As 8 Taxas na Previdência Privada que todo investidor precisa conhecer

Existem 3 taxas complexas que eu garanto que você nunca ouviu falar em uma previdência privada. Porem, saiba que você já está ciente, segundo o contrato que assinou ao...
Taxas da Previdência
Taxas da Previdência

Existem 3 taxas complexas que eu garanto que você nunca ouviu falar em uma previdência privada. Porem, saiba que você já está ciente, segundo o contrato que assinou ao abrir seu plano! Acredita? Saiba aqui:

 

1 PGBL x VGBL

O PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) é um tipo de previdência mais indicado para aqueles que já fazem a declaração de Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) pelo modelo completo, pois com ele, poderá ser feita a dedução de até 12% de sua base tributável. Assim, é só calcular o valor de sua renda bruta anual, aplicar 12% e você terá o valor ideal que deve ser aplicado para que, além de contribuir com sua aposentadoria, possa pagar menos imposto no curto prazo.

O VGBL, por outro lado, não permite que seja feito tal abatimento, porém é mais indicado para quem pensa no longo prazo, já que ao final do plano existe a necessidade de pagamento de IRPF somente sobre os valores auferidos, diferente do PGBL, que paga o imposto sobre o montante total investido.

 

2 Tabela Progressiva x Regressiva

A melhor opção para o longo prazo costuma ser a tabela regressiva, pois com o passar dos anos, ela diminui sua alíquota de imposto de renda. Se você fosse resgatar sua previdência um dia após tê-la feito, você pagaria 35% de imposto nessa opção. Porem, a cada 2 anos você diminui sua aliquota em 5%, chegando aos incríveis 10% de imposto depois de 10 anos.

Já na tabela Progressiva, ela será somada com sua base de cálculo, e entrará na mesma tabela de imposto do IRPF, chegando até 27,5% se o montante resgatado for muito grande. Se o seu objetivo é investir no longo prazo, provavelmente vai ter um belo montante aplicado. A tabela regressiva pode te ajudar a pagar menos imposto se o objetivo for alcançado.

 

3 Taxa de Administração

Parece óbvio, mas nem todos sabem. A taxa de administração é a remuneração paga pelo investidor na prestação dos serviços de gestão e também de administração do fundo de investimentos em questão. É uma taxa geralmente medida ao ano sobre seu patrimônio total. Imagine que você tem R$ 1.000.000,00 investidos em um fundo que cobra 2% de administração. Todos os anos, você terá um custo mínimo de R$ 20.000,00. Por isso é tão importante brigar por baixas taxas de administração!

 

4 Taxa de carregamento

Por teoria, é um percentual que incide sobre TODAS as contribuições pagas em uma previdência, e tem como o intuito atender a despesas administrativas e também sobre a colocação do plano. Porem, sabe o que eu acho sobre isso? Besteira! Afinal de contas, a taxa de administração já remunera todas as partes necessárias. Todos os planos bons também tem taxa de carregamento em 0%! Se você paga essa taxa, saiba que é por desinformação, pois existem muitas opções com essas condições disponíveis no mercado e detalhe, com valores ridiculamente baixos.

Se você aportar R$ 500,00 por mês em um plano de previdência, e tiver uma taxa de carregamento de 5%, significa que você vai deixar R$ 25,00 na mão do banco, e R$ 475,00 investidos no seu fundo. Significa que você já entra no plano perdendo mais de 5 meses de rentabilidade! Quanto menor, melhor.

 

5 Taxa de Rentabilidade

Aqui parece fácil, né? Porém é bem provável que você faça a conta errada ! Se por acaso você diz que seu investimento rendeu “10% no ano”, ou “0,8%” ao mês, saiba que não é bem assim na prática de mercado. Nos investimentos SEMPRE temos que ter uma referência, que vai funcionar como nossa base comparativa. Já ouviu falar na TAXA SELIC? Essa é a taxa básica de juros, utilizada no Brasil para ajudar a levar a economia pro lado que o governo julgar mais pertinente. Agora .. já ouviu falar no CDI? Vou deixar as explanações para outra aula, mas imagine que o CDI é sempre um pouquinho abaixo da SELIC. Se a SELIC render 10% ao ano, imagine que o CDI vai estar muito próximo disso .. digamos, 9,9% ao ano. Agora que temos nossa taxa de referência, podemos dizer que se o seu fundo rendeu 9,9% no ano, ele rendeu 100% do CDI! Deu pra captar? Aqui, quanto maior, melhor. Aliás, você tem uma noção da diferença de rentabilidade que 0,1% ao mês pode causar no longo prazo?

  • R$ 100.000,00 investidos por 30 anos a 0,8% = R$ 1.761.130,58;
  • R$ 100.000,00 investidos por 30 anos a 0,9% = R$ 2.516.632,75;

 

Por isso, não menospreze esses 0,1% ao mês !

 

 

6 Taxa de Excedente Financeiro

A previdência deve ser olhada como uma aplicação que oferece a possibilidade de converter o patrimônio do investidor em complemento de renda. Sendo assim, imagine um cenário hipotétoco em que você possui R$ 600.000,00 e converte esse patrimônio em renda vitalícia. Se você fizer isso, poderá ter, em nosso exemplo, uma renda de R$ 3.500,00 durante toda a sua vida. O banco pode trabalhar com seus recursos, pois agora ele é o responsável por te pagar esse “salário”, e por isso, ele acaba gerenciando também esses R$ 600.000,00, que agora é patrimônio dele. O objetivo do banco é rentabilizar esses R$ 600.000,00 da melhor forma possivel, pois agora esse patrimônio é dele – já que trocou com você pela renda vitalícia.

Se ele conseguir que esses R$ 600.000,00 rendam R$ 6.000,00 por mês, como ele te paga R$ 3.500,00, ele gerou um excedente financeiro de R$ 2.500,00, certo? Se você possuir uma taxa de 0%, ele te repassará absolutamente nada. Porem, se tiver uma taxa de 50%, você vai receber R$ 1.250,00 além dos R$ 3.500,00 que já recebe. Assim, você agora receberá R$ 4.750,00, entendeu?

 

7 Taxa de juros na conversão

Novamente, apenas se você optar por converter o seu patrimônio investido na previdência em renda, um dos números que eles vão utilizar para calcular a renda que vão te pagar, vai ser a taxa de juros disponível na data de sua aposentadoria. Imagine que quando você quiser converter em renda, se a taxa de juros no momento estiver em 6%, provavelmente você vai receber muito mais do que se a taxa estivesse em 2%. Isso porque a seguradora vai levar em consideração a rentabilidade disponível no momento do mercado, pois ela vai ser a detentora do seu patrimônio, e vai trocar com você salário pelo valor investido. Porem, é possivel que você já tenha acordado uma taxa de juros na conversão, que provavelmente é 0%. Ela não vai te dar nenhum bônus .. porem, você poderia ter negociado uma taxa de 3%. Nesse caso, é como se você adicionasse 3% de juros a mais sobre seu patrimônio total, por ano, em uma eventual transformação de renda.

Se você converter 1 milhão em renda, você receberia R$ 30.000,00 a mais por ano, até o final da sua vida, diluído ao mês. Bom, né?

 

 

8 Tábua Atuarial

Aqui está, possivelmente, o principal motivo de você precisar abrir uma previdência, independente do valor que você vai colocar, quando se é novo (ou abrir para um parente).

Sempre que você abre um plano de previdência, você automaticamente adere a uma “tábua atuarial”, que basicamente estipula qual vai ser a sua data de falecimento.

Imagine então que você tem uma data de falecimento prevista para 70 anos (foque apenas no conceito, não no numero), e você está com 65 anos. Se você quiser transformar seu patrimônio em renda, a seguradora vai fazer um cálculo levando em consideração que você vai ter mais 5 anos de vida, e vai te pagar um valor. Se a sua data de falecimento prevista fosse em 90 anos, a previdência iria pensar: “Caramba .. ele vai viver mais 25 anos!” E aí, pagaria um valor bem menor do que o primeiro exemplo, certo?

O bom é que a tábua atuarial é contratada na hora que você abre um plano de previdência, e ela não pode ser mudada. Por isso, incentivo muitos pais preocupados com o futuro de seus filhos, ou até a investidores pensando no futuro, que abram um plano de previdência, muitas vezes só por abrir. Lá na frente, como a seguradora não pode expulsá-lo do plano, você pode fazer uma simulação, e se te agradar, você pode transferir alguns milhões para o plano e transformar em um benefício para você.

 

 

Espero estar ajudando você!

Thiago Nigro

Deixe aqui o seu comentário

comentários

Categories
Escolhendo a PrevidênciaPrevidência Privada

Relacionados