Tag: DIcas

64 Dicas para você investir no Tesouro Direto

Eu separei 64 motivos e dicas para você investir no Tesouro Direto! Se você fosse comprar uma casa, não gostaria de saber tudo sobre a região, se lá tem assalto ou não, se os condôminos são amigáveis ou não, e até se a região realmente é tudo aquilo que te venderam? Para te ajudar eu separei muitas dicas e cuidados que você deve ter em mente para investir corretamente. Então vamos as 64 dicas:

1 -É o investimento mais conservador do Brasil;

Uma das maiores preocupações das pessoas é a segurança do seu dinheiro, para quem preza maior segurança, o tesouro direto é uma ótima opção.  Como os títulos do tesouro são emitidos pelo governo federal o risco envolvido é o risco do país, o qual possui um risco relativamente baixo. Caso haja uma “quebradeira geral” o país é o último a quebrar.

Isso acontece pois no limite ele é o único que pode emitir moeda! Ele também tem o poder de mexer em impostos e e se autorregular sempre que precisar.

 

2 – Rende mais que a poupança;

O tesouro é mais rentável que a poupança e não é pouco. A poupança rende em torno de 7% a 8% ao ano, ficando muitas vezes atrás da inflação. Em 2015, por exemplo, a inflação foi superior a 10%, e a poupança rendeu próximo dos 8%. Isso significa que se você tivesse investido R$ 100.000,00 na poupança, você teria no final do ano quase R$ 108.000,00. Porém, o poder real de compra dos R$ 100.000,00 que você aplicou seriam de R$ 98.000,00. Você deve sempre considerar a rentabilidade menos a inflação. Esse é o único valor que importa!

 

3 – É acessível;

É possível acessar títulos do tesouro nacional com apenas R$ 30,00. Ou seja, é um ótimo investimento e é bastante acessível. Você pode comprar 1% do preço de um título, ou 0,01. Quando você investe em títulos no tesouro, você paga um valor por um título. Para comprar um Tesouro SELIC, por exemplo, você pode pagar R$ 800,00 (exemplo hipotético) por ele. Você pode comprar frações desse valor, e sendo assim, poderia comprar R$ 160,00, por exemplo. Acessível, não?

Aprenda_a_investir_e_conquiste_o_seu_sucesso_financeiro.jpg.jpeg

4 – É variado;

O tesouro direto é uma plataforma, na qual você pode adquirir diversos títulos do tesouro. Cada título possui uma finalidade e um tipo de rendimento, essa variedade torna possível atingir seus objetivos com maior assertividade. Se você quiser um investimento atrelado a SELIC, você pode comprar. Se a taxa de juros subir, esse investimento é beneficiado. Se a taxa de juros for cair, você pode comprar um tesouro prefixado. Se a inflação for subir, você pode investir em um Tesouro Inflação (NTNB). Assim, você se beneficia das tendências de mercado se estiver bem informado.

 

5 – Tem liquidez;

Os títulos do tesouro nacional são líquidos, ou seja, é possível vender (ou sair) quando for mais conveniente para você. Antigamente, você só podia resgatar os títulos nas 4f. Hoje, você pode pedir seu resgate diariamente e na maioria das vezes consegue movimentar seu dinheiro já em D+1 (um dia útil depois de hoje).

 

6 – É transferível;

Quando você compra títulos do tesouro, eles ficam “guardados” em uma instituição financeira, como a instituição é apenas o agente custodiante desses títulos, caso haja insatisfação em relação à instituição você pode transferi-los para outra instituição sem precisar resgatar.

Quando você escolhe uma instituição para ser o agente custodiante, ela também deve te prestar serviços diferenciados, como relatórios e atendimento personalizado. Caso ela não o faça, você pode transferir seus ativos de agente custodiante. Os seus ativos continuam no mesmo lugar (na CBLC), mas o seu “agente”, muda. Por exemplo: Se você tiver comprado títulos do Tesouro no Itaú e quiser transferi-los para o Bradesco, você pode o fazer tranquilamente, sem nenhum ônus.

 

7 – É democrático;

Os títulos não são somente democráticos no acesso financeiro (mínimo pequeno para investir), mas os requisitos básicos também são bastante simples. Basta ter CPF, Conta corrente ou conta poupança em alguma instituição financeira.

 

8 – Não tem complicações para investir no Tesouro Direto;

O acesso é basicamente feito pela internet. Existem três formas para acessar os títulos do tesouro nacional:

Você pode os comprar diretamente pela plataforma do tesouro direto utilizando seu login e senha;

Você pode compra-los através da sua instituição financeira (caso ela seja habilitada e seja considerada um agente integrado).

Autorizando sua instituição financeira a comprar seus títulos diretamente por você, via tesouraria do banco.

Fonte: Tesouro nacional

 

9 – A “taxa de administração” é pequena;

Em títulos do tesouro paga-se “taxa de custódia. Existe uma instituição financeira que “guarda” os títulos, como um estacionamento que você paga pra guardar o seu carro, o custodiante funciona como a instituição financeira que guarda seus títulos, para tanto, muitas cobram uma taxa por essa custodia que varia de 0 a 0,5% ao ano. Além disso, existe uma taxa cobrada pela BMF que é a mesma para todas as instituições financeiras que é de 0,3% ao ano. Essas taxas são cobradas em relação ao montante total. Em resumo, você sempre vai pagar 0,3% em qualquer instituição que invista, MAIS a taxa do agente custodiante. Essa taxa varia entre 0% e 0,5%.

 

10 – Cada título ajuda você a atingir um objetivo;

Cada tipo de titulo tem um indexador e, portanto um tipo de rendimento dentro dessa variedade de títulos há também diversos vencimentos.  Cada Título ajuda você a atingir um objetivo. Suponhamos que seu objetivo seja de mais curto prazo: existe um titulo para esse perfil (tesouro SELIC ou prefixado para essa data) ou ainda um objetivo de médio prazo e um dinheiro que não pretende mexer: vão existir títulos mais adequados para cada situação e objetivos.

 

11 – Alguns títulos rendem a taxa SELIC;

Os títulos do tipo LFT ou Tesouro SELIC, como são conhecidos popularmente, rendem 100% da taxa de juros do Brasil, a taxa SELIC. Eles são considerados o investimento mais conservador do Brasil, e historicamente nunca rendeu menos que a poupança.

 

12 – Podem ser prefixados;

As LTNs  NTN-F, ou Tesouro Pré-fixado  apresentam uma taxa prefixada que você acorda na compra do título e ele vai render esta  taxa até o vencimento, independente do movimento da economia a taxa  acordada não muda ( ela não acompanha nenhum indicador da economia).

 

13 – A taxa de juros brasileira é uma das maiores do mundo;

A taxa de juros brasileira desde os anos 90 esta entre as maiores do mundo. As altas taxas de juros praticadas no país são utilizadas como instrumento de politica monetária para estabilizar nossa economia. Com os investimentos no tesouro, nós podemos nos “aproveitar” disso tudo.

Como_equilibrar_o_orçamento_familiar_com_a_inflação_em_alta.jpg.jpeg

14 – Alguns Títulos te protegem da inflação;

Esses títulos são as NTN-Bs, ou conhecidas como IPCA +. São conhecidos por esse nome por pagarem a o IPCA  + uma taxa acordada na compra. O IPCA é o índice que mede a inflação no Brasil e um título que paga IPCA+ uma taxa sempre protege seu patrimônio da inflação. Isso também quer dizer que o ganho dessa aplicação é sempre real, pois fica acima da inflação, o que o torna bastante atrativo. Em um exemplo hipotético, se você investir em um título que paga IPCA + 6%, seu patrimônio vai ser reajustado pela inflação, além de te remunerarem +6% sobre o capital total.

 

15 – A tabela do imposto de renda é regressiva;

A alíquota de imposto cobrada pelas aplicações feitas em títulos do tesouro nacional é a conhecida tabela regressiva da renda fixa:

Prazo da Aplicação % IR sobre o Rendimento Bruto
Até 180 dias 22,50%
De 181 a 360 dias 20%
De 361 a 720 dias 17,50%
Acima de 720 dias 15%

 

O Imposto incide apenas sobre o rendimento da aplicação.

 

16 – O imposto é pago apenas no resgate;

O Imposto incidente sobre o rendimento da aplicação é cobrado apenas no resgate da aplicação. Essa cobrança pode incidir no momento do vencimento sobre o valor total  ou em caso de resgate antecipado sobre o valor resgatado. Pode parecer que isso não é uma grande vantagem, porém, muitas aplicações (como os fundos DI do banco) cobram o IR semestralmente independente de você resgatar ou não seu dinheiro. Isso gera um efeito altamente corrosivo sobre seu patrimônio. Se você não pagar IR antecipadamente, isso significa que seu dinheiro renderá todo semestre sobre o valor bruto, e não necessariamente só gerará rendimentos sobre o valor liquido.

Imagine que ao longo da sua vida, todo o imposto que você paga vai para a instituição e some do seu bolso. Se esse valor te rendesse juros durante toda a sua vida, daria uma bela diferença, não é?

 

17 – Alguns títulos pagam juros semestrais;

Existem títulos que pagam cupom, ou juros semestrais. Esses títulos semestralmente pagam os juros da aplicação semestralmente na conta do investidor. Você pode optar ou não por investimentos que paguem juros semestrais.

No caso da NTN-B ( IPCA +) com juros semestrais,  o principal é atualizado de acordo com a inflação enquanto os juros ( a taxa acordada na compra) é paga semestralmente na conta do investidor. Isso é ótimo caso o investidor queira um valor na conta de período em período. Imagine que você está prestes a se aposentar e precisa de um investimento para te garantir fluxo de caixa. Se você optar por um título que pague juros semestrais, você vai poder ter a certeza de quanto cairá semestralmente, e também a certeza de que esse valor será reajustado pela inflação.

18 – Alguns títulos rendem juros sobre juros;

Outra opção àqueles que investem no tesouro, são os títulos que não pagam o cupom semestral, chamados de “principal”, como não pagam os juros semestralmente todo rendimento é acumulado no próprio tesouro, rendendo dessa forma a capitalização composta, que acumula “juros sobre juros”.

 

19 – É possível especular;

Especular nada mais é que usar as oscilações econômicas a seu favor. É possível fazer isso em títulos públicos.

Alguns títulos possuem marcação ao mercado, ou seja, seus preços oscilam de acordo com as flutuações econômicas, oferta e demanda dos títulos e expectativas. Dessa forma é possível  especular com esses títulos e conseguir um ganho maior que a rentabilidade com sua venda antecipada.

Suponha que o tesouro possui um título prefixado a 13.5% e a economia está com uma taxa básica de juros de 14%, porem uma expectativa de corte nessa taxa. É possível prefixar essa taxa a 13,5% e quando os juros estiverem abaixo deste patamar vender com um ganho. Uma vez que seu titulo esta acima da taxa de juros básica há muita demanda por este título e por isso ele passa a valer mais.

Se a expectativa é de alta na taxa de juros vale investir em um tesouro que acompanhe essa alta, ou seja, um pós-fixado que acompanha a taxa de juros.

20 – Os títulos são os mesmos em todas as instituições financeiras;

A plataforma que oferece os títulos públicos ( o tesouro direto) é a mesma acessada por todas as instituições financeiras, ou seja, as instituições financeiras oferecem os mesmos títulos, pois a plataforma é a mesma para todos ( do tesouro nacional).

21 – Você pode comprar frações de títulos;

Todo título possui um preço unitário, que é o preço que cada unidade “custa” para sua compra. Esse preço varia com a valorização dos títulos. Em muitos investimentos é necessário comprar múltiplos do preço unitário, sendo o mínimo o P.U. , porém no tesouro direto é possível comprar frações desse PU, tornando o investimento mínimo bastante acessível, em torno de R$ 30,00.

 

22 – Pode haver um ganho, se vendido na hora certa;

Os títulos quando comprados, principalmente as NTN e LTN, que possuem taxas acordadas na compra sofrem oscilações acompanhando as movimentações da economia e por isso possuem hora certa de entrada e saída. Como são marcadas a mercado os seus preços variam de acordo com a oferta e demanda por aquele título. Quando o cenário econômico é favorável à venda há um ágio, ou seja, um ganho acima do esperado.

 

23 – Pode ser mais vantajoso que fundos;

Alguns fundos rendem menos do que 100% do CDI, isso já deixaria por si só o rendimento menor do que de uma LFT (que rende 100% da taxa básica de juros do país), porém não é somente isso que devemos avaliar, devemos avaliar quanto a taxa de administração de fundos é maior que a de custodia do governo e também o fato de o imposto em fundos de renda fixa ser antecipado todo mês de maio e novembro. Um fundo de renda fixa do Bradesco, que possui mais de 5 bilhões de custódia, chamado “Hiperfundo Bradesco”, tem quase 4% de taxa de administração.

 

24 – Pode ser usado para atingir um objetivo futuro;

Primeiro é necessário definir o prazo deste objetivo financeiro. Definidos os  prazos que  se deseja realizar cada objetivo é hora de ver quis títulos ajudam no alcance destes objetivos. O título tem diferentes vencimentos e remunerações, logo é preciso avaliar em quais títulos deve se aplicar para atingir os objetivos de curto, médio e longo prazo.

 

25 – Pode ser usado para aposentadoria;

Se o seu objetivo é aposentaria o tesouro também pode ajudar você a chegar lá.  Primeiramente você pode acumular o seu dinheiro no tesouro, que é uma opção. Você pode investir periodicamente em um tesouro com a função de acumular e deixar rendendo juros sobre juros pelo período até o momento de se aposentar.

No momento em que desejar se aposentar ou atingir o montante desejado para a sua aposentadoria, pode migrar para um título com juros semestrais que pagará semestralmente sua aposentadoria enquanto o valor principal é reajustado pela inflação.

 

26 – O titulo IPCA+ pode ser melhor que um fundo de inflação;

Os fundos de inflação normalmente seguem o indicador IMA-B 5 como benchmark, que são levados em consideração os títulos atrelados a inflação emitidos nos últimos 5 anos. Por esse motivo, a rentabilidade pode ficar abaixo da rentabilidade dos títulos atuais, pois títulos atrelados à inflação são sensíveis a mudanças na economia, quando emitidos em outro momento podem ter taxas acordadas menores que os mais atuais ( que são emitidos em outro contexto).

 

27 – Você consegue negociar de final de semana;

Não há impedimentos, o tesouro nacional e sua plataforma de títulos, o tesouro direto, funcionam aos finais de semana para compra venda e recompra. Iniciando suas operações às 9h da sexta até as 5h da manhã da segunda feira de forma ininterrupta.

 

28 – Não é preciso levar até o vencimento;

Embora os títulos tenham vencimentos diversos e se levados ate o vencimento se receba exatamente o combinado. O vencimento de um título do tesouro, diferente de outros títulos de renda fixa, não é um entrave. O título pode ser vendido antecipadamente, quando conveniente.

 

29 – O risco de crédito é bastante baixo;

O risco de crédito de um título do tesouro nacional é muito baixo, pois o seu riso é ligado ao risco do país. O tesouro só “quebra”, quando o País inteiro “quebrar” e não tiver condições de refinanciar sua divida.

“O que é risco-país? Risco-país é um conceito que busca expressar de forma objetiva o risco de crédito a que investidores estão submetidos quando investem nos títulos públicos daquele país. No mercado financeiro, os indicadores diários mais utilizados para essa finalidade são o EMBI+Br e o Credit Default Swap (CDS) do Brasil. Também existem empresas especializadas em analisar o risco de crédito dos países, as chamadas agencias de classificação de risco (ou agencias de rating), que atribuem suas notas para cada país em função da percepção de risco presente e futuro.

O que são classificações de risco soberano? A classificação do risco soberano (rating soberano) é uma nota ou classificação de risco atribuída a um país emissor de dívida de acordo com a avaliação, por instituição especializada na análise de crédito, sobre a capacidade e a disposição para que esse país honre, pontual e integralmente, o serviço de sua dívida. O rating é um instrumento relevante para os investidores, uma vez que fornece uma opinião independente a respeito do risco de crédito da dívida do país analisado. Com a globalização, o rating se apresenta como linguagem universal que aborda o grau de risco de qualquer título de dívida.”

Fonte: Tesouro nacional

 

30 – O horário de negociação é amplo;

Segundo o site do Tesouro Nacional, o horário de compra, venda e recompra são os seguintes:

Compra e venda: 9h de um dia às 5h do dia seguinte.

Recompra dos títulos feito pelo Tesouro Nacional: Dias úteis, das 18h às 5h do dia seguinte.

Aos finais de semana as negociações ocorrem a qualquer horário.

Saiba qual titulo do tesouro direto rende mais

31 – Você pode programar seus investimentos;

Uma facilidade para os investidores é poder programar suas operações no tesouro nacional. É possível agendar a compra e a venda, bem como alterar esses agendamentos de forma bastante simplificada pela plataforma do tesouro direto. Você pode solicitar ao seu agente custodiante que faça isso, ou você mesmo pode fazer online, independente da instituição, diretamente pelo site do tesouro.

 

32 – Você consegue pesquisar a melhor taxa de custodia para você;

Como dito anteriormente, a taxa de custodia é “dividida” em duas partes. A parte cobrada pela BMF  é a mesma para todas as Instituições financeiras (0.3%). A parte cobrada pelas instituições financeiras que varia de instituição para instituição. No próprio site do tesouro nacional é possível consultar as instituições financeiras e suas taxas de custodia, buscando o menor custo para você. Confira aqui o ranking dos custos:

http://www.tesouro.fazenda.gov.br/tesouro-direto-instituicoes-financeiras-habilitadas

 

33 – Você consegue consultar seu saldo e extrato facilmente;

No próprio site do tesouro nacional é possível acompanhar todos os dias a qualquer momento seus investimentos. Também é possível acessar o histórico de extratos dos meses anteriores.  Esse histórico fica guardado e é bem longo – e detalhado!

34 – Os títulos do tesouro podem ser usados em garantia de operações de BM&F e BOVESPA;

Algumas operações de BM&F e BOVESPA precisam de uma margem de garantia para que sejam realizadas e títulos do tesouro nacional podem ser usados com essa finalidade. O título continuará rendendo normalmente, mas enquanto estiver em garantia não pode ser resgatado, no entanto permite que operações sejam realizadas em bolsa.

Na prática, um investidor que gosta de operar ações (renda variável), pode usar a carteira de títulos públicos dele como garantia e margem para operar ações. Se ele quiser realizar uma operação mais avançada com o Long & Short por exemplo, ele não precisa resgatar o investimento dele. Apenas resgata se ele tomar um prejuízo e tiver que arcar com algum “débito” na conta. Porém, se a operação for para a direção que o investidor está apostando, ele só fica com um crédito.

 

35 – Todas as transações são feitas pela internet;

As transações para compra venda e recompra são todas feitas pela internet. O que garante a segurança e a acessibilidade. As três formas de acesso ao tesouro são todas digitais.

 

36 – Títulos podem ser acessíveis também para PJ;

Embora através do tesouro direto apenas pessoas físicas consigam acessar os títulos do tesouro nacional, pessoas jurídicas conseguem acessar os títulos através da tesouraria das instituições financeiras, ou seja, há uma forma de pessoas jurídicas acessarem também esse tipo de investimento.

 

37 – A segurança do Tesouro vai além da Instituição financeira custodiante;

A instituição financeira é apenas a agente custodiante dos títulos. O dinheiro está efetivamente aplicado no tesouro nacional. Caso a instituição financeira quebre, por exemplo, os títulos continuarão em seu CPF e você poderá transferir a custodia para outra instituição.

 

38 – É possível calcular a rentabilidade futura ao investir no Tesouro Direto;

O site do tesouro possui uma calculadora que possibilita que voe calcule a rentabilidade do titulo caso seja levado ate o vencimento. Também possui a funcionalidade de calcular a venda antecipada. Isso permite que o investidor calcule as vantagens de sair antecipadamente ou de permanecer no título.

http://www.tesouro.fazenda.gov.br/tesouro-direto-calculadora

 

39 – É possível calcular a rentabilidade passada;

Também é possível calcular e consultar as rentabilidades passadas de todos os títulos. O tesouro nacional mantem todos os registros das rentabilidades passadas de seus títulos.

 

40 – É possível acompanhar a inflação imobiliária;

Alguns títulos são rentabilizados pelo IGP-M, índice que reajusta os contratos de aluguel no Brasil (também conhecido como índice da inflação mobiliaria). Esses títulos, NTN-Cs, acompanham o índice IGP-M.

 

41 – Todos os balanços, estatísticas e históricos dos títulos estão disponíveis para consulta;

O tesouro nacional mantém registros de todos os títulos desde 2003 e apresenta diversas informações sobre o tesouro nacional. Através dessas consultas é possível acompanhar todos os históricos, estatísticas e evolução do tesouro nacional.

http://www.tesouro.fazenda.gov.br/tesouro-direto-balanco-e-estatisticas

 

42 – Não possui come cotas;

Come cotas é como é conhecido o imposto incidente (em fundos) nos meses de maio e novembro. Esse imposto implica em uma antecipação do imposto que seria pago no resgate. A sua antecipação diminui o montante principal, consequentemente diminui o rendimento. Títulos do tesouro não possuem come cotas o imposto é cobrado apenas no resgate obedecendo à tabela regressiva de imposto de renda.

Tesouro IPCA

43 – O tesouro garante a recompra dos títulos todos os dias;

Caso você queira sair antecipadamente do investimento em títulos o tesouro nacional garante a recompra de seus títulos todos os dias. O mercado de recompra abre às 18h inclusive aos finais de semana. As únicas exceções são durante as reuniões do COPOM que ocorrem a cada 45 dias e decidem o rumo da taxa de juros. Como o mercado tende a ficar bem agitado, o governo opta por dar uma pausa nas negociações do tesouro.

 

44 – Pode ser mais rentável que um CDB;

Um CDB médio em um banco grande paga aproximadamente 90%do CDI (o CDI acompanha a taxa SELIC porem sempre fica um pouco abaixo), o que significa menos de 90% da Taxa SELIC. Um título que rende 100% da taxa Selic – O Tesouro SELIC ou a LFT – já rende mais que um CDB.

Se imaginarmos uma taxa de juros de 13% ao ano e uma inflação de 8% ao ano. O rendimento de um CDB que renda 90% do CDI será de 11,7% contra 13% da LFT. Se descontarmos a inflação do ano o rendimento real de cada aplicação seria respectivamente: 3,4% para o CDB e 4,63%.

Agora se estivermos considerando uma NTN-B o rendimento seria ainda maior. Suponhamos que a taxa acordada na compra seja de 6%. Essa aplicação renderia 8%  da inflação mais a taxa acordada de 6% totalizando 14%, como 8% é a correção da inflação o rendimento real será de 6%.

 

45 – Pode ser mais rentável que uma LCA/LCI;

Uma LCI/LCA média em um banco grande paga aproximadamente 80%do CDI e possui isenção de Imposto de Renda.

Se imaginarmos uma taxa de juros de 13% ao ano e uma inflação de 8% ao ano. O rendimento de um CDB que renda 80% do CDI será de 10,4 % contra 13% da LFT.

Você deve estar pensando: “Mas esses produtos são isentos de IR”. É verdade, porém a LFT só não será vantajosa frente a esta LCI/LCA caso seja resgatada antes de 6 meses, após isso a LFT já é vantajosa. Considerando o imposto mínimo de 15% o rendimento ficaria em 11,05%.

 

46 – O gerenciamento do investimento é feito com comodidade, segurança e tranquilidade;

Como todo trâmite é realizado pela internet, o tesouro nacional garante a segurança das negociações. A tranquilidade e a comodidade são, pois todo o processo e acompanhamento podem ser feito com tranquilidade e comodidade onde você estiver.

 

47 – Os títulos apresentam diversos vencimentos;

Os títulos além de terem diversos tipos de indexação e rendimentos também possuem muitos vencimentos. Dentro de cada tipo de títulos existem os mais diversos vencimentos. Esses vencimentos podem ser mais curtos ou mais alongados cada vencimento ajuda você a atingir um objeto.

 

48 – É possível criar estratégias investindo em títulos;

Combinar esses prazos de vencimentos pode ajudar você a criar algumas estratégias para investir no tesouro direto.

 

49 – Escada (Ladder);

Nessa estratégia é preciso combinar títulos com diversos vencimentos e estabelecer um fluxo de caixa que permite que o investidor não precise vender seus títulos antecipadamente. Se os títulos de longo prazo oscilarem negativamente, tendo outros vencimentos, o investidor tem folego para recuperar as perdas e carregá-lo ate o vencimento.

Fazendo isso, é possível explorar mais diferentes cenários econômicos e expectativas de mercado.

A estratégia visa combinar títulos de diversos prazos e também para quem tem objetivos em diferentes prazos.

 

50 – Bullet;

Nessa estratégia o investidor adquire títulos de mesmo vencimento ao longo do tempo visando receber os valores todos no vencimento.

Essa estratégia é indicada para acumular em títulos aplicando valores mensalmente para a realização de um objetivo futuro.

 

51 – Barbell;

Nessa estratégia o investidor compra títulos de mais curto e longo prazo para que tenha uma carteira em que uma parte funcione como parte com liquidez e outra parte tenha a função de acumular o patrimônio.

A parte liquidez voltada para emergência e curto prazo são alocados em títulos com maior liquidez e menor prazo.

Parte de longo prazo para acumulação de patrimônio deve ser alocada em um título de vencimento mais alongado que permita um ganho real ao longo do tempo.

Uma das formas de fazê-la é:

Parte emergencial: LFT (Tesouro SELIC)

Acumulação: NTN-B (Tesouro IPCA+)

 

52 – Investir em títulos permite que invista na aplicação mais adequada para o momento que a economia estiver enfrentando;

Dependendo do cenário e das expectativas econômicas, devido a grande variedade de títulos, é possível aplicar no mais adequado para dentro do momento:

Caso sua expectativa seja baixa de juros, compra-se um pré-fixado que ainda esteja acima da previsão do corte. A taxa já estará fixada acima da sua expectativa e haverá um ganho se houver essa queda.

Caso as expectativas e os cenários estejam voltados para uma alta nos juros: invista em um título que acompanha a Taxa SELIC.

Caso a previsão seja de inflação alta: Aplique em um título IPCA+ que protege contra essa inflação por ter rendimento real.

 

53 – Existem muitas Instituições financeiras que oferecem acesso ao tesouro;

Muitas instituições oferecem acesso aos títulos do tesouro o que torna este acesso fácil e democrático.  A lista das instituições financeiras pode ser encontrada facilmente no site do tesouro. Lembrando que a segurança do tesouro vai além da segurança da instituição.

Veja as intuições habilitadas.

 

54 – Apenas algumas instituições são agentes integrados;

Um agente integrado é mais uma facilidade que oferece o tesouro nacional para suas aplicações, se sua instituição for um agente integrado é possível efetuar suas compras e vendas dos títulos do tesouro no próprio site da Instituição.

 

55 – Protege você da volatilidade do mercado;

Você pode usar o tesouro nacional para se proteger das oscilações da economia. Como alguns títulos possuem indexadores, ou seja, são indexados a um índice para seu rendimento. Através disso é possível se proteger contra as oscilações

 

56 – Tesouro não é poupança. É investimento!;

Poupança não pode ser considerada um investimento. Poupança e uma forma de juntar dinheiro. O tesouro nacional pode ser utilizado como poupança mas é considerado u investimento, pois há rendimentos e pode haver ganho.

 

57 – Caso tenha dúvida o orientador financeiro do próprio tesouro pode ajudar a diferenciar os títulos que possam ajuda-lo a atingir seus objetivos;

O site do tesouro  possui um oriental financeiro no qual você  responde a uma serie de perguntas em relação a seus objetivos e ele identifica dentre os t´títulos ofertados qual o mais indicado para alcançar o seu objetivo.

 

58 – Há Possibilidade de reinvestimento automático;

Uma Facilidade que o tesouro oferece caso tenha interesse é o reinvestimento automático dos juros pagos semestralmente em sua conta. Com o reinvestimento automático não há a preocupação de reinvestir os juros e aplicando novamente os juros entrarão em regime composto de capitalização ( juros sobre juros). Caso você não queira mais o reinvestimento e fácil de cancelar também. Todo procedimento é feito pelo site do tesouro direto.

 

59 – Os fundos de renda fixa colocam parte dos recursos no tesouro;

Os fundos de renda fixa para a própria segurança do fundo mantem grande parte do seu patrimônio em títulos do tesouro nacional. Quando se investe em fundos de renda fixa você esta investindo diretamente em títulos públicos ( bem como alguns privados), porem com mais taxas e com come cotas. Os fundos são uma fora de manter a estabilidade dos rendimentos.

 

60 – Os títulos brasileiros são queridinhos dos estrangeiros;

Por apresentarem uma taxa de juros bastante alta versus um risco baixo, investidores estrangeiros investem massivamente nos títulos do tesouro.

 

61 – Podem ser uma forma de proteção em relação a cambio.

Existe um Título (NTN-D) que varia de acordo com a cotação de venda do Dólar Americano, no mercado de cambio de taxas livres (PTAX). São consideradas as taxas médias do dia útil anterior à venda ou vencimento do título. Esse título é uma forma de proteção às oscilações do dólar.

 

62 – Caso o governo quebre você ainda pode receber o seu dinheiro;

O Governo federal tem o poder de emitir moeda para pagar os investidores do tesouro nacional caso o país tenha um default (“quebre”). Logo os investidores podem não ficar desamparados caso haja este percalço.

 

63 – Para investimentos no tesouro acima de R$ 1.500.000,00 não é cobrada a taxa de custódia;

Investidores que possuem mais de R$ 1.500.000,00 aplicados no tesouro nacional possuem isenção de taxa de custodia dos valores que excedem o montante de um milhão e meio.

 

64 – Caso você queira, alguns títulos oscilam mais que a bolsa de valores;

Quando o título possui um vencimento bastante alongado ele pode oscilar negativamente e positivamente acompanhando flutuações econômicas. Muitas vezes esses títulos oscilam mais que a bolsa de valores ( pois tem uma marcação a mercado). Por esse motivo alguns títulos chegam a oscilar cerca de 11% no mês.

 

65 – Você pode ter um assessor independente cuidando de você;

Se você precisar de alguma ajuda no tesouro direto, você pode sempre contar com nossa equipe de atendimento. É só clicar aqui.

 

 

 

5 Formas de Ganhar Mais Dinheiro com Previdência Privada

 

Previdência também é investimento!!!

É assustador que muitas pessoas ainda não enxerguem dessa forma, mas sim, a previdência também é um investimento.  Afinal trata-se de uma forma de poupar recursos com a expectativa de usufruir deles, mais um acréscimo, no futuro.

Infelizmente estabeleceu-se uma imagem distorcida do que a previdência é na prática e isso tem levado muitas pessoas a acreditarem num padrão básico de investir sem se atentar às possibilidades de se obter melhores rendimentos e até mesmo ter menos gastos no presente enquanto se prepara e investe no seu futuro.

 

Previdência no geral é uma forma de garantir a aposentadoria lá na frente, alguns usam para outros fins como garantir os estudos dos filhos, ou lhes proporcionar uma segurança financeira no futuro, etc., mas o objetivo principal ao se fazer uma previdência é garantir uma aposentadoria tranquila e sem apertos.

Então vamos ao que interessa: dá pra ganhar mais dinheiro com previdência?

A resposta é simples e objetiva. Sim, dá!

Separamos algumas dicas de como ganhar mais dinheiro através da previdência em cinco pontos simples, mas que podem te ajudar a fazer economias significativas hoje e aumentar seus rendimentos lá na frente.

 

1 – Tenha uma previdência privada!

Já dizia o velho sábio: “Vamos começar pelo começo”, nesse caso vamos começar pelo mais obvio mesmo, tenha uma previdência privada! Afinal de contas, sua previdência social tem limites!

Antes de qualquer coisa é preciso diferenciar a previdência social da previdência privada.

A previdência social é um direito do trabalhador e uma obrigação do Estado, toda pessoa registrada sobre os benefícios CLT automaticamente já está inscrita no fundo de previdência social que nada mais é do que um fundo administrado pelo governo que garante o benefício da aposentadoria aos contribuintes a partir de idade estabelecida, acidentes de trabalho, licença maternidade ou afastamento do posto de trabalho por motivos de doença. Porém a previdência social conta com um piso máximo que não pode ser ultrapassado, ou seja, aqueles que hoje já contam com renda superior e consequentemente com um estilo de vida que exige um salário acima daquele oferecido pela previdência social precisaria de um complemento na renda, é aí que entra a previdência complementar ou como é por muitos conhecida: a Previdência privada. Com a previdência privada é possível calcular quanto se deseja receber, a partir de quando e durante quanto tempo. Isso mesmo! Você decide com quantos anos pretende se aposentar e ainda consegue estipular o valor do seu beneficio e como irá recebê-lo. Ainda é possível repassar o beneficio sem contar com as taxas e os custos que normalmente envolvem esse tipo de operação. Se a intenção é não passar por apertos e desfrutar de independência financeira mesmo na aposentadoria a previdência privada é a melhor escolha.

 

2 – Escolha bem onde (com quem) fazer sua previdência – Seguradoras Independentes

Quando vamos comprar uma casa geralmente solicitamos a ajuda de um corretor, algum especialista que vai nos direcionar no caminho certo quanto aos melhores preços, localização ideal, vida útil e possível valorização do imóvel, enfim a melhor relação custo- beneficio. Em outras palavras, o retorno do imóvel precisa compensar o capital investido hoje.

A escolha desse intermediador costuma ser crucial para quem pretende fazer uma compra hoje sem arrependimentos no futuro.

Ao fazer uma previdência o cuidado não é e nem poderia ser diferente!

Já falamos sobre isso por aqui, mas todo cuidado é pouco quando vamos iniciar uma previdência privada, pois nem sempre o intermediador da operação está de fato preocupado com os nossos interesses, sendo assim, qualquer coisa pode ser considerada adequada quando a realidade é bem outra.

É preciso ficar muito atento às taxas cobradas pela instituição financeira que oferecer esse tipo de produto. Dentre as mais conhecidas temos as taxas de administração, que e aquela cobrada sobre seus rendimentos e a taxa de carregamento, que é a taxa paga a cada aporte ou retirada do fundo.

É preciso negociar tais taxas, em alguns casos é possível até mesmo obter isenção da taxa de carregamento e reduções significativas nas taxas de administração.

 

Lembrando que altas taxas de administração trazem reduções significativas no seu montante final e taxas de carregamento altas te levam a poupar menos do que desejaria a cada aporte realizado. O segredo é conhecer bem as opções antes de começar sua previdência e analisar se existe qualquer outra taxa que na prática serve apenas para arrancar mais do seu dinheiro e mais nada. E não é possível conhecer as melhores opções sem ter acesso a elas. Como falei anteriormente se para fazer aquisição de um bem precisamos de um especialista, para uma previdência também! Uma seguradora independente nesse caso é o especialista com acesso a tudo que o mercado tem de melhor possibilitando que você faça a melhor escolha. Criou-se uma imagem muito negativa a respeito de seguradoras independentes atreladas a uma falsa ilusão de que a opção mais segura no que se diz respeito a investimentos está no banco, esses são paradigmas que precisam ser quebrados para que seja possível ver sua previdência render  mais.

 

3 – Tabela regressiva ou Progressiva?

Quando introduzida ao mercado, em 2005, a tabela regressiva causou bastante alvoroço, havia muitas dúvidas quanto ao seu funcionamento e pouco conhecimento quanto às vantagens que ela apresenta. Vale relembrar essas vantagens que já apresentamos aqui .

A escolha correta da forma como será tributado no momento em que for sacar os recursos é extremamente importante, pois a partir dessa escolha é possível reduzir consideravelmente a alíquota de imposta paga.

Partindo do princípio de que a previdência é um investimento para longo prazo, já que visamos com ela garantir uma melhor aposentadoria, o plano regressivo acaba se tornando o mais adequado. A alíquota de imposto paga para valores aplicados a um prazo superior a 10 anos é de apenas 10% frente aos 15% pagos na tabela progressiva. Se o intuito é utilizar o valor num prazo inferior a esse se recomenda optar por outras modalidades de investimentos.

 

4 – PGBL –  Economize com o IR

 

Já imaginou reduzir em até 12% sua base tributável de IR?

Se você faz a declaração de imposto Pessoa Física pelo modelo completo é possível sim economizar no IR optando pelo Plano Gerador de Benefício Livre, ou PGBL , como é conhecido. Com ele possível investir até 12% da sua base tributável em previdência privada através do PGBL, reduzindo esse valor da sua base de cálculo. Dessa forma é possível reduzir o imposto pago no curto prazo e ao mesmo tempo investir esse valor para o futuro.

 

5 – Aproveite a flexibilidade

 

Com a previdência é possível optar por diversos perfis de fundos de investimentos, podendo a qualquer momento mudar o tipo de fundo escolhido aproveitando as altas que cada segmento pode apresentar. Se seu fundo está muito conservador para seu gosto, você pode fazer uma portabilidade sem pagar imposto de renda para outro com mais emoção. O inverso também é verdadeiro!

 

Enfim, aqui estão apenas 5 das diversas formas possíveis de  tornar sua previdência ainda melhor. A escolha mais adequada será aquela que atenda ao seu perfil e para entendê-lo melhor não hesite em buscar ajuda profissional. Para colher os melhores frutos lá na frente é preciso que as sementes sejam bem plantadas e cultivadas no tempo presente.

 

Será que consegui te ajudar de alguma forma?

A previdência privada é mesmo segura?

Você guarda seu dinheiro com um sacrifício gigantesco pensando no futuro e ouve em um lugar qualquer alguém falando que a previdência privada é uma boa opção para investimento e garantia de uma aposentadoria mais tranquila. Na hora, você pensa: “Isso caiu feito uma luva para mim!”. Mas e com relação à segurança do investimento? E se o meu dinheiro está investido em um banco ou uma instituição qualquer e ela quebra? Eu fico a ver navios? Meu rico e suado dinheirinho investido na previdência privada vai por água abaixo? Hoje eu vou te mostrar se este investimento é, de fato, seguro para você!

Como deixar o investimento mais seguro

Primeiramente, deve-se avaliar a situação atual da instituição financeira em que você deixará os seus recursos investidos. Como no momento de começar a aproveitar a graninha guardada durante a vida toda você quer segurança, alguns passos devem ser seguidos.

Falando mais diretamente sobre os planos PGBL e VGBL, que são as modalidades mais difundidas e negociadas de previdência privada no Brasil, a segurança deles foi sensivelmente elevada com o passar do tempo.

Se voltarmos no tempo umas 4 décadas, por exemplo, não havia uma regulamentação muito forte e, no ano de 1977, foi promulgada a primeira lei específica para garantir os direitos ligados à previdência. E isso foi só o primeiro passo do avanço.

[contact-form-7 id=”6424″ title=”Newsletter”]

Avançando um pouco mais no tempo, já em 2001, outra lei garantiu a segurança para os recursos investidos na previdência privada, obrigando as instituições gestoras a tratarem o seu dinheiro investido na previdência de maneira diferente e mais restrita do que os recursos normais.

O que isso quer dizer? Quer dizer que isso é ótimo e que, na prática, elas podem trabalhar com os seus recursos, investindo no que está especificado no seu contrato de previdência privada, mas não podem especular com ele. No longo prazo, é um grande benefício e garantia de que seu dinheiro estará lá no momento em que você precisar.

Uma restrição com relação à segurança do dinheiro é a forma de saque dos recursos lá na frente, bem no futuro, quando você já estiver mais velhinho. Se você escolher a modalidade de renda mensal vitalícia, isso poderá afetar a segurança, mas nada que te faça ficar pobre da noite para o dia. Para evitar isso, o ideal é escolher resgates periódicos que complementem a sua renda, garantindo que suas necessidades diárias sejam supridas.

Previdência privada não é brincadeira, pense seriamente nisso

Já começou a pensar em entrar na previdência privada? Se já pensou, analise, no mínimo, 3 instituições financeiras distintas e verifique na internet o nível de satisfação dos clientes. Pergunte a amigos, converse com parentes, seu chefe, sua namorada, seu namorado, enfim. Não se esqueça de que você está buscando o melhor para o seu futuro e toda informação é essencial para a segurança do seu investimento.

Verifique as formas de se pagar menos impostos no futuro e isso também pode representar menos pagamento agora. Para tal, busque ajuda profissional ou invista em conhecimento financeiro. Ele poderá te ajudar não somente com a previdência privada, mas com outros investimentos durante sua vida.

Para isso, é claro, você pode contar com o Primo Rico não somente para previdência privada, mas para sua vida financeira. Estou aqui para te ajudar, basta você pedir. Ah, e aproveite para deixar um comentário com as suas dúvidas!

Como posso me aposentar com o teto máximo?

Há alguns dias, um parente próximo me procurou e fez a seguinte pergunta: primo rico, como posso me aposentar como teto máximo? Adorei a pergunta, e sei que muitos de vocês têm essa mesma dúvida. No Brasil, a aposentadoria pode ser feita de maneira diferentes, por idade, tempo de contribuição, além do tal fator previdenciário. Como eu sei que isso costuma dar um nó na cabeça das pessoas, preparei esse texto para responder a essa dúvida comum sobre o teto máximo da aposentadoria. Lá vai a minha explicação:

Fique atento à sua média salarial

O ano de 2016 trará boas novidades em relação ao valor do teto máximo. Lembro que li esses dias umamatéria que fala sobre o aumento de R$ 4.663,75 para R$ 5.147,38. Mas, para ganhar esse valor, é necessário estar atento à sua média salarial. Caso o amigo aí não saiba, a média da aposentadoria é calculada com base nos salários recebidos nos últimos 20 anos, deixando de lado os 20% os menores

Antes de você perguntar qual a média salarial do contribuinte que busca o texto máximo, vou me adiantar e responder: estimativas mostram que é de RS 3.800,00.

Como posso me aposentar como teto máximo se, atualmente, não ganho a média salarial exigida?

Creio que muitos se apavoraram com a informação citada acima, podem estar reclamando agora que isso é para poucos e que você não ganha e nem tem estimativa de ganhar isso. O que eu digo em relação a isso?  Digo que você está equivocado! Afinal, lembre-se que o primo rico sempre traz soluções para os seus problemas, por maiores que sejam. Nesse caso, acho que seria diferente?

Se você não ganha esse valor atualmente e não tem perspectiva de aumentar seu salário, é simples: encontre novas formas de ganhar dinheiro. Hoje em dia, com a internet, é muito fácil encontrar atividades para atuar como freelancer. Fora que existem também formas presenciais de ganhar dinheiro como lecionar e trabalhar em algum evento, por exemplo.

Pegue o seu velho e bom travesseiro, deite-se e reflita sobre quais são as suas habilidades que podem-lhe render uma grana extra todos os meses. Após isso, comece já essas a atividades e, caso necessário procure um contador para te ajudar na declaração desses valores.

Trabalhe a sua educação financeira

Mencionei acima uma situação bem interessante, né? Qualquer forma de ganhar dinheiro é sempre excelente. Porém, nem tudo são flores e precisamos ter uma educação financeira para não sair gastando loucamente essa grana extra que entra todo mês. Por que digo isso? Simples, todos temos sonhos de consumo e a tentação de ver o dinheiro entrando é sempre grande. Mas lembre-se, do que adianta gastar em coisas inúteis agora e deixar seu futuro na corda bamba. Pois é, esse é um sacrifício totalmente válido e te livrará de uma grande dor de cabeça.

Por meio dessas três dicas simples, agora você não se fará mais a velha pergunta “como posso me aposentar com o teto máximo?” Mas não vale só ficar na teoria, heim? Aplique isso em sua vida, conscientize seus familiares para ajudar nesse processo e seja um velhinho muito feliz e com muita grana no bolso!

Gostou das nossas dicas? Visite sempre o nosso site e não se esqueça de assinar a nossa newsletter.

4 dicas para escolhar seu plano de previdência privada agora

Para garantir uma velhice mais tranquila e garantir uma boa renda nos últimos anos de vida, é preciso pensar na aposentadoria desde muito cedo. A Previdência Social nem sempre consegue manter a renda da época de trabalho ativo, por isso, a escolha de um bom plano de previdência privada é importantíssima.

Quer usar o dinheiro do imposto para investimento?

Mas muita gente se pergunta: como escolher o melhor plano? Que valor guardar por mês? Programo o resgate para quando? Hoje vamos te mostrar 4 dicas para escolher o plano de previdência correta e garantir sua tranquilidade financeira na aposentadoria:

Defina seus objetivos de forma clara

Saber onde e como se quer chegar é fundamental para a previdência privada. Por exemplo, se você pretende deixar o dinheiro investido por mais de 10 anos, deve-se buscar uma estratégia mais agressiva, investindo parte dele em renda variável.

Conforme o tempo for passando e chegar mais próximo das datas de resgate, vá migrando para um plano mais conservador. Os planos de previdência podem ter desde 0 até 49% aplicados em bolsa de valores, o que pode alavancar os ganhos no longo prazo. Para evitar perdas que não poderão ser recuperadas, vá diminuindo até que, 2 anos antes de iniciar os resgates, não haja mais exposição à renda variável.

Negocie as taxas com as instituições administradoras

Há, basicamente, 2 taxas pagas para o investimento da previdência privada além do imposto de renda no resgate, que são a taxa de administração e a taxa de carregamento. Com aportes mensais mais elevados ou um grande aporte inicial, pode-se negociar com mais facilidade um carregamento zero.

Para as taxas de administração, é possível realizar a portabilidade para fundos mais “baratos”, mas há de se possuir saldo mais elevado no fundo. Isso acontecerá, normalmente, a partir do segundo ano da sua previdência ativa e recebendo aportes mensais.

Defina a modalidade do seu plano de previdência antes de abri-lo

Escolher PGBL ou VGBL? Isso dependerá da sua renda, da sua capacidade de poupar e dos seus gastos dedutíveis para efeitos de imposto de renda. Portanto, não há uma fórmula a ser aplicada. Busque um profissional habilitado que possa definir qual o melhor fundo para você investir.

Lembre-se que uma escolha equivocada pode fazer com que você pague muito mais imposto de renda no momento do resgate. Pensando assim, não será um gasto contratar um profissional especializado e, sim, um investimento.

Identifique a melhor forma de tributação dos valores

A partir de 2005, há duas formas distintas de tributação dos valores investidos em planos de previdência privada: a tabela progressiva e a tabela regressiva. No primeiro caso, o que vale é o tempo. Quanto mais tempo o dinheiro permanecer investido, menos se pagará imposto de renda no resgate. Começa com 35% até o fim do segundo ano do valor investido chegando a 10% para os recursos guardados com tempo superior a 10 anos.

A segunda, a tabela progressiva, segue os mesmos critérios do imposto de renda retido na folha de pagamento: desde isento até 27,5%. Se os seus planos são receber valores baixos de previdência complementar, essa é uma boa escolha, pois você pode ser enquadrado como isento ou pagar apenas 7,5% de IR.

Investir em um plano de previdência privada é uma decisão importante, que facilita o futuro dos trabalhadores, mas deve ser tomada o quanto antes para que a economia dos valores seja algo possível. Quanto mais próximo for do momento da efetiva aposentadoria, mais recursos serão necessários. Se o plano for iniciado antes dos 30 anos,  a vida do trabalhador será muito mais tranquila. Não deixe para amanhã, comece hoje mesmo a definir o seu futuro.

O que você achou das dicas? Deixe um comentário, queremos saber a sua opinião!