Como declarar a previdência privada de maneira correta no IR

A cada ano que passa, os investimentos em previdência privada são buscados por quem pensa no futuro e quer conseguir alguma vantagem financeira com um investimento seguro. Só que...

A cada ano que passa, os investimentos em previdência privada são buscados por quem pensa no futuro e quer conseguir alguma vantagem financeira com um investimento seguro. Só que a maneira correta de apresentar as informações para a Receita Federal depende do tipo de previdência. Se é PGBL é de um jeito e se é VGBL é de outro.

Como declarar tudo certinho e sem erro? Descubra no nosso artigo!

Como declarar o VGBL no seu imposto de renda?

Dentro do programa, você deve preencher os valores de VGBL na ficha de Bens e Direitos, escolhendo o código VGBL. Mas apenas devem ser colocados os valores das contribuições que foram realizadas no ano com seus valores brutos, ou seja, sem qualquer rendimento que tenha sido ganho.

Vamos imaginar que você esteja preparando o terreno para sua aposentadoria e já vem guardando dinheiro no VGBL faz um tempinho e que, em 2014, você tenha guardado R$10 mil. Se no ano passado você tiver guardado mais R$12 mil e tiver ganho juros de R$2 mil, você teria R$24 mil ao todo.

Considerando esta situação, mesmo tendo o valor de R$24 mil no banco que administra sua grana, você deverá registrar o saldo inicial em 2015 de R$10 mil e o saldo no fim do ano de R$22 mil. Mas essa situação é só se você deixar sua grana sem qualquer resgate. Os rendimentos não são declarados, pois ainda não foram sacados.

Realização de resgate durante o ano

Neste caso, se você sacou, por exemplo, R$5 mil do total, ele deve dar baixa do valor sacado, diminuindo os R$5 mil do total das contribuições, que é R$22 mil. O valor a ser lançado seria de R$17 mil ao final do ano.

Com relação ao imposto de renda, os R$5 mil resgatados ficariam perdidos? Não.

A parcela que você tiver sacado terá uma parte de rendimentos, eles já virão líquidos de IR e é aqui que há algo que precisa de um cuidado especial na hora do registro. Esses valores deverão ser inseridos na ficha Rendimentos Tributáveis Recebidos de Pessoa Jurídica, de acordo com as informações da instituição que gerencia o seu fundo. Mas só se a sua tabela for a progressiva.

Tabela regressiva

Mas se sua previdência privada estiver na tabela regressiva, não há possibilidade de recuperação dos valores retidos de IR e esses valores devem ser preenchidos na ficha Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva. É, meu amigo, muito cuidado para não preencher nada errado!

Como planejar sua previdência privada desde o início?

Se você souber planejar direitinho como guardar sua grana, poderá retirar os valores da tabela regressiva, por exemplo, com uma alíquota de imposto de 10%, que é a menor, em vez de 27,5%. Mas sua grana deve estar nesta tabela e ficar guardada, no mínimo, por 10 anos. Com isso, você terá o máximo dos benefícios.

Como declarar o PGBL no seu imposto de renda?

O PGBL, o Fapi ou os planos fechados de previdência privada devem ser preenchidos na ficha Pagamentos Efetuados de acordo com o código respectivo a PGBL, Fapi ou plano fechado. Neste caso, o benefício fiscal poderá ser utilizado se a sua declaração for feita no modelo completo. Quando você lançar estes valores na sua declaração, o próprio programa já fará as deduções e informará que você tem o limite de 12% dos ganhos brutos no ano como limite.

Vamos verificar um exemplo simples: você ganha R$100 mil reais por ano e resolve fazer um PGBL. Assim, deve ter como limite o valor de R$12 mil para aportar no PGBL.

Você pode até guardar mais grana que isso, mas o limite de dedução será 12%. Essa economia fará sua base de cálculo cair para R$88 mil. Dependendo do caso, isso pode fazer sua alíquota até ser reduzida, como de 27,5% para 22,5%. Isso é economia real e mais dinheiro no seu bolso com a restituição.

Resgates

Como ele dá benefícios sobre o total investido, no momento do resgate o valor total também deve ser informado, seguindo os mesmos critérios do VGBL com relação às tabelas. Se você está na tabela progressiva, o valor vai para a ficha de Rendimentos Tributáveis Recebidos de Pessoas Jurídicas.

Caso você tenha deixado sua grana para a tabela regressiva tributar, os valores devem ser preenchidos na ficha Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva. No PGBL, o imposto de renda impacta o valor total do resgate e, diferente do VGBL, afeta todo o seu dinheiro guardado.

Mas lembre-se: isso não é uma penalização, pois você já teve o benefício de pagar menos impostos quando fez a economia e teve o abatimento de até 12% da sua base de cálculo. De novo, é muito importante o planejamento na hora de definir o seu plano e não fazer nenhuma besteira com seus investimentos.

Informações importantes

Você não precisará se preocupar em acertar os valores na declaração, pois como nada foi declarado em Bens e Direitos, não precisará dar baixa em nada. Nas duas alternativas, os dados da instituição pagadora devem ser informados de acordo com as informações que você receber. Guarde os comprovantes de todas as operações por, pelo menos, 5 anos depois de enviar a declaração, pois se sua declaração cair em malha fina, você terá que apresentar toda a documentação.

Como pagar menos imposto em qualquer modalidade?

A realidade de cada um deve ser avaliada. Você não tem nem o mesmo salário nem os mesmos planos ou a mesma estrutura familiar que o seu colega.

É fundamental que você procure por um profissional que manje tudo de previdência privada, mostre a sua realidade para ele e, depois disso, ele poderá indicar qual é o melhor plano e a melhor tabela de tributação que deverá ser enquadrado. Não deixe a falta de planos arruinar seus investimentos na previdência privada. A decisão de guardar dinheiro lá no futuro deve ser motivo de orgulho e não de arrependimento.

Quer saber mais sobre previdência privada? Deixe um comentário com a sua opinião sobre o assunto e até o próximo post!

Deixe aqui o seu comentário

comentários

Categories
Previdência Privada

Relacionados