Lute Contra o Tempo – Conheça o Mercado de Opções

Alguma vez você já ouviu a expressão “Tempo é Dinheiro”? Não existe nenhum ambiente em todo o mundo de investimentos ou ações aonde essa máxima é mais verdade do...
Mercado-de-opcoes

Alguma vez você já ouviu a expressão “Tempo é Dinheiro”? Não existe nenhum ambiente em todo o mundo de investimentos ou ações aonde essa máxima é mais verdade do que no mercado de opções.

Provavelmente você já deve ter lido alguma reportagem com os dizeres “Lucro de mais de 300% em opções de Petrobrás”, ou se não algum guru predizendo “Fique rico investindo com opções”. É, com certeza você ficou se perguntando “Mas o que diabos é isso? Opções? E o que isso tem a ver com Petrobras?”

Caro leitor, não se desespere. Nesse artigo irei discorrer sobre o intrincado mercado de opções, sobre como ele pode te ajudar a se proteger da flutuação do mercado e te ajudar a desvendar essas manchetes chamativas de rentabilidades absurdas.

 

           1 – Entendendo o que é o mercado de opções

Não temos como falar de bife sem falar do boi. Para entender como algo pode te beneficiar, é prudente aprender antes como este mesmo algo funciona. Vamos com calma, não tenho a intenção de ser muito técnico, nem de falar um linguajar estapafúrdio, que vai parecer que eu sou um PHD querendo esfregar o meu diploma na cara dos outros.

Para entender basicamente o que é uma opção e como ela se insere no mercado de opções você deve participar de uma brincadeirinha comigo. Vamos lá, se anime, vai ser divertido e você vai aprender!

Parabéns leitor, você casou!!! E como toda pessoa responsável, agora você não mora mais com sua família, mas sim com sua esposa. Tendo em mente que você nunca teve qualquer problema de locomoção, o transporte público sempre lhe serviu bem, além de ser mais econômico e dar menos dor de cabeça. No entanto, pensando em sua nova família e na nova localização da sua casa, você vai precisar de um carro novo…

Ora essa, um carro novo é muito caro! É um produto muito exclusivo, além de que não pode ser um carro pequeno, afinal você quer gêmeos. Sendo assim você vai atrás do que pode ser chamado de “mercado secundário” de veículos, aonde você não adquire o veículo de uma revendedora, mas sim de uma pessoa física. Sabemos muito bem que o preço de um carro depende muito de duas coisas: Da condição do carro e da disposição do mercado em adquirir aquele carro. Isso te deixa em uma situação muito vulnerável, pois você nunca sabe qual o preço do veículo amanhã, ou daqui a um mês, que é quando você está pensando em adquiri-lo. O que fazer? Não seria muito mais simples se você pudesse fazer um contrato hoje e estipular o preço do carro lá no futuro?

Pois as opções são exatamente isso! No caso, você está pensando em fazer um contrato de opção de carro. Assim você estabelece um preço para certa data, se protegendo da volatilidade do preço do carro! Uma opção de ação é isso aí, um contrato que estabelece um preço definido para certo ativo.

           2 – Os participantes em uma opção: Lançador e Tomador

Agora que você já entendeu o que é uma opção, vamos entrar em um ponto mais técnico. Estamos falando aqui que a opção é um contrato, sendo assim ela precisa ser celebrada entre duas partes distintas, um que terá deveres frente a outro. É como um contrato de prestação de serviços, o prestador deve o serviço e o contratante tem o direito de receber o serviço a ser prestado. Isso não é diferente no mercado de opções.

Vamos voltar ao exemplo do carro. Você leitor, que acabou de se casar, é a pessoa interessada em adquirir o carro. Sendo assim, para se proteger da flutuação do preço do carro, você compra uma opção de compra de carro. O que quer dizer que, dado determinada data, você tem a opção de comprar o carro pelo preço que você combinou com a pessoa dona do carro. Você é chamado de tomador nessa operação.

Em outras palavras, o tomador da opção é sempre aquele que tem o direito de exercer a opção. Agora você deve estar se perguntando “Peraí, se eu tenho o direito de exercer a opção, então quer dizer que eu posso optar por não comprar o carro?”. Exato! É exatamente por isso que o contrato é chamado de opção, por que você pode ou não exercer o contrato.

Nesse mesmo exemplo, a pessoa que firmou o contrato com você e se comprometeu a vender o carro, é chamada de lançador. No caso, (com certa ironia) o lançador não tem muita opção nessa situação. Ele tem o dever de lhe vender o carro na data limite que vocês estipularam.

Recapitulando: o tomador tem o direito (a opção propriamente dita) de exercer o contrato de opções, enquanto o lançador tem o dever (ou a obrigação) de realizar sua parte.

           3 – O livre arbítrio é demais

Parece injustiça quando olhamos para o lado do lançador. Ele tem apenas deveres e obrigações quando se tratam de opções. Mas temos que lembrar que o interessado em toda essa situação é o tomador que está buscando se proteger. Afinal de contas ele que dirá se o contrato vai para frente ou não.

Mas agora, por que o tomador faria isso?

Novamente vamos nos lembrar, o tomador está mais atrás é de proteção. Sendo assim, se ele assina um contrato que o obriga tomar certa ação em uma data específica e ele não sabe qual o futuro do preço do ativo dele, então ele não está tão protegido assim.

Para que você entenda melhor, vamos voltar ao exemplo do carro. Digamos que você tenha fechado uma opção de compra do carro a R$ 10 o contrato e o que está combinado é que você pagará R$ 60.000 pelo veículo. Chegamos ao famigerado dia da compra e você se depara com uma incrível notícia de que o seu carro nunca mais vai ser produzido e isso fez com que o preço de mercado dele fosse as alturas. Bom, sendo assim você tem um negocião nas mãos. Um carro que agora já passou de R$ 100.000 está a sua disposição por R$ 60.000 e o lançador nada pode fazer além de lhe vender o carro. Mas e se você não desse tanta sorte?

Digamos agora que justamente o modelo que você estava comprando deu um defeito de fábrica e um recall foi ativado. De R$ 60.000, ele agora vale apenas R$ 45.000. O que você vai fazer? Exercer o seu direito de comprar o carro pela opção? É claro que não!!! O direito de comprar ou não o carro por R$ 60.000 é todo seu, o contrato de opção diz isso.

Entendeu bem agora? A opção de comprar (ou vender) é sempre do tomador e o lançador não pode fazer nada quanto a isso. Isso significa que o lançador sempre se da mal? Não necessariamente. No nosso exemplo, o lançador que queria lhe vender o veículo ficou sem sua venda, mas ele embolsou os R$ 10 que a emissão do contrato de opção lhe custou. Ou seja, o tomador é o quem irá receber pela emissão da opção, afinal é ele quem lhe deu a opção.

Esse seria um exemplo mais básico de como o mercado de opções opera, mas ele realmente é muito mais complexo em seu dia a dia. Entrarei em mais alguns detalhes a frente.

           4 – Mas é só para comprar que vale a proteção?

Na nossa anedota você estava em busca de um carro para comprar, pois precisava de um meio de locomoção mais eficiente para a sua família. Mas e se você precisasse de dinheiro e tivesse o carro em mãos?

Depois da nossa história, imagino que sua resposta imediata é “Bom então eu me torno o lançador de uma opção de compra de um carro e espero alguém me exercer”. Sim isso é possível sem dúvida, mas quem quer vender é você. Quem quer se proteger do mercado é você. Ou seja, se você virar lançador você terá um dever e não um direito. Nessa qualidade você não está protegido da flutuação do mercado de automóveis.

Sendo assim, vamos inverter apenas o nome e não os papéis do contrato. O que você fará para se proteger do mesmo jeito é uma opção de venda de carro, assim em determinada data, você pode optar por vender o seu carro para o tomador da vez, ou vender para o mercado, quem quer que esteja pagando mais.

No “mundo real” é pouco comum vermos as pessoas negociando opções de venda de ativos muito comuns, como Petrobrás ou Vale, mas elas são muito empregadas na comercialização de commodities. A bem dizer, todo o mercado de opções se originou do mercado de commodities, pois isso possibilitava que o agricultor vendesse sua safra antes da extração, tendo assim capital para trabalhar antes da colheita. Mas mais sobre commodities em outro artigo.

           5 – Mas e ficar rico? Dá? 

Bom, você ainda deve estar pensando nesse ponto afinal, como falamos lá no começo do artigo, riqueza instantânea é o principal meio de se divulgar o mercado de opções, mas lamento dizer caro leitor, que o enriquecimento rápido só se da na loteria ou com alguma herança de um tio rico do interior de Minas Gerais.

O que acontece é o seguinte, você se lembra do que falei sobre o lançador? Sobre o fato de ele ser o cara que fica com a grana do contrato de opção? Então, esse contrato pode ser negociado pelo tomador. Em bolsa mesmo, como se fosse uma ação qualquer. No entanto o contrato custa muito pouco, afinal de contas ele não tem nada vinculado a ele, apenas o direito de compra ou venda de certo ativo. Acontece que ele pode sofrer um aumento de preço repentino, dado certa situação. Imagine o seguinte:

Hipótese:

  • Dia 20/06
  • Petrobrás está R$ 10,00
  • Existe uma opção de compra de Petrobrás a R$ 15,00, para vencer em uma semana. Ela custa R$ 0,1 centavo

É claro que mesmo essa opção custando R$ 0,1 centavo ninguém vai compra-la. Afinal qual a chance de Petrobrás atingir R$ 15 em uma semana sem nada acontecer. Mas então.. acontece! Um poço de petróleo novo é encontrado!!! Isso faz com que Petrobrás se supervalorize. Se você quer comprar as ações de Petro mais baratinho, então você vai querer comprar as opções que dizer que você pode entrar no negócio a apenas R$ 15,00 (o ativo já está R$ 20,00). Nesse caso todo mundo vai começar a comprar adoidado e as opções começam a custar até R$ 1,10.

Não é muito não é mesmo? A, mas é sim. Uma valorização de R$ 0,1 para R$ 1,10 representa 1100% de valorização. O que significa que se você tivesse R$ 10.000 nessas opções de Petro, agora você poderá vende-las a R$ 110.000,00. Isso é que é rentabilidade!

Entendeu agora? As opções podem sofrer tanta alteração, por que a demanda por elas pode explodir de uma hora para outra, mas quem sabe quando isso acontecerá? Quem participou desse trade de opções de Petro. Provavelmente ninguém que eu ou você conheçamos. É extremamente improvável e imprevisível de acontecer. Seu capital está mais bem investido em alguma ação ou em renda fixa mesmo.

Pare e Reflita

Hoje aprendemos o básico sobre o mercado de opções. Vimos para o que serve uma opção, que existem opções de compra e venda, o que significa você ter uma obrigação ou um dever e estamos até agora lidando com a terrível realidade de que não ficaremos milionários da noite para o dia com o mercado de opções.

Leitura sugerida:

Análise fundamentalista
Análise de empresas
Análise gráfica

Deixe aqui o seu comentário

comentários

Categories
InvestimentosRenda Variável - Ações

Relacionados