Networking do empreendedor e os 3Fs!

Apesar de sempre pensarmos na criação de valor como a característica que move o empreendedor, o networking é também uma das grandes armas do empreendedor no mundo moderno. Além...

Apesar de sempre pensarmos na criação de valor como a característica que move o empreendedor, o networking é também uma das grandes armas do empreendedor no mundo moderno.

Além disso, vocês sabem o que significa o termo “3Fs”?

Eles podem representar o início da grande maioria dos empreendedores no Brasil, e entender formas de como lidar com eles pode te ajudar bastante.

Ainda mais caso queira não só criar uma networking, mas também fazer sua empresa andar pra frente!

 

O primeiro passo de uma empresa

Muitos daqueles que almejam ser empreendedores algum dia ficam um pouco perdidos.

Isso principalmente em como, de fato, abrir uma empresa e começar o seu trabalho.

Ás vezes isso acontece porque o empreendedor, em si, fica muito perdido sobre onde procurar o capital que a sua empresa precisa.

Venture Capital é uma opção que frequentemente aparece.

Mas se pegarmos exemplos como os Estados Unidos, vemos que o Venture Capital pode representar até menos que 1% de como as empresas, principalmente startups, surgem.

3FS – Family, Friends and Fools

Se trabalhamos com a possibilidade de nem sempre podermos contar com financiamentos como Venture Capital para a nossa empresa, como, então, conseguir um capital necessário?

É aí que aparece a opção da qual muitos investidores, no começo do seu negócio, recorrem: os 3Fs – Family, Friends and Fools –.

A realidade é que, no início da sua empresa, pode ser que a única opção que apareça para você é de buscar, nos familiares ou nos amigos, um dinheiro necessário para começar a construir o seu sonho.

E isso não é necessariamente ruim.

Muitas vezes, são estes o grande motor que motiva os pontapés iniciais do empreendedor.

Mas, no caso especial do Brasil, isso de cara pode fazer surgir alguns problemas:

Problema 1

Os familiares e nem os amigos acreditam que o dinheiro vai retornar, e, por isso, não emprestam.

Numa situação como essa, quem está querendo empreender pode se ver forçado a fazer uma ação nem um pouco saudável do ponto de vista financeiro:

Criar uma dívida com o banco afim de se financiar.

Se isso não é saudável nem para as pessoas que não são empreendedoras, imagina para alguém que se expôs ao risco?

O risco de criar uma empresa (ainda mais no Brasil) é muito alto.

Imagine ainda isso aliado ao fato de que o empreendedor depende que dê certo para conseguir quitar sua dívida?

E ainda em um cenário onde mais da metade das empresas não sobrevivem aos primeiros 5 anos de existência.

Isso acaba sendo algo aterrorizante para o empreendedor, e também para quem investe nele.

Fora que, o banco financiar todo o capital necessário de uma empresa é algo bem improvável de se acontecer.

Isso em vista que, nesse caso, seria o banco que estaria arcando com o risco comercial do negócio.

E esse risco não é dos mais baixos, não é verdade?

Problema 2

Ainda num cenário onde o pequeno empreendedor consegue um financiamento por parte da família ou amigos, se ele falhar, dificilmente consegue um financiamento de novo da mesma forma no futuro.

Pior:

Muitas vezes o próprio empreendedor se pune por errar.

Enquanto em outros países o erro é considerado algo normal do empreendedorismo, a visão do brasileiro sobre o assunto é ainda muito atrasada.

Muitas vezes o empreendedor brasileiro desiste após o primeiro erro.

Ele vê o fracasso e acredita que se não deu certo uma vez não dará certo jamais.

Mas é necessário entender que a vida de um empreendedor é uma vida de tentativa e erro.

O empreendedor tem que estar preparado para o caso do seu negócio dar errado.

E também para dar certo, claro.

E onde a networking entra?

Por esses problemas que uma das melhores ferramentas possíveis para os empreendedores que buscam alternativas para criar sua empresa e ter mais tranquilidade no que se refere aos seus riscos é o que chamamos de networking.

Com um networking bem formado, o empreendedor pode eficientemente procurar por um ou mais sócios que acreditem na ideia.

E que aceitem também correr o risco junto ao empreendedor, evitando ter que contrair uma dívida com alguém para dividir uma parte dos lucros futuros da empresa.

Inclusive, o networking também pode trazer uma série de vantagens.

Como maior facilidade na busca por empresas parceiras, maior influência para encontrar clientes, e até mesmo para ir se mantendo sempre atualizado nas novidades do mundo corporativo.

Mas como, de fato, criar uma boa networking?

Existem 2 dicas que podem ser seguidas:

 

1) Antes de criar uma empresa, tente entrar em uma multinacional

Trabalhar em uma multinacional pode agregar bastante na visão de mundo de um empreendedor.

Isso não só por ter a chance de conseguir criar um networking com pessoas mais fluentes.

Mas porque, dentro de uma grande empresa, você consegue também ter uma visão de como são feitos os processos e as relações dentro dela.

E essas características podem espelhar e influenciar os moldes dos quais você levará a SUA empresa no futuro.

Uma multinacional é multinacional por um motivo.

Então, por que não se inspirar no que dá certo para elas e ter um censo crítico também sobre o que melhorar?

Assim como nos investimentos, um benchmark é importante!

 

2) Vá em eventos sobre empreendedorismo e similares

Interagir dentro de eventos como estes ajuda a encontrar possíveis contatos para todas as necessidades,.

Desde novos sócios a até mesmo contatos para expandir clientela.

O ponto aqui é que pode até ser que no mercado provavelmente haverão muitos concorrentes.

Mas isso não significa que você deva tratar todas as empresas como suas inimigas, de fato.

Utilizar estes eventos para expandir contatos e trocar informações relevantes pode se tornar muito útil.

Tanto para a sua empresa no futuro, quanto para você como pessoa.

Porque isso pode tornar você mais conhecido entre as pessoas do meio.

Adicionalmente, é bom entender que, nestes casos, há um ideal:

A construção do networking serve para se relacionar, e não vender.

Não utilize o evento, para vender o seu produto. Isso você pode fazer posteriormente com uma conversa privada.

Utilize o tempo para agregar na sua lista de contatos, realmente.

Deixe aqui o seu comentário

comentários

Categories
O Caminho

Relacionados