Sair do vermelho: 5 dicas simples para não se endividar

A cada dia que passa, muitos brasileiros se endividam mais, poupam menos e investem pior do que deveriam – isso quando investem. O pior de tudo é que a dívida...
sair do vermelho

A cada dia que passa, muitos brasileiros se endividam mais, poupam menos e investem pior do que deveriam – isso quando investem. O pior de tudo é que a dívida se mostra cada vez mais próxima até mesmo para pagamentos de contas básicas do mês e sair do vermelho se torna quase uma utopia.

Por esses e outros motivos, algumas pessoas despreparadas para variações financeiras acreditam que a melhor solução é uma linha de crédito das instituições financeiras. Já que podemos parcelar por anos, com valores pequenos por parcela, é muito fácil aceitarmos essa opção.

O problema é que no fim das contas, essas pessoas acabam se endividando ainda mais.

Elas não percebem no ato da contratação do empréstimo que terão de pagar o dobro ou até mesmo o triplo do que foi emprestado.

 

Dica do Primo Rico: se você está começando a investir agora, mas ainda tem algumas dúvidas, é só clicar na imagem aqui embaixo. A gente separou um material bem legal para você começar a enriquecer e sem medo 😉

E-book Investimento para iniciantes

 

De quantas pessoas estamos falando?

Para termos uma ideia da situação atual do país, a empresa Serasa Experian divulgou recentemente que estão inadimplentes 59.470.359 de pessoas, somando um valor de R$ 264,2 bilhões em dívidas.

Outro fato importante relatado pelo Banco Central é que, pelo sétimo mês seguido, a poupança teve mais saques do que depósitos, no valor líquido de R$ 160,853 bilhões, somente em julho de 2016.

Isso comprova que cada vez menos estamos gerenciando nossas despesas da forma correta e que precisamos recorrer às nossas economias e ajudas financeiras de terceiros.

 

Maiores causadores de dívidas

Os meios mais fáceis e comuns de criar dívidas e que todos já devem conhecer são:

  • Cartão de Crédito;
  • Empréstimo;
  • Cheque Especial;
  • Financiamento;

Isso quer dizer que esses quatro fatores são “inimigos” de quem tenta sair do vermelho? A resposta é não! De jeito nenhum, para ser mais claro.

O problema na verdade é que muitas vezes esses suportes financeiros são mal planejados, contratados de forma irregular e no fim, acaba prejudicando mais do que ajudando.

Existem fatores muito relevantes para a decisão de utilizar as linhas de crédito.

Para quem está nessa situação agora, temos 5 dicas para não se endividar mais e sair do vermelho de uma vez por todas.

 

Para sair do vermelho, se organize…

A organização vai te ajudar a colocar tudo em ordem e visualizar melhor sua situação.

Portanto, crie uma planilha bem simples contendo tudo:

  • O quanto você recebe: salário, rendas extras…
  • Com o que você gasta: contas básicas, serviços, lazer…
  • O que está devendo: contas a pagar, empréstimos, financiamento…
  • O tempo de dívida: dias, semanas, meses…
  • Para quem está devendo: Banco, Loja, Cartão de Crédito…

Listar os ganhos e gastos ajuda a abrir os olhos para a realidade e diagnosticar a seriedade do problema. Por isso, não se preocupe, pois isso é apenas uma fase e tem cura.

Além de planilhas, você também pode utilizar aplicativos de planejamentos financeiros no celular.

 

Faça um planejamento

Para realizar um planejamento financeiro você deve primeiro analisar: quais dos meus gastos atuais são realmente essenciais?

A escolha de um produto ou serviço que seja mais em conta do que outro é muito importante, mas o primordial é você de fato analisar se esse produto ou serviço é o que você precisa para suas necessidades.

Se não há necessidade, pense duas vezes e guarde esse valor. Se não, ficará mais difícil de sair do vermelho.

O desapego de hábitos e gastos desnecessários é fundamental. Quando é calculado o quanto seria economizado reduzindo esses gastos, geralmente resulta em um valor substancial que poderia ser poupado e rentabilizado.

Outra analise importante é: minha situação de dívida atual é de curto, médio ou longo prazo?

Se a situação for de curto ou até mesmo de curtíssimo prazo, o limite de cheque especial é muito mais adequado do que as outras linhas de crédito.

A função dele é como um “complemento rápido” do seu salário, pois assim que você receber seu pagamento já será descontado o valor devido em sua conta bancária.

Fora isso, não use essa opção, pois você provavelmente entrará numa “bola de neve” por que você sempre irá dever mais do que recebe.

Se continuar dessa maneira, talvez futuramente você fique com uma restrição em seu CPF – também chamado de “nome sujo”.

 

Mantenha o controle

Evite contrair novos empréstimos ou créditos rotativos do cartão de crédito.

Uma tática muito comum que muitos bancos fazem é no caso de um cliente ter dois ou mais empréstimos, contratar um novo empréstimo para quitar antecipadamente os outros valores emprestados.

Eles utilizam essa metodologia como uma forma de reduzir a quantidade de contratos e proporcionar uma “vantagem” para o cliente.

O problema dessa opção é que pelo valor do empréstimo ser maior – para justamente cobrir todos os outros valores menores e “unifica-los”– a quantidade de parcelas também tende a aumentar.

A taxa de juros também está em constante alteração e nesse caso, o primeiro empréstimo sairia mais barato que os próximos.

Nesse caso, estude muito bem o caso antes de solicitar um empréstimo ou o rotativo do cartão de crédito. Caso não haja outra escolha, opte por prazos curtos e pegue SOMENTE o valor necessário.

Obs.: faça compras em dinheiro de preferência.

Além de você ter um controle maior sobre o quanto está gastando, você consegue, muitas vezes, descontos por serem compras a vista. No fim do mês isso diminui as dores de cabeça, com menos boletos e faturas para pagar.

Mantenha apenas um cartão de crédito para pagamentos de altos valores e que podem ser parcelados.

Assim como o controle do orçamento, o controle emocional também é importantíssimo. Quando se trata de economia, uma coisa que tem que ser tratada como regra básica é o pensamento racional e lógico. Então não faça nenhuma compra por impulso e sem pesquisa, ok?

 

Renegocie suas pendências atuais

Outra regra básica a ser considerada é: quanto mais rápido você pagar suas dividas, menos você paga.

Além de sair do vermelho mais rápido do que o previsto.

Mas por que isso? Daremos um exemplo:

Imagine que você fez um empréstimo em 12 vezes. Nesse caso, você já deixou acordado com a instituição de que você vai utilizar esse valor por 12 meses.

Mas se você realizar a antecipação de parcelas, você estará devolvendo esse dinheiro mais rápido que o previsto. Isso ajudará a instituição financeira a emprestar esse valor novamente para outras pessoas.

Nesse caso, as taxas de juros reduzem consideravelmente, pois as parcelas mais baratas são as últimas. Antecipando seus contratos dessa maneira, você pagara menos juros e terminará com suas pendências mais rápido do que imaginava.

Se no seu orçamento final do mês sobrar um valor legal, use parte dele para poupar e outra parte para antecipar as suas pendências.

 

Crie uma reserva

“Ufa… Consegui sair do vermelho e quitar minhas dívidas. Não preciso mais me preocupar com isso”, mas infelizmente não é bem assim.

Após regularizar suas pendências, você precisa se manter sem pendências. Para isso, o hábito de poupar tem que se tornar uma rotina do seu dia-a-dia, para criar uma continuidade e maior estabilidade.

Pense que poupar não é o mesmo que “não aproveitar esse dinheiro”, mas sim deixa-lo preparado para qualquer imprevisto.

É uma forma de suprir a necessidade de recorrer às instituições financeiras para adquirir um dinheiro que você não possui ou até mesmo como complemento da sua aposentadoria.

 

Veja também: CALCULE SUA APOSENTADORIA

 

Caso você comece a receber um pagamento maior, recebeu uma Participação dos Lucros da sua empresa, adiantamento de férias ou 13º salário, economize ainda mais.

É por isso que a organização, definição de um planejamento e orçamento são essenciais.

Com isso você conseguirá definir o quanto pode ser gasto para o lazer (entorno de 35% da sua renda), o quanto deve ser separado para pagar suas despesas básicas (por volta de 50%) e o quanto deve ser guardado por precaução (por volta de 15%).

Futuramente, grande parte desse montante guardado vai servir para ser investido, o que vai te gerar rendimentos muito vantajosos. Eles te ajudarão a realizar seus sonhos e necessidades com muito mais tranquilidade.

 

Se você está ou já passou por essa situação e quiser compartilhar algo, conta aqui embaixo nos comentários e aproveite para tirar outras dúvidas.

Deixe aqui o seu comentário

comentários

Categories
Finanças Pessoais

Relacionados