Como investir dinheiro: aplicações bancárias mais rentáveis em 2016

O ano de 2016 pode ser considerado de incertezas para quem é investidor. Entretanto, a instabilidade política e econômica do país, a crise e a alta da inflação, apesar...

O ano de 2016 pode ser considerado de incertezas para quem é investidor. Entretanto, a instabilidade política e econômica do país, a crise e a alta da inflação, apesar de à primeira vista poderem ser consideradas como aspectos prejudiciais e que aumentam os riscos de quem investe, trazem consigo ótimas oportunidades de aplicação financeira.

Duvida? Então confira abaixo as aplicações bancárias mais rentáveis em 2016 e descubra de uma vez por todas como investir dinheiro de maneira rentável e com menos riscos!

A ascensão da Renda Fixa

Com a taxa básica de juros (Selic) e o CDI (Certificado de Depósito Interbancário) bastante elevados — ambos atualmente acima de 14% —, os investimentos que têm suas rentabilidades atreladas a esses índices de mercado têm ganhado a cada dia mais adeptos. E esse é exatamente o caso dos chamados investimentos de renda fixa.

Para quem não sabe, as aplicações de renda fixa são aquelas em que a forma de remuneração é definida no momento da aplicação, o que garante a você uma maior previsibilidade de retorno do seu dinheiro. Esse cenário é justamente o oposto dos investimentos em renda variável — como as ações, por exemplo —, onde a remuneração não pode ser dimensionada no momento da aplicação.

Obviamente, essa característica faz com os investimentos em renda variável sejam mais arriscados, especialmente em cenários econômicos turbulentos. Isso pode deixar você de cabelo em pé, especialmente se o seu perfil de investidor é mais conservador ou se você for inexperiente no mundo dos investimentos.

Por serem utilizadas como referência para os investimentos de renda fixa, quando a Selic ou o CDI sobem ou se mantêm em patamares elevados, esse tipo de investimento acaba se tornando uma excelente oportunidade para quem deseja ganhos maiores do que os proporcionados pela poupança (que definitivamente não está valendo a pena) de maneira segura. E é exatamente esse o cenário atual.

Como já falamos em outra ocasião, a diversificação da carteira de investimentos é superimportante para quem deseja investir de maneira assertiva. Por isso, listamos abaixo 3 aplicações bancárias bastante rentáveis em 2016 para que você possa escolher a que melhor se encaixa no seu perfil e na quantia que você tem disponível para investir. Vamos lá?

Tesouro Selic

O Tesouro Selic é um título público, que paga a variação da taxa Selic durante todo o período da aplicação. Justamente pelo fato de o governo ser o emissor dos papéis, esse é um dos investimentos considerados mais seguros. Afinal, o risco de o governo quebrar e dar um calote é menor do que o de qualquer banco, certo?

Outro ponto favorável do tesouro Selic é que não há prejuízos se o investidor decide vender os papéis antes do prazo determinado, já que a variação da Selic é sempre positiva. Então, caso você precise do dinheiro investido antes do que pensava, só deverá pagar um deságio, que é uma pequena taxa deduzida da variação da Selic, para compensar o Tesouro.

Esse investimento é uma excelente opção para quem não possui grandes quantias disponíveis para investir. Ele permite que você compre pequenas frações de um título, desde que a fração represente, no mínimo, 1% do total, e que o valor investido seja igual ou superior a R$ 30.

Por outro lado, a grande desvantagem de investir no Tesouro Selic é o desconto de Imposto de Renda (IR). Você pode diminuir o valor da mordida tributária quanto mais tempo deixar o dinheiro aplicado, mas ela nunca será menor do que 15%. E também é bastante importante ficar de olho nas taxas de administração cobrada pelas instituições financeiras autorizadas a negociar esses papéis. Enquanto umas podem lhe isentar do pagamento da taxa, outras chegam a cobrar 2% ao ano!

CDB

O Certificado de Depósito Bancário, conhecido como CDB, é um tipo de investimento onde você empresta dinheiro ao banco e é remunerado por isso. O capital é então direcionado a empréstimos para outros clientes, com uma taxa mais alta, o que garante os lucros das instituições financeiras.

Geralmente, os CDBs estão atrelados, de maneira pós-fixada, ao índice CDI. Isso quer dizer que você, ao aplicar, não terá certeza de quais serão exatamente os rendimentos, visto que a CDI é variável.

Os CDBs são considerados investimentos tão seguros quanto a poupança, pois ambos estão cobertos pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito). Esse fundo é mantido pelos próprios bancos com o objetivo de garantir a segurança do mercado financeiro. Em caso de quebra da instituição onde você investiu, o FGC reembolsa seus danos até o valor de R$ 250 mil por pessoa e por instituição (aí está mais um motivo para ter uma carteira diversificada).

A grande diferença entre o CDB e a poupança é mesmo a rentabilidade. Enquanto os rendimentos da poupança estão em patamares bem baixos atualmente (cerca de 8,5% ao ano), certos CDBs podem pagar até 100% da CDI (que gira em torno de 14,2%), descontado o IR.

Porém, como há desconto de IR nesse tipo de investimento, é sempre bom ficar de olho na rentabilidade líquida do CDB que você pretende contratar, para não acabar saindo no prejuízo. Bancos menores, e portanto com maior risco de quebra, costumam oferecer remunerações mais altas, com o objetivo de atraírem investidores.

Além disso, como as taxas de remuneração são negociáveis, se você for cliente antigo ou dispuser de uma quantia considerável para investir, vale a pena tentar uma negociação com o seu gerente. Assim, é possível conseguir melhores remunerações para o seu investimento.

Outras boas vantagens do CDB são a sua liquidez diária (você pode sacar seu dinheiro a qualquer momento), e a possibilidade de investir com pouco dinheiro. Certas instituições permitem a compra de um CDB por apenas 1 real.

LCI e LCA

As Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e as Letras de Crédito do Agronegócio (LCA) são títulos emitidos por bancos para o financiamento do setor imobiliário e do agronegócio, respectivamente. Por serem ambos isentos de cobrança de IR (pelo menos até o momento), esses investimentos têm ganhado destaque entre os investidores.

Tanto o LCI quanto o LCA estão cobertos pelo FGC, e as taxas de remuneração variam de acordo com a estratégia de cada instituição. Porém, esses são o tipo de investimento para quem tem “bala na agulha”, pois geralmente os bancos exigem investimentos mínimos na casa dos milhares de reais.

Ademais, a liquidez dos LCIs e LCAs é baixa. Ou seja, possuem prazos de vencimento de, no mínimo, 1 ou 2 anos. Assim, só aposte nessa opção se você tem certeza de que não necessitará do dinheiro aplicado tão cedo.

Viu só como dá para diversificar a sua estratégia de investimentos de maneira segura e rentável ainda em 2016? Quer saber mais sobre como investir dinheiro corretamente? Então não deixe de ler este artigo, que traz mais informações sobre a Letra de Crédito do Agronegócio e sobre a Letra de Crédito Imobiliário!

Deixe aqui o seu comentário

comentários

Categories
Investimentos

Relacionados