5 erros que você não pode cometer com seu dinheiro! – Para famílias e empresas

Muitas vezes, no decorrer da nossa vida, nos deparamos com situações em que erramos e prejudicamos a nossa vida de algum jeito. Às vezes, porém, o erro é tão...
5-erros

Muitas vezes, no decorrer da nossa vida, nos deparamos com situações em que erramos e prejudicamos a nossa vida de algum jeito. Às vezes, porém, o erro é tão desastroso que pode simplesmente acabar com todas as nossas economias.

Pensando nisso, listamos 5 erros completamente desastrosos que PRECISAM ser evitados caso quisermos driblar os problemas que a vida nos dá.

Inclusive, estes erros não afetam apenas pessoas comuns mas também podem afetar os empresários e suas empresas, o que pode tornar o artigo muito interessante para os primos que abriram o seu próprio negócio!

 

1)  Não fazer levantamentos

Um dos erros que muitas vezes ocorrem nas empresas, é o fato de que muitos empreendedores acabam por não fazer levantamentos da maneira correta sobre diversos pontos fundamentais do funcionamento de sua empresa.

Muitos pequenos empresários, por exemplo, trocam o cálculo do lucro esperado pelo famoso “acho que vai dar certo”, e isso pode ser simplesmente uma forma muito ruim, afinal, você vai estar tateando no escuro!

Um empresário não pode abrir mão dos cálculos, dos levantamentos, do benchmark e da pesquisa de mercado!

O empresário precisa disso tudo assim como uma família precisa de cálculos para avaliar se os seus custos vão exceder ou não sua renda, ou se o tanto que parcelou no cartão vai impactar muito nas finanças futuras ou não.

Lembro que os itens podem e deverão ser diferentes comparando empresa e família, já que, enquanto a família se limitará a sua planilha de gastos mensais e futuros, a empresa tem cálculos de lucratividade e reinvestimento para fazer.

Mas, ainda assim, o mindset não muda: é necessário que se tome os devidos cuidados sobre a situação financeira atual da empresa e/ou família caso não queira ser surpreendido no futuro com escolhas que se demonstraram irreais.

Caso o primo que não tenha uma empresa ainda tenha dúvidas de como fazer seu orçamento familiar, convido-o a ver este artigo do blog Clube do Valor, onde é dado um passo a passo bem simples sobre o que levar em conta na hora de levantar todas as informações!

 

2)  Não acompanhar a gestão de um terceiro sob o seu patrimônio

Esse erro vemos acontecer muito tanto com empresas quanto com as famílias.

Com as famílias, é super comum vermos isso na relação cliente/banco.

Muitas pessoas que hoje investem pelo banco, quando deixam o banco escolher aplicações para este, mal sabem as características dos investimentos do qual seu dinheiro está aplicado, e realmente não se importam tanto, o que é um erro enorme de se cometer.

Há casos  onde o banco acabou investindo o dinheiro do cliente em um fundo multimercado e o cliente só teve ciência dos riscos da aplicação quando viu seu dinheiro ter um rendimento negativo.

Ter a ciência de onde o seu dinheiro está investido e conhecer a aplicação são fundamentais para ver se isso está sendo benéfico para você ou não.

Já para as empresas, podemos ver isso acontecer principalmente no que se refere ao transporte corporativo.

Muitas empresas acabam cedendo um veículo ao funcionário e esse funcionário usa o carro de maneira indevida. Não é difícil achar situações que beiram o ridículo, como funcionário indo para balada com o carro da empresa.

Isso pode gerar um ônus ao empregador, e, por isso, é extremamente necessário que o empregador saiba gerenciar os recursos que entrega na mão de seus funcionários! Isso pode gerar um grande diferencial na economia da empresa.

 

3)  Falta de comunicação na hora de tomar decisões

A falta de comunicação é sempre um problema nas relações humanas. Para a empresa, uma falta de comunicação pode resultar, além dos famosos “telefones sem fios”,  em casos onde decisões podem ser feitas com base em pressupostos errados.

Imagine que, por exemplo, um defeito em uma máquina dentro de uma indústria esteja afetando a produtividade do negócio. Se não houver uma comunicação entre patrão e empregado, o patrão pode entender que o problema está no funcionário e tomar decisões que, num geral, podem prejudicar o relacionamento dele com seus empregados, como o próprio caso da demissão injusta,

Já nas famílias, isso ocorre principalmente na falta de conversa entre casais.

Podemos pegar como exemplo um casal que compartilha de uma conta conjunta para o casal, mas que não consegue estabelecer uma comunicação sobre quais valores podem ser gastos livremente e quais valores são necessários para pagar as contas.

Isso pode causar um transtorno muito grande aos dois, pois, imagine que você precisa de um dinheiro para pagar uma conta, mas, ao visualizar a conta no banco, viu que o dinheiro foi usado para outro fim? São problemas que são enfrentados por casais e que se derivam da falta de uma comunicação presente entre as duas partes.

Estar atento a isso e sempre se manter transparente com seu parceiro, mantendo-o sempre informado, é uma das chaves para a harmonia financeira!

Da mesma forma, uma comunicação ativa com todos os funcionários de sua empresa é de grande valia para entender o que está ruim e o que pode ser melhorado, além de adquirir um relacionamento muito bom para o ambiente da empresa!

 

4)  Não compreender o fluxo de suas finanças

Um problema que ocorre em especial com as empresas, visto que o problema é recorrente em empresas pequenas.

Nelas há uma falta de noção sobre as perspectivas do seu fluxo de caixa. Inclusive muitos empresários, por não entenderem isso, acabam muitas vezes adquirindo dívidas bancárias maiores do que suas possibilidades de cumprir o pagamento.

Essa realidade acontece não só para as empresas, mas como também, infelizmente, ocorre com as famílias.

Não é difícil de se ver famílias que acabam gastando mais do que a sua renda mensal permite e acabam entrando em dívidas perigosas, como o rotativo do cartão.

São muitas vezes juros altos que são pagos sem nenhuma necessidade, e que poderiam ser evitados.

Por isso mesmo, ENTENDA como funciona o fluxo da sua renda. Entenda para onde vai, os dias que vão, se esse fluxo permite que se adquira coisas adicionais, enfim, entenda sua situação financeira para entender até onde suas dívidas podem chegar, SE elas devem chegar.

 

5)   Não separar os gastos de forma coerente

Uma vez que se faça levantamentos, se torna muito importante que a separação destes levantamentos seja feita de forma eficiente.

Não dá para juntar todo o lucro de uma empresa num valor só e não especificar valores para reinvestimento e renda do empresário do negócio, assim como é errado não separar os custos fixos dos custos variáveis.

Se torna necessário, então, que os gastos sejam direcionados já diretamente na planilha dos levantamentos, para evitar erros e distorções para aquilo que foi definido primariamente.

E isso serve também para as famílias.

Se a família não separar os custos essenciais dos supérfluos, por exemplo, e juntar tudo num valor só, caso esse custo exceda a renda, ela pode ter todo um trabalho se reorganizar e decidir onde poupar para o próximo mês.

Insistir em erros bobos como a falta de noção com os valores gastos sempre levam, na maioria das vezes, a grandes dívidas. E isso não é o que queremos, certo? :)

 

Espero que o artigo tenha ajudado vocês primos, e até a próxima!

Deixe aqui o seu comentário

comentários

Categories
Finanças Pessoais

Relacionados