Plano de previdência privada: o que comparar para escolher o ideal

A ideia de se aposentar sem ter que se preocupar com as dificuldades financeiras tem martelado a cabeça de muita gente. E o que elas têm feito para garantir...
Closeup of senior woman relaxing at home

A ideia de se aposentar sem ter que se preocupar com as dificuldades financeiras tem martelado a cabeça de muita gente. E o que elas têm feito para garantir uma vida mais tranquila na melhor idade?

Elas têm segurado os gastos todo mês e separado uma graninha para um plano de previdência privada. Assim, estas quantias acabam servindo para complementar o dinheiro disponibilizado pela previdência social do INSS.

Mas não é simplesmente ir ao banco, falar com o gerente e acabar com o problema. O interessado deve se planejar para não fazer nenhuma besteira com seu dinheiro suado. É preciso entender as opções disponíveis.

Existem dois tipos de plano de previdência, o PGBL e o VGBL. Depois de escolher entre eles, é preciso definir como incluir o pagamento no imposto de renda. Para isso, existem duas tabelas diferentes, a regressiva e a progressiva. E, por último, não podemos esquecer das taxas de carregamento e administração e dos riscos associados à rentabilidade.

Muita coisa, né? Mas fique calmo! Vamos devagar, combinado?

PGBL ou VGBL?

O PGBL é mais indicado para quem atualmente faz a declaração de imposto de renda pelo modelo completo. Desse jeito, dá para diminuir em até 12% sua base tributável com o dinheiro que você guarda lá. No entanto, quando você estiver bem velhinho e for iniciar os resgates, vai ter que pagar o imposto de renda sobre o total.

O ponto positivo deste tipo é que você pode evitar uma alíquota de 27,5% de IR hoje, capitalizar o dinheiro e resgatar com uma alíquota menor no futuro. No longo prazo, essa atitude gera uma economia enorme.

Já o VGBL é diferente. Ele não dá desconto nenhum no IR hoje, mas na hora de resgatar os valores lá na frente, só é preciso se preocupar de pagar o imposto sobre o que ganhou com os juros. A pancada é bem menor, mas escolher entre PGBL ou VGBL é muito pessoal. Não há uma regra, nem uma fórmula mágica que funcione para todo mundo.

Tabela regressiva ou tabela progressiva?

O segundo passo é definir como será descontado seu imposto de renda. A tabela regressiva começa a tributar seus ganhos em 35% e vai diminuindo 5% a cada 2 anos. O resultado? Se você deixar o dinheiro investido por mais de 10 anos, você paga apenas 10%. Por isso, só escolha a regressiva se a sua intenção for deixar o dinheiro por, pelo menos, 5 anos.

A tabela progressiva tem as mesmas regras do IRPF, que vão desde isento a 27,5% da renda. Nela, os valores ainda podem ser recuperados na declaração anual, o que não é possível pela tabela regressiva. Mas essa escolha não precisa ser definitiva. Se escolher a progressiva, pode mudar para a regressiva. Entretanto, se escolher a regressiva, já era. Não tem como voltar para a progressiva. Cuidado com isso, ok?

Taxa de carregamento e de administração

Quanto mais dinheiro você puder depositar por mês, mais fácil fica para economizar com a taxa de carregamento, que é descontada de todo depósito. Talvez no início seja mais difícil, mas converse direitinho na hora de assinar o plano e negocie bastante.

A taxa de administração é paga para a instituição gerenciar seu fundo de previdência. Você pode fazer a migração gratuita para um plano mais econômico com o tempo. A regra aqui é: quanto mais dinheiro guardado, menos se paga de taxa de administração.

Risco e rentabilidade

Em qualquer investimento, há riscos. Quanto maior for o risco, maior o resultado, seja de ganhos ou de perdas. Até 49% do valor do fundo pode ser aplicado em bolsa de valores. Isso pode trazer mais ganhos no longo prazo, mas não no curto. Por isso, muito cuidado aqui! Se não gosta de correr riscos, procure planos mais conservadores.

A decisão de programar a aposentadoria para garantir uma vida melhor na velhice está muito ligada a um plano de previdência privada. Comece a pensar nisso e procure um profissional qualificado para te ajudar. Nada de brincar quando o assunto for dinheiro, certo?

E aí, gostou do post? Quer entender algo melhor? Diz pra gente aqui nos comentários, ok?

Deixe aqui o seu comentário

comentários

Categories
Escolhendo a PrevidênciaPrevidência Privada

Relacionados