Você sabe o que são fundos DI?

O mundo dos investimentos é mesmo muito tentador para quem tem aquele dinheirinho sobrando no final do mês e deseja aumentar sua renda. E, quanto a isso, uma das perguntas que...
voce-sabe-o-que-sao-fundos-di.jpeg

O mundo dos investimentos é mesmo muito tentador para quem tem aquele dinheirinho sobrando no final do mês e deseja aumentar sua renda. E, quanto a isso, uma das perguntas que mais ouço é “Primo rico, como escolher onde investir o meu dinheiro?”

Aí é que está: a resposta para essa questão varia de pessoa para pessoa. Há aqueles que preferem se arriscar no tudo ou nada da bolsa de valores, por exemplo, e outros que preferem a segurança de uma poupança, ou dos fundos de investimento.

Ainda assim, dentre esses grupos, algumas formas de investimento podem ser bastante proveitosas para ambos os lados. E entre elas estão os fundos DI. “Opa, que legal! Mas o que são fundos DI?” — você me pergunta.

Ora, é para isso que estou escrevendo este texto! Então, veja neste post tudo o que você precisa saber sobre o assunto.

Qual é o conceito de fundos DI?

Para quem deseja investir, os fundos DI são tão essenciais como o feijão e arroz na vida dos brasileiros. Isso porque eles são focados em ações de baixo risco, mas oferecem grande rentabilidade: os títulos públicos federais.

Basicamente, os fundos DI podem ser de dois tipos: os Fundos de Renda Fixa Baixa Duração Soberano, que aplica 100% do seu investimento em títulos públicos; e os Fundos de Renda Fixa Baixa Duração Grau de Investimento, em que cerca de 80% das aplicações são feitas em títulos públicos federais, associados à SELIC.

Para quem não sabe, a SELIC é uma das taxas mais básicas da economia brasileira, já que representa o valor pago pelo governo a quem empresta dinheiro a ele. E ela é calculada a partir da média dos juros aplicados pelas entidades financeiras.

Por acompanharem essas taxas, os investimentos em títulos públicos são considerados de baixíssimo risco e com boa rentabilidade, mesmo em curto prazo. Uma boa alternativa para quem deseja entrar no mundo dos investimentos, não é mesmo?

E outra coisa boa de lembrar é que a liquidez desses títulos públicos é diária — em outras palavras, o seu dinheiro pode ser resgatado a qualquer momento, sem prejuízo.

Quem deve investir?

Normalmente, quem investe em fundos DI são aquelas pessoas que desejam ter, em curto prazo, um bom lucro — mas sem muitos riscos. Quem quer investir, mas não quer esperar 20 ou 30 anos para ver o rendimento do dinheiro aplicado. Conhece alguém assim?

Basicamente, são os fundos a serem investidos por quem está começando a explorar o universo das aplicações, e que deseja ter segurança nessas primeiras iniciativas.

E é claro que isso não exclui os perfis mais experientes e seguros, já que os títulos públicos são uma forma segura de gerar lucro para o seu capital inicial aplicado. Afinal de contas, quem não quer ganhar dinheiro?

E como investir em fundos DI?

Os fundos DI estão atrelados a instituições financeiras. “Mas por quê, primão?” — você me pergunta. Bom, temos que recapitular um pouco.

Lembra quando eu expliquei o que é a taxa SELIC? Então, ela foi criada pelo governo para arrecadar dinheiro, certo? Pois esse também é o intuito do Tesouro Nacional, que emite títulos públicos.

Na grande maioria dos casos, esses títulos públicos são comprados por grandes bancos, que passam esse processo para seus clientes. Então, na hora de decidir com qual entidade financeira fechar negócio, é preciso levar algumas coisas em consideração.

O custo da taxa de administração, por exemplo, pode ser uma pegadinha para muitos: enquanto o banco oferece aplicações em quantias baixas, ele pode cobrar um alto custo de administração. Entendeu o pulo do gato?

Então, em cada contrato, fique de olho nesse aspecto, que não deve passar de 1% do valor total pago. O ideal é procurar aquele fundo DI que permita um baixo valor de aplicação, assim como a menor taxa administrativa.

Quais são as diferenças entre fundos DI e outros investimentos?

Depois que explico sobre os fundos DI, sempre alguém me pergunta sobre a diferença dele para outros investimentos. “E a poupança? E os fundos de renda fixa?”. Bem, vamos por partes!

Em comparação com a poupança, a grande qualidade dos fundos DI é a taxa de juros SELIC. Isso porque, normalmente, ela gira em torno de um valor maior do que aquele pago pela caderneta de poupanças, que não costuma passar dos 7,5%.

Agora, fica a pergunta: se você tem o dinheiro disponível para aplicar em um dos dois investimentos, por que escolher aquele que te trará menor lucro?

Já em comparação com a renda fixa, a segurança dos fundos DI é o seu diferencial. Isso porque os fundos de renda fixa variam seu risco, o que pode ser uma cilada para aqueles investidores mais desavisados.

Além disso, os fundos de renda fixa investem em títulos pré-fixados, ao passo que o DI investe em títulos pós-fixados. Se a SELIC estiver em alta, os lucros dos fundos DI serão maiores que os de renda fixa. Visto que o rendimento dos dois fundos é praticamente o mesmo — ou varia pouco de acordo com a SELIC —, fica a seu critério decidir em qual deve investir.

Quais outras considerações há por fazer sobre o tema?

Você pode estar pensando que os fundos DI parecem muito bons para ser verdade… Pois é, nem tudo são flores! Aqui vai um detalhe importante sobre os fundos DI: eles são tributados pelo Imposto de Renda.

E o que isso significa na prática? Ora, nada mais que, quando você resgata o valor do fundo, o IR incide sobre seus rendimentos.

A boa notícia é que a porcentagem incidente diminui de acordo com o tempo. Se, por exemplo, em até 180 dias a alíquota é de 22,5%; em mais de 720 dias ela passa para 15%. Da mesma forma, entre 181 a 360 dias ela é de 20%, e de 361 até 720 dias é de 17,5%.

E outra característica a se notar é que, ao contrário da poupança e outros investimentos de renda fixa, os fundos DI não têm a cobertura do Fundo Garantidor de Créditos.

Bem, é nesta hora que você começa a suar frio e repensar seu investimento nesse fundo, não é? Mas pode ficar tranquilo: apesar de não terem aquela ótima cobertura, os fundos DI continuam protegidos. Isso porque, mesmo que a instituição financeira abra falência, o patrimônio dos fundos, juridicamente falando, está separado do patrimônio do banco.

E aí, agora você já entendeu o que são fundos DI? Trata-se de uma alternativa prática e segura para investir seu dinheiro sem medo de ficar no prejuízo.

Então, se gostou desse texto, siga o Primo Rico no Facebook e acompanhe os posts futuros para se tornar, também, o parente rico da família!

Deixe aqui o seu comentário

comentários

Categories
Renda Fixa

Relacionados