Saiba tudo sobre a B3 Brasil: o que muda?

Você já deve estar sabendo que foi anunciada, recentemente, a fusão entre a BM&FBovespa e a Cetip, formando a B3 Brasil. A união desses dois gigantes do mercado de...

Você já deve estar sabendo que foi anunciada, recentemente, a fusão entre a BM&FBovespa e a Cetip, formando a B3 Brasil.

A união desses dois gigantes do mercado de ações transformará a B3 Brasil em uma das maiores empresas do ramo no mundo. Isso vai ampliar sua atuação na América Latina com participações minoritárias, e ainda aumentar a robustez dos negócios.

Uma série de mudanças deve ocorrer a partir dessa fusão e da criação da B3. Neste artigo, vamos apresentar quais são essas mudanças e todas as informações sobre a união desses grandes expoentes do mercado de capitais. Interessado? Continue lendo e confira!

Breve histórico da Cetip

Criada para dar mais segurança às obrigações, a Cetip surgiu no ano de 1986, década que marcou o Brasil com grandes transformações nos âmbitos político, econômico, social e cultural.

No mercado há mais de 30 anos, a empresa se tornou mesmo uma referência para as instituições financeiras, e ajudou o país a superar alguns desajustes financeiros em seus planos econômicos.

Durante todos esses anos de atuação, a Cetip construiu uma trajetória marcada pela segurança, transparência e, principalmente, pela inovação. Fatores que a consolidaram no mercado como uma empresa robusta e extremamente confiável.

Breve histórico da BM&FBovespa

Essa empresa surgiu com a união da BM&F e da Bovespa Holding, que ocorreu em maio de 2008. Tal fusão estabeleceu a instituição como uma das maiores bolsas do mundo em termos de valores de mercado.

Mas, apesar de as duas empresas terem se unido há pouco tempo, em relação à existência da Cetip, a BM&F e a Bovespa já atuavam no mercado de ações muitas décadas antes da fusão. Vejamos, então, como foi o surgimento de cada uma delas.

A BM&F foi criada em outubro de 1917, por empresários paulistas ligados à exportação de mercadorias. Foi a primeira bolsa de valores criada no Brasil. Já a Bovespa foi fundada em agosto de 1890. Fechada, contudo, um ano depois, devido a questões políticas da época.

Quatro anos mais tarde, a empresa foi reaberta com o nome de Bolsa de Fundos Públicos de São Paulo e, posteriormente, passou a utilizar a nomenclatura Bovespa. Mesmo antes dessa fusão com a BM&F, a Bovespa sempre foi um símbolo de confiança, pioneirismo e modernidade.

Atualmente, BM&FBovespa é a empresa que controla o mercado de títulos e valores mobiliários. Além disso, presta serviços de registro, liquidação e compensação, atuando também como contraparte central. Garantindo as operações financeiras que são realizadas em seu ambiente.

Nesse sentido, ela oferece uma ampla gama de produtos e serviços, tais como:

  • títulos de renda fixa;
  • negociação de ações;
  • câmbio;
  • contratos de derivativos referenciados em ações;
  • ativos financeiros;
  • taxas;
  • índices;
  • moedas, entre outros.

A Bolsa dá aos seus clientes a oportunidade de realizarem operações destinadas à compra e venda de ações, arbitragem de preços entre mercados ou ativos, diversificação e alocação de investimentos e alavancagem de posições.

Antes de sua fusão, as duas empresas executavam suas atividades separadamente. Assim, a união pretendeu, principalmente, aumentar a robustez da empresa perante o mercado internacional.

Bom, depois de entender esse histórico, vejamos agora as principais mudanças decorrentes da fusão dessas empresas e da criação da B3 Brasil.

Mudança de nome para B3 Brasil

A mudança mais explícita se deu em relação ao nome da nova companhia. Com a adoção do novo nome — que indica: Brasil, Bolsa e Balcão — as marcas das duas empresas também sofrerão alterações. É o caso, por exemplo, do Banco BSM, que terá seu nome alterado em breve.

Prazos para a integração

A estimativa é que a integração total das companhias ocorra em um período de 12 a 18 meses, segundo os gestores da empresa.

Sede da nova empresa

Por enquanto, a matriz ficará na região central de São Paulo. Inicialmente, cogitou-se que todos os 2.200 funcionários da nova empresa trabalhassem em um mesmo local. No entanto, essa questão ainda não foi decidida pelos gestores.

Posição perante o mercado internacional

Com a fusão, a B3 Brasil passa a ser a quinta maior bolsa de mercado de capitais do mundo. Seu patrimônio corresponde a 13 bilhões de dólares.

Posição perante os concorrentes

O CADE exigiu alguns compromissos quando da aprovação da integração das empresas, como a realização de audiências públicas, para a criação de regras de acesso, e a revisão de preços. Além disso, a B3 Brasil também deverá garantir o acesso de concorrentes ao mercado.

Quanto às plataformas de negociação

No momento, a plataforma de negociação e os serviços a que se aplicam os produtos listados — bem como a unidade de financiamento, anteriormente, de propriedade da Cetip — permanecerão os mesmos.

De acordo com os diretores da B3 Brasil, possíveis mudanças para os clientes serão anunciadas com antecedência.

Quanto às ações da Cetip

De fato, as ações da Cetip deixarão de ser negociadas. Os acionistas da companhia receberão, por cada ação CITP3, uma ação ordinária e três ações preferenciais de emissão da Cetip, pela empresa São José Holding.

Findado o processo de fusão, cada ação preferencial distribuída corresponderá a 0,93 ação ordinária da BM&FBovespa. E, para as outras três ações preferenciais mencionadas acima, será pago um montante aproximado de R$31,80.

O Ibovespa

O Ibovespa é o principal índice da bolsa brasileira. E ele continuará existindo, com sua nomenclatura inalterada.

Os dividendos e as recompras de ações

O pagamento de juros sobre capital próprio e de dividendos da B3 Brasil deve ser de 70% a 80% do lucro líquido corporativo. E a tradicional recompra de ações não poderá ser realizada nos próximos anos, enquanto a dívida pela aquisição da Cetip não for reduzida.

Essa operação de compra custou cerca de 13 bilhões de dólares à BM&FBovespa. Parte do valor utilizado na aquisição foi financiado pela venda de ações na bolsa de valores americana CME, e o restante foi obtido por meio de empréstimos e lançamentos de títulos de debêntures.

Enfim, podemos afirmar que o mercado de ações brasileiro jamais será o mesmo após essa união!

Então, gosto deste artigo? Aqui, você conheceu as principais mudanças causadas pela fusão da BM&FBovespa e da Cetip, que criou a B3 Brasil. Agora, para saber ainda mais sobre o mercado financeiro e investimentos, aproveite para curtir a nossa página no Facebook!

Deixe aqui o seu comentário

comentários

Categories
Renda Variável - Ações

Relacionados