do mês.

Reavalie seu plano de TV a cabo, pondere sobre o custo-benefício de estar matriculado em uma academia que você quase não frequenta, analise se o supermercado em que vocês compram é o que apresenta os melhores preços e evite desperdícios de energia, água e gás. A conta do celular também merece atenção, sobretudo se você tem filhos adolescentes.

Anote as suas despesas

Depois de cortar os gastos supérfluos, você deve começar a anotar as suas despesas. Isso é importante porque nem sempre nós percebemos por onde estamos perdendo dinheiro e, muitas vezes, isso acontece com pequenos gastos que passam despercebidos na correria do dia a dia.

Você pode se aproveitar da tecnologia e fazer o download de um aplicativo de gerenciamento financeiro no seu celular para isso ou então seguir a linha antiga e utilizar o velho e bom papel e caneta. O importante é que com esse controle fica muito mais fácil identificar onde você está desperdiçando e como poderá economizar ainda mais.

Renegocie todas as suas dívidas

Outro ponto fundamental para poupar e construir o seu patrimônio é renegociar as suas dívidas, caso elas efetivamente existam. Isso ocorre porque é quase impossível juntar dinheiro se você tiver as suas economias mensalmente dilaceradas com os juros do cartão de crédito, do cheque especial ou de outros tipos de credores.

Converse com as instituições com as quais você está em débito e busque soluções que sejam positivas para ambos. Não tenha vergonha de pedir descontos, pois elas são os maiores interessados em receber tanto quanto puderem, à vista ou em prazos menores. Se for inevitável, conte com a ajuda de parentes e amigos.

Deixe cartões e cheques em casa

Andar com cartões de crédito e débito ou com seu talão de cheques na carteira pode criar um desafio desnecessário para a sua moderação com as despesas. Quando você paga por meio desses métodos, não sente o dinheiro saindo efetivamente da sua conta e isso faz com que seja muito mais fácil perder o controle e comprar aquilo que não deveria.

Pode parecer bobeira, mas ao ter que pagar em espécie você tende a ser muito mais seletivo nas suas aquisições. Outro ponto que pode ajudar é observar quais são as taxas que os bancos cobram nos cartões, pois, por incrível que pareça, muita gente sequer percebe essas quantias discriminadas em suas faturas.

Tente ganhar um dinheiro extra

Se você deseja poupar para construir o seu patrimônio mais rapidamente, utilizar a sua criatividade é fundamental. Diante dessa realidade, uma excelente alternativa é tentar usar algum diferencial que você possua para ganhar um dinheiro extra. Um bom começo, por exemplo, é vender aqueles pertences que não estão em uso.

Além disso, outra possibilidade bem interessante é usar alguma habilidade sua ou do seu cônjuge para aumentar os seus rendimentos. Você pode, entre outras coisas, ministrar aulas particulares sobre alguma matéria relacionada à sua área de formação. Caso seja talentoso com artesanato, nada impede que você venda a sua arte.

Considere investimentos de longo prazo

Uma vez que você consiga reduzir as suas despesas, evitar gastos supérfluos e ainda aumentar os seus rendimentos, investir passa a ser indispensável para construir o seu patrimônio. No entanto, isso pode parecer um pouco complicado, especialmente para aquelas pessoas que não têm muita intimidade com o mercado financeiro.

Não dá para ficar só na poupança, pois o seu rendimento é muito baixo. Para escolher uma opção segura, você pode pensar, por exemplo, no tesouro IPCA. Essa alternativa é muito utilizada no mercado e esse é o único título público disponível no tesouro direto que garante sempre um rendimento real, pois é indexado à inflação.

E agora, pronto para poupar e construir o seu patrimônio? Gostou desse conteúdo? Então não deixe de assinar a nossa newsletter para mais informações como essas!

Finanças: como organizar os gastos de início de ano?

como-organizar-gastos

A empolgação com o início de ano pode ir embora quando a preocupação com as contas aparecerem logo nas primeiras semanas. Além das despesas acumuladas, surgem gastos extras como IPVA, IPTU, matrículas e viagens de férias. Porém, um planejamento financeiro adequado permite a qualquer pessoa atravessar esse período sem se endividar e nem comprometer o orçamento familiar. Para ajudá-lo nesse processo, elaboramos este post com informações sobre as principais contas de início de ano. Você vai aprender quais são e como se organizar para pagá-las sem dores de cabeça. Confira!

 

Principais contas de início de ano

 

IPVA

Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores. Pode ser pago à vista, com desconto, ou parcelado de janeiro a março. O valor pode ser consultado por meio do Renavam do veículo. Se houver mais de um carro na família, é preciso organizar ainda mais as contas para arcar com a despesa!

 

IPTU

Imposto Predial e Territorial Urbano. Incide sobre todos os tipos de moradia urbana. Pode ser pago à vista ou em parcelas. Caso more de aluguel, o valor é pago em parcelas durante o ano todo.

 

Matrícula e material escolar

Se você tem filhos, essa é uma despesa significativa de início de ano. As matrículas tanto em escolas particulares como em outros cursos e atividades são feitas em janeiro e fevereiro.

Além das matrículas, outros gastos acompanham as crianças. Novas mochilas, cadernos, pastas, etc. Uma dica é pesquisar bem em diferentes papelarias a fim de encontrar os melhores preços.

 

Imposto de Renda

O IR deve ser pago entre março e abril. Quanto mais cedo você pagar sua contribuição, mais cedo você receberá a restituição. Quem paga com antecedência tem prioridade no recebimento do eventual retorno.

 

Sindicatos e Ordem de Classe

Caso esteja vinculado à alguma entidade, associação ou sindicato, as contribuições são feitas no início do ano. Peça descontos no pagamento à vista dos conselhos profissionais. É uma ótima maneira de economizar um bom dinheiro.

 

Cartão de crédito de início de ano

Não esqueça de se preparar para a fatura do cartão de crédito. As compras do Natal e final de ano chegam logo em janeiro e se você parcelou algum dos gastos as faturas vão cair nos primeiros meses. Tente não extrapolar nas compras e segurar o impulso consumista.

 

Melhores formas de pagamento

Por mais que o parcelamento das contas de início de ano seja uma boa opção, é recomendado que os gastos sejam pagos à vista, desde que haja algum tipo de desconto. Dessa forma, você foge dos juros embutidos nas parcelas.

Você vai notar que a economia do pagamento à vista é bastante significativa e impacta diretamente no bolso. Acontece que, para isso, é preciso ter um planejamento financeiro bem feito para conseguir pagar tudo no prazo.

Caso não tenha a quantia suficiente para arcar com os compromissos fixos mais os gastos de início de ano, uma solução é priorizar as contas mais importantes. Para saber quais devem ser pagas primeiro, avalie quais são as inevitáveis (luz, gás e etc) ou que geram juros por atraso de pagamento (cartão de crédito). Essas são as prioritárias.

Aquelas que podem ser parceladas ou postergadas, ficam para um segundo momento, quando você tiver um pouco mais de fôlego financeiro.

Outra dica é verificar se vale realmente a pena pagar algumas contas à vista, como IPTU e IPVA. Por mais que o pagamento à vista gere desconto, você pode precisar desembolsar valores altos e ficar sem dinheiro para as outras contas de curto prazo e imprevistos.

 

Como utilizar bem o 13º no início de ano

O 13º salário é uma bela ajuda para pagar as contas de final e início de ano. O problema é que, por descontrole, muita gente torra todo esse dinheiro “extra” com gastos excessivos. Saiba organizar seus gastos e utilizar o 13º para dar uma ajudinha nas contas de início de ano.

Você pode destinar uma parte do salário para as contas, mas lembre-se de usar outra parte para gerar mais renda, ou seja, nada de sair por aí gastando tudo. Há várias opções de investimentos que vão ajudar você a aumentar e diversificar sua renda. Procure o tipo de investimento que mais combina com seu perfil.

Por falar em investimentos, eles são uma ótima forma de ajudar nas contas do início do ano. Há modalidades de investimento em curto e médio prazo que rendem juros semestralmente, como alguns títulos do Tesouro Direto. Essa é uma forma de se ter uma renda bacana além do salário. Uma grana que ajuda a pagar as contas no início de ano.

 

Reserva financeira

Sabendo que os gastos de início de ano são maiores, uma dica é fazer uma reserva durante o ano todo. Primeiro, faça uma estimativa de quanto serão os gastos de início de ano. Poupe uma quantia que será suficiente para cobrir os gastos extras de janeiro, fevereiro e março.

Uma dica é utilizar os extratos bancários do ano anterior e fazer a estimativa para o ano seguinte. Some as contas e divida o total por 12. Assim, você terá a estimativa de quanto precisa reservar mensalmente para encarar os primeiros meses do ano. Você começará o ano sem comprometer seu orçamento e muito mais tranquilo, com dinheiro suficiente para pagar as contas e até para realizar outros objetivos, como viajar durante as férias ou no carnaval.

 

Como evitar gastos desnecessários no início de ano

Controlar as compras em datas comemorativas e evitar novos gastos para o início do ano é fundamental para não se endividar. Animados com as festividades e com o 13º, muita gente sai torrando todo o dinheiro que tem na mão. Não faça isso. Gastos desnecessários geram contas desnecessárias.

Caso já esteja vivendo um momento financeiro delicado, seja ainda mais cauteloso. Se for viajar, busque por destinos mais baratos e econômicos para aproveitar suas férias e o verão sem comprometer o saldo bancário!

Seguindo esses conselhos você vai começar seu ano com as contas em dia e com dinheiro no bolso. Basta ter um controle dos gastos, um planejamento eficiente e saber como você tem usado seu dinheiro. Suavize as contas do início do ano se preparando com antecedência para esse momento.

Quer saber mais sobre as melhores formas de administrar e investir seu dinheiro? Curta a nossa página no Facebook e fique por dentro de outros conteúdos como este!