7 dicas para a educação financeira dos filhos

O hábito de economizar não é uma cultura que já nasce com cada pessoa, mas uma educação que começa cedo, logo na infância. A educação financeira pode já começar...
7-dicas-para-a-educacao-financeira-dos-filhos.jpeg

O hábito de economizar não é uma cultura que já nasce com cada pessoa, mas uma educação que começa cedo, logo na infância. A educação financeira pode já começar nos primeiros anos de vida, quando são inseridos alguns hábitos e explicações que começam a desenvolver o senso de economia na criança, para que ela cresça sabendo onde e como investir o seu dinheiro.

No post de hoje, daremos algumas dicas importantes que vão ajudar na educação financeira das crianças, trazendo noções de economia, reaproveitamento, desperdício e, consequentemente, valorização do dinheiro. Acompanhe!

1. Comece cedo

Uma das principais dúvidas dos pais quanto à introdução da educação financeira junto aos filhos é sobre quando começar. A partir dos dois anos e meio, a criança já adquire noção de que o dinheiro existe, portanto, quando você perceber que essa conscientização já está chegando, é hora de começar a dar os primeiros passos.

A partir do momento em que seu filho começa a pedir para comprar itens, chegou também a hora de introduzi-lo no planejamento econômico familiar, já começando a conversar, explicar e pensar sobre a distribuição da mesada em um futuro próximo.

2. Converse sobre dinheiro

Em muitas famílias, o assunto “salário” e tudo mais que envolve dinheiro é um tabu. Porém, essa dificuldade de falar sobre valores e gastos precisa ser superada por quem deseja ter a própria economia sob controle e também ensinar aos filhos como se planejar e poupar.

Por esse motivo, conversar sobre as economias da família e criar intimidade com o dinheiro é muito importante. Quanto mais a criança tiver acesso a esse assunto, maior será seu interesse e mais natural será para ela administrar seu próprio dinheiro.

3. Dê uma mesada para ajudar na educação financeira

Por mais que o assunto seja introduzido na família, a melhor forma de a criança absorver os conceitos e transformá-los em prática é administrando seu próprio dinheiro. Para isso, a mesada é o começo ideal para trazer para a realidade o que é discutido em casa.

A mesada deve sempre acompanhar as necessidades e o estilo de vida da criança. Os menores não precisam de muito dinheiro, enquanto as crianças e pré-adolescentes já podem ter necessidades e desejos mais caros. Jogos de videogame, dinheiro para o cinema e para fazer um lanche com os amigos estão entre elas.

Faça uma conta média de quanto seu filho gasta por mês e estabeleça um valor fixo. Deixe claro que a quantia deve durar os 30 dias e, se acabar antes, ele deverá arcar com as consequências, desistindo de sair ou deixando de comprar algo que deseja.

4. Ajude na organização

Além de conversar sobre o assunto e dar uma mesada para a criança, é preciso ajudá-la a dar os primeiros passos para saber quanto ela tem, quanto pode gastar e quanto é melhor poupar.

Para isso, apresente a elas alguns aplicativos de planejamento financeiro: alguns são até divertidos e especialmente desenvolvidos para as crianças, como o Banco da Criança, que incentiva e ensina de uma maneira divertida.

A organização é fundamental para uma economia de sucesso, portanto, criar o hábito de anotar os gastos e de poupar dinheiro, sabendo quanto você gasta todo mês, é um indício de que a criança terá sucesso nas suas economias futuras.

5. Use a criatividade para ensinar sobre reaproveitamento

Em tempos em que a diversidade de brinquedos e itens eletrônicos é cada vez maior, tornar um item obsoleto muito depressa se transformou em hábito. As crianças querem substituir seus celulares, tablets e brinquedos pelas versões atualizadas, muitas vezes sem ter noção do consumo consciente e da real necessidade dessa substituição.

É importante trazer para casa a ideia de que é preciso pensar antes de consumir e substituir as coisas. Por exemplo, por que em vez de jogar livros, brinquedos e roupas no lixo, não doá-los a uma instituição? Ou simplesmente esperar um ano a mais para trocar o aparelho telefônico, utilizando-o até quando for possível?

Essas ações podem ajudar o próximo e ainda impedir que um aparelho eletrônico que ainda esteja em bom funcionamento vá para o lixo.

6. Ensine sobre necessidade x vontade

A grande variedade de itens de consumo no mercado ainda confunde a mente dos adultos sobre o que é necessidade e o que é simplesmente uma vontade de comprar. Então, você pode imaginar o que essa variedade pode causar nas crianças, com estímulos diversos que trazem à tona a vontade de ter.

Por isso, é importante saber ensinar seu filho a entender suas reais necessidades e separá-las daquilo que ele simplesmente tem vontade de ter. É claro que as crianças podem comprar um brinquedo que queiram, mas isso não deve ser um hábito que, inclusive, pode causar problemas como o consumismo desenfreado na idade adulta.

Quando a criança ficar em dúvida sobre comprar ou não um item na loja, estimule-a perguntando se ela realmente acha que o objeto será útil na vida dela, pergunte se ela pode comprar com o dinheiro da mesada ou se ela vai ficar sem o que poupar no mês para comprar.

Estimular a reflexão na criança é importante para evitar que ela aja por impulso e também para que adquira o hábito de parar para pensar antes de fazer qualquer compra.

7. Dê o exemplo

Por último, é essencial que você dê o exemplo em casa. A organização e a contenção de gastos deve ser um hábito familiar, pois as crianças absorvem muito mais o exemplo das pessoas com quem convivem diariamente do que apenas ouvindo teorias. Organize-se, planeje-se e poupe para que seu filho possa ver em você um exemplo a ser seguido.

A educação financeira na infância é o segredo do sucesso na fase adulta. Quando adquirimos hábitos desde pequenos, a tendência é que eles se estendam para a adolescência e para a fase adulta, portanto, criar o senso de poupar e de gastar com consciência nos primeiros anos de vida pode ser uma grande ajuda para que seu filho cresça usando o dinheiro com responsabilidade.

Nosso conteúdo ajudou você a tirar algumas dúvidas sobre a educação financeira na infância? Se você deseja ficar por dentro de todos os assuntos relacionados à economia e consciência financeira, curta a nossa página no Facebook e fique sempre atualizado!

Deixe aqui o seu comentário

comentários

Categories
Finanças Pessoais

Relacionados