Categoria: Investimentos

Como investir para começar a viver de renda?

Praticamente todo mundo na face da terra quer, algum dia, viver de renda. Ver um dinheiro cair na nossa conta corrente todo mês sem precisarmos fazer nada é um sonho.

A boa notícia é que o sonho de viver de renda não é impossível, pelo contrário. Agora, a má notícia é: poucas pessoas sabem como fazer isso.

Como eu posso investir hoje pra colher renda amanhã?

A resposta, na maioria das vezes, é óbvia: deve-se procurar por ativos geradores de renda.

Porém, a resposta não é tão óbvia quanto parece. A estratégia do começo das aplicações deve ser diferente da estratégia final que você vai usar, mas muitas pessoas não percebem isso.

Por isso, no artigo de hoje eu te explicarei não apenas como é possível viver de renda, como também o que você deve evitar para chegar lá!

Porém, antes de começar, preciso te fazer entender exatamente qual o problema da estratégia atual que é propagada pelas pessoas sobre viver de renda.

 

O problema com o que é ensinado sobre viver de renda

 

Se você já deu alguma olhada em outros artigos sobre viver de renda fora este aqui, você provavelmente já sabe: muito se fala sobre ativos geradores de renda.

Geralmente, é falado sobre duas opções principais: ações que geram bastante dividendos (um repasse de lucros que uma empresa faz como forma de retorno aos seus acionistas) e fundos imobiliários. Ainda pode ser mencionado a renda fixa e algumas outras opções, como tesouro direto com juros semestrais, mas num geral, o maior destaque fica com os dividendos e os FIIs (ainda mais na situação que estamos, com juros baixos na renda fixa).

Por incrível que pareça, isso é um erro.

Mas não me entendam mal: realmente essas opções são boas opções para se viver de renda. O problema é que elas são apresentadas no tempo errado.

Nós geralmente procuramos sobre viver de renda quando, na realidade, temos pouco capital para investir. A maior parte das pessoas que querem entender como viver de renda tem pouco dinheiro mas quer usar os investimentos como um complemento de renda que, no futuro, irá pagar todas as suas contas.

Só que ativos que geram renda só começam a gerar impactos maiores quando você já tem um patrimônio considerável. Antes disso, o impacto é muito pequeno, e focar a sua carteira para receber proventos (lembrando que dividendos são um tipo de provento) quando você ainda quer crescer o seu patrimônio não vai ser eficiente e vai te custar tempo.

Para ficar claro, vamos a um exemplo:

No dia 12/12/2018, a Itaúsa pagou um Juros Sobre Capital Próprio (JSCP) de R$0,006885 por ação.

Ou seja, se você tem 100 ações de Itaúsa, que pelo preço do dia 15 de janeiro daria R$1.291 reais investidos (R$12,91 a unidade), você ganharia somente 69 centavos em proventos (já líquidos do imposto de 15%).

Considerando ainda que a Itaúsa paga trimestralmente dividendos, você demoraria quase 5 anos só para conseguir comprar mais 1 ação de Itaúsa (pelo mesmo preço de R$12,91) se o repasse se mantivesse constante e considerando apenas o ganho em proventos.

Com isso, fica claro: o repasse de dividendos, com pouco dinheiro, é muito baixo. Para quem investe pouco, os proventos vão demorar muito para surtir algum efeito.

 

A estratégia correta para quem tem pouco dinheiro

 

Se os proventos só começam a surtir efeito quando você já tem um patrimônio considerável, a solução se torna fácil: precisamos, primeiro, crescer o nosso patrimônio.

Você pode fazer isso de diversas formas diferentes: CDBs, LCIs, debêntures, etc. (clique nos nomes que você será redirecionado para um vídeo que explicar melhor sobre estas opções)

Mas como estamos falando sobre ações nesse artigo, vale mencionar uma coisa:

Ao invés de procurar por ações que pagam constantemente bons proventos, procure por ações que tenham um bom potencial de crescimento. O seu ganho será muito maior nas empresas que podem duplicar de tamanho mais rapidamente por estarem em um crescimento enorme do que naquelas que pagam bons dividendos, mas que já são bem grandes.

Um exemplo dessa relação, por exemplo, é Itaú e Banco Inter.

Itaú é um banco já bem consolidado no Brasil, que paga bons dividendos, mas que já cresceu muito e, por isso, a probabilidade dele duplicar (ou mais) de tamanho não é tão grande.

Já o Banco Inter é o contrário: é um banco que vem crescendo muito sua presença no país, e, por estar em constante crescimento, a sua capacidade de duplicar de tamanho é muito maior do que do Itaú.

Obs: essa não é uma recomendação de compra. O Banco Inter é um exemplo, e a menção sobre ele não significa que o Banco Inter, hoje, é uma boa opção de compra.

Aí sim, uma vez com mais dinheiro para investir, você já pode ir adaptando a sua carteira de investimentos para ações e investimentos que são bons geradores de renda.

Caso você não saiba como começar a investir em ações, clique aqui.

De qualquer forma, se você já tem um patrimônio suficiente e quer começar a montar uma carteira pensando em renda, a aplicação que você deve dar destaque são justamente os fundos imobiliários.

Os fundos imobiliários (FIIs) além de gerarem proventos todos os meses, os proventos gerados são isentos de imposto de renda, se tornando assim um benefício muito interessante pro investidor.

Ações que repassam dividendos também são ótimas opções, mas cuidado, pois a periodicidade de repasse de dividendos pode ser feito trimestralmente, semestralmente, etc. Cada ação tem um período correto, e, como você precisaria de renda todos os meses, é importante tomar cuidado para acabar não se prejudicando no futuro.

E caso você queira também entender melhor como funcionam os fundos imobiliários para viver de renda, você pode assistir a um vídeo do primo clicando aqui.

Chegamos ao fim de mais um artigo! Não esqueça de seguir o primo no youtube e no instagram.

Até a próxima!

Como descobrir a taxa do CDI hoje e calcular o retorno dos seus investimentos

taxa_do_CDI_hoje

A taxa do CDI hoje (e desde muito tempo) é uma das taxas mais importantes do mercado financeiro. Não à toa, a taxa do CDI hoje norteia e serve como comparativo para muitos investimentos, principalmente na renda fixa.

Mas, apesar de ser tão importante, ela ainda pode representar problemas para os investidores iniciantes. Isso por dois motivos:

  • Os investimentos que usam o CDI como benchmark não utilizam a taxa do CDI na sua “taxa bruta”, o que pode confundir.
  • Uma boa parte dos investidores iniciantes não tem ideia de onde encontrar fontes confiáveis para saber a taxa do CDI hoje.

Por isso, o artigo de hoje tem como objetivo te ajudar, independente se você é iniciante ou não, a entender onde você pode encontrar uma fonte confiável para a taxa do CDI hoje e como usar ela para calcular a rentabilidade dos seus investimentos.

Porém, primeiro, vale a pena explicar o que raios é, de fato, o CDI.

O que é o CDI?

O CDI é uma sigla para “Certificado de Depósitos Bancários”. Basicamente, os CDIs são títulos negociados entre os próprios bancos, com a finalidade de servir como solução para que os bancos consigam equilibrar suas contas diariamente, já que eles precisam zerar os saldos de suas operações com o Banco Central todos os dias.

Dos CDIs, nós extraímos uma taxa conhecida como taxa DI, sendo esta uma taxa de juros média utilizada nas negociações por meio dos CDIs.

Onde posso encontrar a taxa do CDI hoje?

Aqui resolvemos o primeiro problema.

Existe sempre uma dúvida relacionada a encontrar sites e blogs confiáveis para encontrar a taxa do CDI hoje.

O mais confiável é o site da B3, antiga BM&F Bovespa. Vale lembrar aqui que, antes da fusão da BM&F com a CETIP (fusão que fez surgir a B3), a taxa do CDI (ou taxa DI) podia ser encontrada no site da CETIP. Com a fusão das duas, agora a divulgação da taxa passou a ser da B3.

Mas, outros sites são úteis ser mencionados, como o site da Abacus Liquid e o site da Infomoney, por possuírem dados históricos e dados de outras taxas importantes ao mercado, respectivamente.

Mas por que a taxa do CDI hoje é importante para compararmos investimentos?

O raciocínio é simples: se entre os bancos eles emprestam juros a uma taxa X, por que você deveria aceitar emprestar dinheiro em forma de investimento a uma taxa muito menor que esta taxa?

É justamente por isso que o CDI é uma forma interessante para compararmos investimentos. Se o Banco empresta dinheiro para um outro banco a uma taxa de 5% ao ano, não faria sentido você também realizar este empréstimo (por meio de um CDB, por exemplo) por uma taxa de 2% ao ano.

E qual a melhor forma de fazer essa comparação?

Em si, o cálculo de um investimento que tem um rendimento atrelado ao CDI não é tão simples quanto parece. Isso porque os rendimentos são demonstrados em porcentagem do CDI.

Podemos conferir alguns exemplos na imagem a seguir:

Imagem retirada da plataforma de investimentos Rico.com.vc

Por isso, para podermos fazer uma comparação assertiva e até mesmo calcular o rendimento de um investimento, precisamos fazer o seguinte passo-a-passo:

  • Pegar o rendimento do investimento do qual queremos calcular;
  • Verificar o quanto está a taxa do CDI hoje;
  • Utilizar a taxa do CDI hoje como base para ver o rendimento bruto da aplicação;
  • A partir desse rendimento bruto, calcular via HP12C ou Excel o valor ao final da aplicação;
  • Descontar o Imposto de Renda ao final.

Para ficar claro, vamos a um exemplo seguindo o passo-a-passo informado:

1) Pegar o rendimento do investimento do qual queremos calcular

Para esse passo, irei utilizar o CDB do Banco Sofisa, de 107% do CDI, da imagem mostrada anteriormente;

2) Verificar o quanto está a taxa do CDI Hoje

Atualmente, está em 6,40% do CDI, utilizando o site da B3 como referência.

3) Utilizar a taxa do CDI hoje como base para ver o rendimento bruto da aplicação

Como a aplicação é de 107% do CDI, temos que verificar o quanto isso seria transformados em uma taxa de juros numérica. Por lógica, sabemos que 6,40% do CDI é igual a 100% do CDI. Então, basta fazer a regra de 3:

6,40% – 100% CDI

X – 107% CDI

100x = 6,40*107

x = 684,8 / 100

x = 6,848% a.a.

Logo, concluímos que 107% é o mesmo que uma taxa de 6,85% a.a. (arredondando).

4) A partir desse rendimento bruto, calcular via HP12C ou Excel o valor ao final da aplicação

Deixarei para a explicação de como usar a HP12C em outro artigo. Nesta, focarei no excel.

Para calcular o rendimento, precisaremos das seguintes informações:

  • Valor inicial aplicado;
  • Valor mensal aplicado;
  • Tempo de investimento;
  • Rendimento.

As informações do tempo de investimento e o rendimento já foram fornecidos a nós na imagem dos exemplos de CDB. O CDB do Banco Sofisa rende 107% por um período de 1 ano. Para o cálculo, não irei considerar que haja investimento mensal (lembrando que, nesse caso, a taxa devia ser transformada em uma taxa mensal, o que deixarei para explicar também em outro artigo), e que o investimento inicial foi de R$5.000,00.

Nesse caso, só precisamos aplicar essas informações na fórmula VF (ou FV em inglês).

A estrutura da fórmula é esta: =VF(rendimento;tempo;valor mensal;valor inicial;0)

Logo, o nosso exemplo ficaria como na imagem abaixo:

E, como resultado final, temos um valor final de investimento de R$5.342,50.

Agora, podemos ir para o último passo para calcular um investimento com base na taxa do CDI hoje.

5) Descontar o imposto de renda ao final

Para descontar o imposto de renda, primeiro precisamos entender qual o valor dele.

No caso da maioria das aplicações de renda fixa, o IR funciona da seguinte forma:

  • Até 180 dias = alíquota de 22,5%
  • De 181 a 360 dias = alíquota de 20%
  • De 361 a 720 dias = alíquota de 17,5%
  • Acima de 720 dias = alíquota de 15%

Sabendo que o CDB usado como exemplo tem 365 dias até o vencimento, usaremos a alíquota de 17,5%.

Com isso em mente, basta retirar 17,5% de R$342,50 (que foi o nosso lucro no período). Podemos fazer isso pelo seguinte cálculo:

V = 342,50 – (342,50*0,175)

V = 342,50 – 59,94

V = R$282,56

Logo, o nosso valor final líquido de investimento, retirando o imposto de renda, foi de R$5.282,56, onde 282,56 foi nosso lucro líquido.

Com o fim desses 5 passos, agora você está pronto não só para entender o que é o CDI como também está preparado para verificar a taxa do CDI hoje e fazer simulações dos seus investimentos.

Não esqueça de acompanhar as redes sociais do primo no instagram e no Youtube, e espero que tenha gostado do artigo de hoje.

Até a próxima!

Como identificar empresas com vantagem competitiva de longo prazo?

empresas_longo_prazo

Warren Buffett decidiu estudar as demonstrações financeiras das empresas bem-sucedidas a fim de entender o que as tornava investimentos de longo prazo tão fantásticos. No livro Warren Buffett e a análise de balanços, verificamos técnicas utilizadas pelo investidor, que nos auxiliam a identificar empresas que possuem vantagem competitiva durável, com potencial de geração de riqueza no longo prazo.

Para avaliar a aplicabilidade das técnicas de Buffett, utilizamos a Companhia de Bebidas das Américas – Ambev (ABEV3) como estudo de caso, por ser uma das mais importantes empresas do mercado nacional.

Saiba mais

Saiba em que investimentos apostar com a SELIC baixa

queda_selic

A taxa de juros caiu mais uma vez, e agora, onde investir com a Selic baixa?

A Selic (Sistema Especial de Liquidação e Custódia) é conhecida como a taxa de juros básica da economia brasileira. Isso significa que se ela sobe, todos os juros sobem junto — o que é ótimo para quem investe e péssimo para quem precisa de empréstimos.

A taxa é regulamentada pelo COPOM (Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil), que faz uma reunião a cada 45 dias para decidir se a taxa vai subir ou descer.

Saiba mais

Como a crise política influencia seus investimentos

crise_politica_investimentos

 

O cenário político do Brasil está dando de dez a zero nas séries mais badaladas do momento! A cada dia, uma nova revelação é capaz de estremecer toda a estrutura política do país, jogando o futuro em um terreno de instabilidade.

Com a crise política acentuada, há pouca previsibilidade em vista, fazendo a economia flutuar nesse mar de incertezas. E é nessa onda de pessimismo que muita gente embarca, preocupados com o rendimento das aplicações.

Saiba mais