Saiba como resgatar uma aplicação no Tesouro Direto

Realizar uma aplicação no Tesouro Direto traz uma série de benefícios para o investidor. Porém, essa forma de investimento ainda é pouco utilizada, uma vez que a maior parte dos investidores...

Realizar uma aplicação no Tesouro Direto traz uma série de benefícios para o investidor. Porém, essa forma de investimento ainda é pouco utilizada, uma vez que a maior parte dos investidores brasileiros ainda insiste em apostar na poupança.

Esse comportamento está relacionado principalmente a falta de informação e a cultura de que o poupança é o investimento mais seguro.

Percebe-se que, com a queda da rentabilidade, a poupança vem se tornando bem menos atrativa. Investir na poupança não é mais um bom negócio, especialmente considerando o cenário atual.

Devido à crise econômica, enquanto os rendimentos nos fundos de renda fixa sobem proporcionalmente à taxa Selic, a poupança permanece estagnada em 6,17% ao ano. A alta da inflação também já supera o seu índice de correção.

Neste sentido, a poupança está cada vez mais próxima de ser uma forma de perder dinheiro, do que ganhar.

Considerando todo este cenário econômico, qual seria a solução para os pequenos investidores?

Os Títulos do Tesouro Direto são uma excelente alternativa, já que possuem com rentabilidade acima da inflação. Especialmente em um cenário de crise, esse tipo de investimento continua sendo uma das melhores opções.

Mas você deve estar se perguntando, como pode o Tesouro Direito ser vantajoso se sobre ele incidem os Impostos de Operações Financeiras (IOF) e o Imposto de Renda (IR)? Pois acredite, mesmo com a incidência do IOF e do IR, os títulos do Tesouro Direito são mais vantajosos do que a poupança!

Mais do que o retorno para quem faz a aplicação no Tesouro Direto, esse investimento vem apresentando novas facilidades para investidores. Agora é possível acompanhar o investimento de forma bem mais fácil. Além disso, as formas de resgate foram facilitadas.

Hoje, o Tesouro Direto já conta com mais de 1 milhão de investidores cadastrados. Para quem não tem muito dinheiro, mas visa o investimento em longo prazo, essa é uma das opções mais rentáveis atualmente. E, como é possível resgatar os valores a qualquer momento, esses títulos tornam-se cada vez mais atrativos.

Para quem já investe nos Títulos do Tesouro direto, vale a pena conferir as novidades para o resgate. Quer saber quando, como e onde resgatar sua aplicação no Tesouro Direto? Então continue a leitura deste post e descubra!

Como resgatar minha aplicação no Tesouro Direto?

Quem investe em títulos públicos empresta dinheiro ao governo, tornando-se um credor. Em troca, o investidor recebe os juros decorrentes desse empréstimo.

Como contam com liquidez diária, os títulos do Tesouro Direto podem ser resgatados pelo investidor sempre que ele desejar. Em outras palavras, mesmo que o investidor compre um título com vencimento em 2045, não é preciso aguardar todo esse tempo para resgatar seu dinheiro corrigido com juros.

A facilidade de poder resgatar o investimento a qualquer momento é uma das grandes vantagens da aplicação no Tesouro Direto.

No entanto, no momento do resgate, é importante que o investidor observe as condições de mercado para garantir que a negociação seja vantajosa e ele não perca dinheiro.

Além disso, é válido destacar que o governo recompra os papéis às quartas-feiras. Quando revende um título e os recursos são resgatados, o investidor ganha rentabilidade correspondente a essa data.

Essa dinâmica só se altera quando as recompras são feitas na quinta-feira. Isso ocorre nas semanas em que há reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central.

A escolha do tipo do título também influencia no resultado da aplicação e pode fazer com que o resgate seja mais ou menos vantajoso. Para fazer o resgate da aplicação, é preciso acessar o Portal do Tesouro e fazer o download de uma ferramenta específica, a XP Pro.

Quais são os tipos de títulos de acordo com o perfil dos investidores?

Quando se fala em Títulos do Tesouro Direito, é importante pensar nas suas duas principais classificações: os títulos pré-fixados e os títulos pós-fixados.

No caso dos títulos pré-fixados, integram este grupo os títulos nos quais o valor dos juros é fixado preliminarmente, permitindo que o investidor saiba qual será o valor recebido no final da operação. Confira a seguir quais são os títulos que integram este rol:

Letras do Tesouro Nacional – LTN

As LTN são títulos pré-fixados, o que significa que o adquiri-los, o investidor já sabe qual será o valor total do rendimento ao final do período de resgate.

Este é um título simples já que ao solicitar o resgate o título será recebido já com o acréscimo da rentabilidade pré-fixada.

Desta forma, o pagamento ao investidor ocorre de forma única, ao final do período de aplicação já definido anteriormente.

Quando se fala em Letras do Tesouro Nacional, é importante que o investidor aguarde até o final do período de resgate para fazer o saque o dinheiro, uma vez que, saques antecipados podem gerar uma perda financeira.

Isso significa que este pode não ser um título indicado se você não tem certeza quanto a necessidade ou não de saque antecipado do valor.

Notas do Tesouro Nacional – Série F

O outro título que integra o grupo de pré-fixados são as Notas do Tesouro Nacional (Série F). Sua principal diferença em relação as Letras do Tesouro Nacional, é que este título oferece ao investidor a possibilidade de receber pagamentos semestrais referente aos juros da aplicação.

Assim, as Notas são indicadas para os investidores que buscam complementar sua renda, que se dará através destes recebimentos semestrais.

Uma dica importante para você que quer investir nas Notas do Tesouro Nacional, é ficar atento a incidência de impostos sobre este resgate semestral. O Imposto de Renda é cobrado conforme a tabela progressiva, ficando na média de 22,5% para os títulos com resgate até 180 dias após a aplicação e reduzindo para 15% nos resgates realizados após o decurso de 720 dias também da data de aplicação.

Diferente dos títulos pré-fixados, os títulos pós-fixados, como o próprio nome já sugere, têm o seu valor acrescido de uma taxa definida previamente no momento da assinatura do contrato, somado a um indexador, que pode ser tanto a taxa SELIC  quanto a taxa de inflação (IPCA).

No grupo de títulos pré-fixados, é possível encontrar vários títulos, separamos os principais: Notas do Tesouro Nacional da Série B, Notas do Tesouro Nacional da série Principal e Letras Financeiras do Tesouro. Entenda a seguir como funcionam cada um destes títulos:

Notas do Tesouro Nacional – Série B – NTN-B

Este tipo de título se caracteriza por pagar ao investidor os juros da aplicação mais o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Isso significa maior rentabilidade e proteção contra o efeitos da inflação.

Assim como é o caso das Notas do Tesouro Nacional Série F, as de série B também trazem a possibilidade de realização de resgates semestralmente.

Vale destacar que o investidor que optar pelas Notas do Tesouro Nacional de Série B, deverá reinvestir a cada resgate (inclusive se realizados semestralmente). Nele incidirá o Imposto de Renda, razão pela qual o investidor deve ficar atento acerca do valor recolhido a título de Imposto e do quão este investimento pode realmente ser vantajoso.

Notas do Tesouro Nacional Principal – NTN-B Principal

Ao investir em Notas do Tesouro Nacional Principal, o investidor não tem a sua disposição a possibilidade de pagamentos semestrais, desta forma, este investimento não pode ser abordado como uma complementação de renda.

É indicado para quem não tem pressa e não vai precisar do dinheiro para cobrir qualquer tipo de emergência, já que o seu recebimento será feito de forma simplificada e em parcela única ao fim do prazo de vigência contratual.

Vale destacar que nas NTN-B Principal, o reinvestimento ocorre de forma automática, o que é visto por muitos investidores como uma praticidade aliada às suas rotinas corridas e a dificuldade de estar sempre atento aos prazos para reinvestir.

Para saber se esta é uma boa opção para você, a dica é buscar a assessoria de um profissional qualificado que tenha expertise e conhecimento de mercado na área de investimentos. Ao traçar o seu perfil ele poderá indicar qual título melhor se encaixa nas suas necessidades e objetivos.

Letras Financeiras do Tesouro

Por fim, o terceiro título pós-fixado mais conhecido e bastante utilizado pelos investidores são as Letras e Financiamento do Tesouro.

Este tipo de investimento é indicado para aqueles investidores que buscam segurança, uma vez que o indexador utilizado será a SELIC.

Além disso, outra facilidade das Letras Financeiras do Tesouro é que o seu resgate também é feito em pagamento único, realizado quando chegado ao fim da vigência do contrato de investimento.

Qual é o melhor momento para resgatar uma aplicação no Tesouro Direto?

Como explicamos, não é preciso esperar o vencimento do título para fazer o resgate. No entanto, é preciso destacar que os Títulos do Tesouro Direto variam diariamente de acordo com os preços e as condições do mercado.

Segundo as operações realizadas pelos agentes financeiros e as previsões para a taxa de juros, esses títulos podem ter retorno um diferente. Na prática, isso significa que, caso o investidor venda seu título antes do vencimento, ele pode ganhar mais do que a estimativa, mas também pode perder dinheiro.

O segredo para planejar o melhor momento do resgate, é avaliar se o título é pré- fixado ou pós-fixado.

No caso dos títulos prefixado, se os juros do mercado aumentarem e a inflação projetada for maior do que aquela na época da aquisição do título, o resgate terá um valor menor do que se fosse feito com um título pós-fixado.

Em contrapartida, caso a taxa base da economia caia, a venda de um título prefixado será lucrativa, já que o seu investimento pagará uma taxa superior àquela que está sendo praticada no mercado.

Contar com a ajuda de um profissional que oriente seus investimentos e auxilie em todo este processo de planejamento é muito importante para garantir maior rentabilidade aos seus investimentos. 

Horários para o resgate e outras facilidades

Recentemente, o governo promoveu uma série de mudanças tornando os Títulos do Tesouro Público mais atraentes aos investidores. Uma dessas mudanças diz respeito aos horários para o resgate, que foram ampliados. A partir deste ano, o resgate já pode ser feito entre 9h30 às 18h nos dias úteis e, das 18h às 5h nos finais de semana e feriados.

Além disso, adaptando o mercado à realidade tecnológica, o Tesouro Direito conta com um novo aplicativo que permite que os resgates sejam feitos diretamente do smartphone ou tablet.

Além do resgate, o usuário pode realizar outros investimentos, agendamentos e consultas de extratos por meio dos seus gadgets. Por enquanto, o aplicativo só está disponível para Android.

Juntamente com o aplicativo, os usuários poderão receber informações via SMS sobre suas operações, além de notificações sobre cobranças de taxas e extratos. Pelo e-mail, o usuário também pode receber mensagens informando o status das suas transações e futuras operações.

Com essas facilidades, o processamento das operações pode ser feito com os preços e as taxas disponíveis no momento da transação. Além disso, como o investidor conta com todas as informações necessárias, sua atuação pode ser mais bem planejada.

Vale destacar que o acesso facilitado às informações é um ponto chave para o investidor, que assim, tem condições de se manter próximo de suas movimentações, acompanhando com rapidez o que está acontecendo com o seu dinheiro.

Educação financeira

O Tesouro Direto não está apenas se popularizando: ele vem se transformando em uma porta de entrada para quem quer investir no mercado de capitais. Porém, não são todas as pessoas que contam com conhecimentos sobre esse tipo de investimento. Além disso, nem sempre as informações disponibilizadas são facilitadas para leigos.

Em razão disso, outra novidade criada desde o final do ano passado é uma ferramenta de treinamento online. Por meio dela, os investidores têm acesso a um curso gratuito. Iniciantes ou investidores com conhecimentos mais avançados podem acessar o treinamento.

Se você ficou interessado em saber mais sobre como fazer aplicação no Tesouro Direto, outra dica é dar uma olhada no nosso guia completo para quem quer investir sem medo e ter bons resultados. Um bom investidor é, antes de qualquer coisa, um curioso, sempre em busca de informações e conhecimento para melhorar suas estratégias de investimento.

Você já investe no Tesouro Direto e gostaria de contar com um apoio técnico especializado para melhorar os resultados? Então entre em contato conosco e conheça nossas soluções!

Deixe aqui o seu comentário

comentários

Categories
Tesouro Direto

Relacionados