Criptomoedas: entenda definitivamente quem são elas!

Você já deve ter ouvido falar sobre as criptomoedas, não é mesmo? Se não ouviu, aqui vai um aviso: fique esperto! Muitos especialistas consideram as criptomoedas como o futuro...

Você já deve ter ouvido falar sobre as criptomoedas, não é mesmo? Se não ouviu, aqui vai um aviso: fique esperto! Muitos especialistas consideram as criptomoedas como o futuro do dinheiro e esse futuro está mais próximo do que muita gente imagina.

Se, por um acaso, você ainda não sabe o que são as elas, não se preocupe! Nós preparamos um post bem completo para que você entenda melhor o assunto.

Nele, nós explicaremos o que são as criptomoedas e como elas funcionam. Além disso, apresentaremos algumas garantias oferecidas por elas. A regulamentação, uma parte importante a ser falada, também será mencionada no texto.

Este artigo esclarecerá tudo o que você precisa saber sobre as criptomoedas e sobre o seu funcionamento. Vamos lá? Boa leitura!

O que são as criptomoedas?

Recebe o nome de “criptomoeda” toda moeda virtual que utiliza um sistema criptografado para manter a sua segurança. Cada cédula de Real tem seu número de série emitido no papel para evitar falsificações, correto? Da mesma forma, as criptomoedas utilizam um código criptografado que é extremamente difícil de ser quebrado.

A principal característica das moedas virtuais é que elas são descentralizadas. Ou seja, nenhum Banco Central ou Governo pode emitir ou controlar essas moedas. Talvez por isso, alguns deles são contrários ao uso e à regulamentação das criptomoedas.

Elas funcionam, basicamente, como qualquer outro tipo de dinheiro. Algumas grandes companhias como Dell, Microsoft e Tesla já permitem o pagamento em Bitcoins.

O Bitcoin foi fundado em 2008 e, atualmente, é a criptomoeda mais famosa do mercado. Nos últimos 5 anos, ele acumula uma alta de incríveis 73.700,76%!

No ano de 2010, o valor de um Bitcoin não ultrapassou 1 dólar. Em 2017, chegou a alcançar marca histórica de US$ 9.000.

Como elas funcionam?

Com números tão exorbitantes, é natural que você esteja se perguntando sobre o funcionamento das criptomoedas e sobre o segredo do Bitcoin.

A principal resposta da pergunta “por que esse preço?” está na Lei da Oferta e Demanda. O valor de mercado das criptomoedas se baseia no resultado da equação entre a demanda dos compradores e a oferta dos vendedores.

O lastro das moedas virtuais são propriedades matemáticas que garantem uma oferta monetária predefinida por meio de processos matemáticos criptografados. É semelhante ao lastro do ouro, que é assegurado pela escassez física desse determinado bem.

Quando um bem é reconhecido como moeda, o seu lastro reside na sua escassez. Portanto, as moedas virtuais são todas baseadas em lastros matemáticos que garantem um limite máximo de oferta. Logo, na medida em que aumenta a procura por elas, seu preço automaticamente se eleva.

Quais são as garantias oferecidas pelas moedas virtuais?

Por serem totalmente descentralizadas, as criptomoedas são consideradas bastante seguras. Apesar disso, devido ao recente aumento do interesse pelo assunto, elas vêm se tornando alvos frequentes de ataques cibernéticos.

Independentemente disso, existem dispositivos de segurança que garantem a segurança das moedas virtuais. Alguns deles são:

Escolher uma boa senha para a sua carteira

Diversas pessoas tem o hábito de escolher a mesma senha para suas contas pois isso facilita a lembrança. Entretanto, senhas muito simples podem colocar a carteira de moedas virtuais em risco.

Procure sempre criar senhas complexas e difíceis para a sua carteira. Dessa forma, você dificulta o acesso em caso de ataque de hackers. Não se esqueça de anotar a senha em algum lugar seguro para que você não se esqueça dela.

Usar a autenticação de dois fatores

A grande maioria das carteiras de criptomoedas disponíveis online dispõem da autenticação por dois fatores. Essa autenticação exige outra informação, além da senha, todas as vezes em que você acessar sua carteira.

Geralmente, o segundo fator de autenticação é um código enviado por mensagem de texto para o seu celular. Mesmo que isso tome parte do seu tempo, com certeza garante a eficiência da segurança da sua carteira.

Manter a sua carteira offline

Manter a carteira offline significa desconectá-la da internet. Você pode guardar suas criptomoedas em um pen drive, por exemplo, ou nas chamadas “carteiras de papel”.

Essa prática recebe o nome de cold storage e é considerada a forma mais segura de manter a sua carteira de criptomoedas. Mantendo suas moedas offline, você impossibilita todas as formas de ataques. O único risco consiste em perder o papel ou o dispositivo externo onde foi armazenada sua carteira.

Backup da sua carteira

Manter o backup da sua carteira em dia pode protegê-lo contra perdas, roubos e até mesmo falhas de sistema. Esse não é um dispositivo de segurança propriamente dito, mas reduz significativamente o risco de que você perca suas criptomoedas por problemas que são relativamente comuns.

Não armazene suas moedas em bancos ou corretoras online

Bancos ou exchanges online, por mais que pareçam seguros e confiáveis, não oferecem a segurança que você necessita. Na grande maioria das vezes, eles não dispõem segurança necessária para evitar um ataque de hackers.

Além disso, não oferecem garantia de devolução das moedas caso ocorra um ataque. Portanto, evite armazenar suas moedas nesses locais.

O que diz a lei brasileira sobre as criptomoedas?

O maior desafio encontrado pelas criptomoedas no que diz respeito a regulamentação é relacionada ao conceito na qual elas se incluem. Afinal, ainda não existe uma definição precisa sobre o funcionamento delas e o que elas representam se são uma propriedade, uma commodity, um protocolo…

Também vale mencionar o fato de que as moedas digitais não podem ser consideradas como moedas nacionais e nem estrangeiras. Afinal, moedas nacionais são emitidas pelo Governo, representado pelo Banco Central. Moedas estrangeiras são emitidas por governos de outros países, o que não é o caso das criptomoedas.

Atualmente já existe um posicionamento oficial da Receita Federal sobre como funciona a incidência de tributos sobre as criptomoedas. De acordo com a Receita, elas devem ser declaradas no Imposto de Renda, já que podem ser equiparadas com um ativo financeiro. Entretanto, de acordo com a própria Receita, o caso ainda está em estudo.

Na Câmara dos Deputados, o processo de regulamentação das moedas virtuais já começou a ser discutido. O Projeto de Lei nº 2.303/2015 propõe a inclusão das criptomoedas, assim como os programas de milhagens aéreas, à supervisão do Banco Central.

Entretanto, a discussão sobre o assunto ainda está longe do fim. Para especialistas, é impossível regulamentar uma moeda descentralizada. Já para o Governo, o problema reside em caracterizar e achar soluções viáveis sobre o tema.

Fato é que, devido ao uso crescente das criptomoedas, se torna vez mais necessária a discussão sobre o assunto, principalmente sobre a sua devida regulamentação.

E aí? Gostou do nosso artigo sobre criptomoedas? Então leia agora o nosso artigo sobre 7 criptomoedas além do Bitcoin que você precisa conhecer!

 

Deixe aqui o seu comentário

comentários

Categories
Moedas Digitais

Relacionados